Pular para o conteúdo principal

Ele nasceu! Maria era uma das poucas pessoas que sabia que aquele nenê era o Verbo!



Quando essa vida apareceu, nós a vimos. (1Jo 1.2)


Os primeiros a ver “quando essa vida apareceu" não foram João, Pedro e Tiago nem os demais apóstolos. Não foram os dois idosos que moravam em Jerusalém (Simeão e Ana). Não foi um casal muito especial para Maria (Zacarias e Isabel). Não foi o recém-nascido João Batista. Não foi o rei Herodes, que dizia querer muito adorar o menino. Na verdade, também não foram os magos que vieram do Oriente para presentear a criança e se curvar diante dela, nem mesmo os pastores das montanhas ao redor de Belém, os únicos a receber as boas-novas naquela noite.

Os primeiros a ver a vida quando ela apareceu, se não foi a sortuda parteira, foram José e Maria, os pais do menininho. Além de ter concebido a criança de modo absolutamente contrário às leis da natureza e além do fato de ser Jesus o primeiro filho de Maria, ela, além do marido, era uma das poucas pessoas que sabia que aquele nenê era o Verbo que se fazia carne.

Só depois de Maria e José (e a parteira, quem sabe) é que os pastores (não se sabe quantos) deixaram as ovelhas sozinhas e desceram as montanhas para ver o Salvador deles enrolado em panos e deitado numa humilde manjedoura. A partir daí, sabe-se que outras pessoas viram a vida aparecer, mas não se sabe quantas nem a ordem de chegada. Nesse grupo podemos incluir os magos e os religiosos do templo que participaram da cerimônia da apresentação oficial de Jesus ao Senhor (o Pai), o piedoso Simeão (que aguardava ansioso esse dia) e a profetiza Ana, uma viúva muito idosa.

João e os demais apóstolos e discípulos possivelmente só viram a vida aparecer quando Jesus era um adulto de 30 anos. De qualquer modo, eles entram na lista dos privilegiados.

Maria era uma das poucas pessoas que sabia que aquele nenê era o Verbo!

mensagem de Elbén Cesar
Retirado de Refeições Diárias com os Discípulos. Editora Ultimato.




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Por que você não deixa que Deus decida com o que vai se preocupar?

Talvez você não queira incomodar Deus com suas dores. Afinal de contas, “Ele tem a fome mundial, pestes e guerras para se preocupar. Ele não vai se importar com meus pequenos problemas,” você pensa. Por que você não deixa que Ele decida com o que vai se preocupar?
Jesus se importou com uma festa de casamento o suficiente para providenciar vinho. Ele se importou o suficiente com a mulher perto do poço para responder às perguntas dela. 1 Pedro 5:7 diz “Ele tem cuidado de vocês.”
Seu primeiro passo deve ser ir para a pessoa certa. Vá para Deus. O segundo passo é tomar a postura certa. Curve-se diante de Deus. Lucas 18:7-8 nos relembra“Acaso Deus não fará justiça aos Seus escolhidos, que clamam a ele dia e noite?…Ele lhes fará justiça, e depressa.”
Ouça à oração em Salmo 25:1-2: “Senhor, a ti elevo a minha alma. Em ti confio, ó meu Deus.” Então, vá…curve-se e confie. Vale à pena, não acha?
mensagem de Max Lucado De “Aliviando a Bagagem”
~~~~~~~~~~~~~~~~~~ #DevocionalDádivasDoSenhor

O Sentido da Vida... sempre preocupou a humanidade

"Por que vivo?",  "Qual a razão da vida?",  "Qual o objetivo de viver?"
Mary Roberts Rinehart disse sobre o sentido da vida: "Um pouco de trabalho, um pouco de sono, um pouco de amor, e tudo acabou."  Edmund Cooke afirmou: "Nunca vivemos, mas sempre temos a expectativa da vida."  Colton:  "A alma vive aqui como numa prisão e é liberta apenas pela morte."  Shakespeare:  "Viver é uma sombra ambulante."  R. Campbell: "Viver é um corredor empoeirado, fechado de ambos os lados."  Rivarol: "Viver significa pensar sobre o passado, lamentar sobre o presente e tremer diante do futuro."

Será que todas essas não são afirmações bastante amargas e desanimadoras sobre o sentido da vida? Parece que todos falam apenas de existir e não de viver verdadeiramente.
Jesus tocou no âmago da questão ao dizer: "Eu sou... a vida" (João 14.6). Por isso o apóstolo Paulo escreveu sobre o sentido da sua vida: "Porquant…

Os Corações que Nada Sentem

“Conheço as tuas obras, que nem és frio nem quente. Quem dera fosses frio ou quente! Assim, porque és morno e nem és quente nem frio, estou a ponto de vomitar-te da minha boca”(Apocalipse 3:15-16)
A condição mais desesperada do coração humano é aquela na qual não sentimos nada, nem a respeito de Deus. Se nós absolutamente não pudéssemos sentir mais nada, estaríamos além de qualquer esperança.
A linguagem mais forte nas Escrituras é reservada para os fracos de coração, aqueles que simplesmente não ligam para Deus, por bem ou por mal. Por este motivo é triste observar que o nosso mundo é um mundo que está se tornando cinzas. A vida moderna é quase totalmente definida pela indiferença e tédio que nos anulam. 
Enfeitados da maneira que somos, a maioria das doenças sociais mais agudas são sintomas de um vazio crônico do coração. Nós nos tornamos, como T.S. Eliot disse, “homens vazios”. E este vazio, o nada que vem do cansaço do mundo, é assustador em sua implicações. Jamais estamos mais pr…