Pular para o conteúdo principal

É noite de Natal [que seja todos os dias]

Meia-noite já bateu e eu deveria estar dormindo, mas estou acordado. Me mantenho desperto por causa de um pensamento surpreendente. O mundo estava diferente esta semana. Ele foi temporariamente transformado.

O pó mágico do Natal brilhou nas faces da humanidade muito brevemente, lembrando-nos do que vale a pena possuir e como deveríamos ser. Esquecemos nossa compulsão de vencer, seduzir e guerrear. Pusemos de lado nossas escadas de acesso social e nossos livros contábeis, penduramos nossos cronômetros e armas. Descemos de nossas montanhas russas e pistas de corridas e olhamos em direção da estrela de Belém.

É a época de alegrar-nos, porque mais do que em qualquer outra ocasião pensamos nele. Mais do que em qualquer outra ocasião, seu nome está em nossos lábios.

E o resultado? Durante algumas horas preciosas nossos anseios celestiais se mesclam e nos tornamos um coro. Um coro variado de estivadores, advogados, imigrantes ilegais, donas-de-casa, e milhares de outras pessoas peculiares que se perguntam se esse mistério de Belém é na realidade uma realidade. "Venham e olhem para ele" cantamos, despertando até o mais adormecido dos pastores e mostrando-lhe o Cristo-menino.

Por algumas horas preciosas ele é contemplado. Cristo, o Senhor. Os que passam o ano sem vê-lo, de repente o vêem. Pessoas acostumadas a usar o seu nome em vão, fazem uma pausa para louvá-lo. Olhos agora livres dos antolhos do "eu", se maravilham com a sua majestade.

Num momento ele está em toda parte.

No sorriso do soldado que dirige o carro cheio de presentes para o orfanato.

No olhar alegre do garçom de Taiwan ao contar de sua próxima viagem para ver os filhos.

Na emoção do pai que fica grato demais para poder terminar sua oração à mesa.

Ele está nas lágrimas da mãe quando ela dá as boas-vindas ao filho que chegou de longe.

Ele está no coração do homem que passou a manhã de Natal entregando aos necessitados sanduíches frios e votos calorosos de Natal.

E ele está no silêncio solene da multidão que faz uma pausa em suas compras para ouvir o coro de crianças da escola elementar cantando "Lá na Manjedoura".

Emanuel. Ele está conosco. Deus se aproximou.

É noite de Natal. Em poucas horas vai começar a limpeza — as luzes vão ser tiradas, as árvores jogadas fora. O tamanho 36 vai ser trocado por tamanho 40, os preços baixam pela metade. A vida em breve voltará ao normal. A generosidade de dezembro se transformará nos pagamentos de janeiro e a mágica começará a desbotar.

Mas no momento a magia ainda está no ar. Talvez seja por isso que ainda não consegui dormir. Quero saborear o espírito de Natal um pouco mais. Quero orar para que aqueles que o contemplaram hoje procurem por ele no próximo agosto. E não posso deixar de demorar-me num pensamento fantasioso:

Se ele pode fazer tanto com orações tão tímidas oferecidas tão desajeitadamente em dezembro, quanto mais ele poderia fazer se pensássemos nele todos os dias? 

 _____________  por Max Lucado (trecho de texto) 

 




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O PAPEL DAS ESTRELAS

Então [Deus] o levou [Abraão] fora, e disse: Olha agora para os céus, e conta as estrelas, se as podes contar.

Para que sejais irrepreensíveis e sinceros, filhos de Deus inculpáveis, no meio de uma geração corrompida e perversa, entre a qual resplandeceis como astros no mundo (Gênesis 15:5; Filipenses 2:15).


Saia de casa em uma noite estrelada e olhe para o céu: nosso grande Criador crivou a abóbada celeste com uma multidão de estrelas, que formam parte da luz que ele nos deu. Da mesma forma, Deus também colocou os cristãos nas trevas morais deste mundo para brilharem "no meio de uma geração corrompida e perversa".
Uma estrela é um objeto celestial, e este é o verdadeiro caráter dos crentes: eles nasceram de Deus e, portanto, pertencem ao povo celestial (1 Coríntios 15:40-48). Portanto, convidam as pessoas a olharem para cima e lembrar que há um Deus sábio e todo-poderoso, infinito como o universo, um Deus de quem receberam a vida, e diante de quem um dia terão de prestar cont…

Por que você não deixa que Deus decida com o que vai se preocupar?

Talvez você não queira incomodar Deus com suas dores. Afinal de contas, “Ele tem a fome mundial, pestes e guerras para se preocupar. Ele não vai se importar com meus pequenos problemas,” você pensa. Por que você não deixa que Ele decida com o que vai se preocupar?
Jesus se importou com uma festa de casamento o suficiente para providenciar vinho. Ele se importou o suficiente com a mulher perto do poço para responder às perguntas dela. 1 Pedro 5:7 diz “Ele tem cuidado de vocês.”
Seu primeiro passo deve ser ir para a pessoa certa. Vá para Deus. O segundo passo é tomar a postura certa. Curve-se diante de Deus. Lucas 18:7-8 nos relembra“Acaso Deus não fará justiça aos Seus escolhidos, que clamam a ele dia e noite?…Ele lhes fará justiça, e depressa.”
Ouça à oração em Salmo 25:1-2: “Senhor, a ti elevo a minha alma. Em ti confio, ó meu Deus.” Então, vá…curve-se e confie. Vale à pena, não acha?
mensagem de Max Lucado De “Aliviando a Bagagem”
~~~~~~~~~~~~~~~~~~ #DevocionalDádivasDoSenhor

O Sentido da Vida... sempre preocupou a humanidade

"Por que vivo?",  "Qual a razão da vida?",  "Qual o objetivo de viver?"
Mary Roberts Rinehart disse sobre o sentido da vida: "Um pouco de trabalho, um pouco de sono, um pouco de amor, e tudo acabou."  Edmund Cooke afirmou: "Nunca vivemos, mas sempre temos a expectativa da vida."  Colton:  "A alma vive aqui como numa prisão e é liberta apenas pela morte."  Shakespeare:  "Viver é uma sombra ambulante."  R. Campbell: "Viver é um corredor empoeirado, fechado de ambos os lados."  Rivarol: "Viver significa pensar sobre o passado, lamentar sobre o presente e tremer diante do futuro."

Será que todas essas não são afirmações bastante amargas e desanimadoras sobre o sentido da vida? Parece que todos falam apenas de existir e não de viver verdadeiramente.
Jesus tocou no âmago da questão ao dizer: "Eu sou... a vida" (João 14.6). Por isso o apóstolo Paulo escreveu sobre o sentido da sua vida: "Porquant…