Pular para o conteúdo principal

Espírito de Independência

Nos atos
Grandes homens de Deus têm sempre agido independentemente e desafiado a sociedade ao fazê-lo. Os maiores reis do Velho Testamento, homens como Ezequias e Josias opuseram-se às práticas religiosas suas contemporâneas quando seguiram o caminho do retorno à vontade de Deus. 

Jesus desafiou consistentemente o decoro e chocou os escribas e fariseus voltados para a tradição. Ele comeu sem lavar suas mãos, fez coisas no Sábado, falou com mulheres em público, omitiu seus rituais de jejum, comeu com prostitutas e pecadores, etc. O Senhor queria bem desafiar as instituições religiosas e romper com os costumes convencionais.

Deveremos ver Jesus, então, como um rebelde, querendo meramente afrontar o costume estabelecido? Realmente, não. Jesus seguiu muitas coisas ensinadas pelos grandes rabis. 

Ele ensinou respeito por Deus e pela sua palavra. Ele cria que a Escritura não deveria ser desobedecida, nem mesmo em seus menores pontos (Mateus 5:18; João 10:35). Ele seguiu as leis sobre sacrifício e sacerdócio, guardou os dias festivos, etc.  Ele concordava em muitas coisas com os fariseus e os escribas (Mateus 23:2-3) até mesmo quando ele deplorava a hipocrisia deles. 

Assim Jesus quebrou algumas tradições e guardou outras. Seu principal guia era a vontade do Pai. Aquelas práticas aceitas que coincidiam com a vontade do Pai ele guardava impecavelmente, e seus inimigos o sabiam (João 8:46). Mas ele nunca hesitou em desconsiderar leis e regulamentos escritos e impostos por homens (veja Mateus 15:1-4). Jesus confiava em seu Pai implicitamente. Ele não era nem rebelde nem conservador. Ele queria fazer exatamente aquilo que o Pai disse sem considerar sua popularidade. Nesse sentido ele era independente e confiante nessa independência. Ele conhecia a vontade de seu Pai e nenhuma vez duvidou de que estivesse certo em guardá-la.

___ trecho do texto de Gary Fisher


http://www.estudosdabiblia.net/d96.htm


(foto obtida na internet)


Comentários

✿ Mensagens Últimos 30 dias

Os Corações que Nada Sentem

“Conheço as tuas obras, que nem és frio nem quente. Quem dera fosses frio ou quente! Assim, porque és morno e nem és quente nem frio, estou a ponto de vomitar-te da minha boca”(Apocalipse 3:15-16)
A condição mais desesperada do coração humano é aquela na qual não sentimos nada, nem a respeito de Deus. Se nós absolutamente não pudéssemos sentir mais nada, estaríamos além de qualquer esperança.
A linguagem mais forte nas Escrituras é reservada para os fracos de coração, aqueles que simplesmente não ligam para Deus, por bem ou por mal. Por este motivo é triste observar que o nosso mundo é um mundo que está se tornando cinzas. A vida moderna é quase totalmente definida pela indiferença e tédio que nos anulam. 
Enfeitados da maneira que somos, a maioria das doenças sociais mais agudas são sintomas de um vazio crônico do coração. Nós nos tornamos, como T.S. Eliot disse, “homens vazios”. E este vazio, o nada que vem do cansaço do mundo, é assustador em sua implicações. Jamais estamos mais pr…

Não se deixem abater. Cristo é o fim.

Mantenham-se alerta. Eu os estou incumbindo de um trabalho perigoso. Vocês serão como ovelhas correndo no meio de um bando de lobos, portanto não chamem atenção para vocês. Sejam espertos como a serpente, mas inofensivos como as pombas. Não sejam ingênuos. Alguns irão contestar as motivações de vocês; outros tentarão manchar sua reputação – só porque vocês creem em mim. Não fiquem deprimidos se forem levados perante as autoridades civis. Sem saber, eles fazem a vocês – e a mim – um grande favor, dando-lhes um palanque para pregar as novas do Reino! E não se preocupem com o discurso. As palavras certas serão ditas. O Espírito do Pai de vocês irá providenciá-las. Quando o povo perceber que é o Deus vivo que vocês apresentam, não algum ídolo que os faça sentir-se bem, eles irão se voltar contra vocês, até mesmo membros da família. Aqui está uma grande ironia: proclamar tanto amor e experimentar tanto ódio. Mas não desistam. Não se deixem abater. No final, valerá a pena. Vocês não estão p…

Deus dá vitória, Confie!

"Quem há entre vós que tema ao Senhor, e ouça a voz do seu Servo, que andou em trevas sem nenhuma luz, e ainda assim confiou em o nome do Senhor e se firmou sobre o seu Deus?" Isaías 50.10

As tentações espirituais são profundas e muito fortes. Para obter vitória contra essas tentações é necessário primeiro a vitória sobre as emoções. 
O espírito humano é a sede do Espírito de Deus. Nosso espírito capta o Eterno. Por isso, o alvo do inimigo é nos conduzir para a escuridão espiritual para que nos desesperemos. 
O Senhor permite essas tentações para termos a oportunidade de confirmar a autoridade da vitória de Jesus: "Eis aí vos dei autoridade... sobre todo o poder do inimigo."
Mas o que podemos fazer na prática, quando nosso espírito é conduzido por uma escuridão inimaginável? Confiar no Senhor – mesmo não sentindo nada! 
Se não vem resposta do alto, se parece estarmos sem saída, e se em nosso íntimo nos sentimos no fundo do poço, devemos fazer o que diz Isaías: &quo…

Maravilhoso Intercâmbio!

"Pois a nossa pátria está nos céus, de onde também aguardamos o Salvador, o Senhor Jesus Cristo." (Filipenses 3.20)
A Bíblia parte do princípio de que nós, os que cremos no Senhor Jesus Cristo, já temos o céu mesmo estando ainda na terra. Não precisamos mais lutar para conseguir o céu; podemos viver a partir da certeza de que já temos uma pátria celestial. 
Mas como é que isso pode ser realizado aqui na terra? 
A resposta lemos em Colossenses 2.6: "Ora, como recebestes a Cristo Jesus, o Senhor, assim andai nele." Posso estar em Cristo e Ele estar em mim. É dessa maneira que eu ando nEle. Este é o andar nos céus. Jesus subiu aos céus com Seu corpo glorificado, onde agora está assentado à direita de Deus. Mas, ao mesmo tempo, Ele está na terra, só que em sentido inverso do nosso. Enquanto Ele se assenta ao lado do Pai literalmente, Ele habita em nossos corações pelo Espírito Santo, como diz Efésios 3.17: "...e assim habite Cristo nos vossos corações, pela fé.&qu…

O Sentido da Vida... sempre preocupou a humanidade

"Por que vivo?",  "Qual a razão da vida?",  "Qual o objetivo de viver?"
Mary Roberts Rinehart disse sobre o sentido da vida: "Um pouco de trabalho, um pouco de sono, um pouco de amor, e tudo acabou."  Edmund Cooke afirmou: "Nunca vivemos, mas sempre temos a expectativa da vida."  Colton:  "A alma vive aqui como numa prisão e é liberta apenas pela morte."  Shakespeare:  "Viver é uma sombra ambulante."  R. Campbell: "Viver é um corredor empoeirado, fechado de ambos os lados."  Rivarol: "Viver significa pensar sobre o passado, lamentar sobre o presente e tremer diante do futuro."

Será que todas essas não são afirmações bastante amargas e desanimadoras sobre o sentido da vida? Parece que todos falam apenas de existir e não de viver verdadeiramente.
Jesus tocou no âmago da questão ao dizer: "Eu sou... a vida" (João 14.6). Por isso o apóstolo Paulo escreveu sobre o sentido da sua vida: "Porquant…

✿ Arquivo

Mostrar mais

✿ Idioma

✿ Facebook, visitem e sejam bem-vindos!

✿ Marcadores

Mostrar mais

✿ Pesquisar

✿ agradeço sua visita! Paz a vc e toda sua família!

✿ Clique na imagem para voltar ao início: