Pular para o conteúdo principal

Submissão ao Governo


Todos os cidadãos discordam de algumas políticas e práticas do governo, não importa em qual país moram. Em alguns países, o povo tem pouca voz nestas questões, enquanto outros permitem a participação limitada dos cidadãos nas decisões do governo. Reconhecendo divergências e até abusos de alguns governos, algumas pessoas incentivam a rebeldia dos cidadãos. Outros simplesmente apoiam a desobediência do povo às leis. O que a Bíblia ensina sobre a nossa atitude para com o governo? Há vários fatos e princípios revelados nas Escrituras que nos orientam.

1) Deus é soberano 

É comum observar atitudes de governantes que se acham soberanos, agindo sem nenhuma preocupação com a vontade divina. Alguns até procuram ditar princípios morais baseados na sua perspectiva política e não na palavra de Deus. Esta atitude é antiga, e nunca foi bem-sucedida. Um antigo rei do Egito desafiou o Senhor e foi humilhado por sua atitude (veja Êxodo 5:2 e continue lendo até o capítulo 14). Séculos depois, Deus ensinou uma lição importante para o rei da Babilônia: “o Altíssimo tem domínio sobre o reino dos homens e o dá a quem quer” (Daniel 4:32).

2) Governos humanos são ministros de Deus para manter ordem e castigar malfeitores 
    
Paulo escreveu: “Todo homem esteja sujeito às autoridades superiores; porque não há autoridade que não proceda de Deus; e as autoridades que existem foram por ele instituídas. De modo que aquele que se opõe à autoridade resiste à ordenação de Deus; e os que resistem trarão sobre si mesmos condenação. Porque os magistrados não são para temor, quando se faz o bem, e sim quando se faz o mal. Queres tu não temer a autoridade? Faze o bem e terás louvor dela, visto que a autoridade é ministro de Deus para teu bem. Entretanto, se fizeres o mal, teme; porque não é sem motivo que ela traz a espada; pois é ministro de Deus, vingador, para castigar o que pratica o mal” (Romanos 13:1-4).

3) Deus mandou que seus servos obedecessem à autoridade do governo.

Pedro disse: “Sujeitai-vos a toda instituição humana por causa do Senhor, quer seja ao rei, como soberano, quer às autoridades, como enviadas por ele, tanto para castigo dos malfeitores como para louvor dos que praticam o bem (1 Pedro 2:13-14).

4) Há um limite à nossa obediência aos governantes humanos
    
Sabendo que Deus ordenou estas autoridades, entendemos também que ele limita sua autoridade. Se uma ordem do governo entrar em conflito direto com a palavra de Deus, devemos lembrar que o Senhor é o soberano. Os apóstolos enfrentaram uma situação na qual foi necessária desobedecer às autoridades: “Então, Pedro e os demais apóstolos afirmaram: Antes, importa obedecer a Deus do que aos homens” (Atos 5:29).

O seguidor de Jesus não precisa gostar das políticas do governo, e não precisa concordar com as opiniões das autoridades. Os trechos citados dos livros de Romanos e 1 Pedro foram escritos durante o reinado de Nero, um dos piores e mais cruéis dos imperadores de Roma. Mesmo assim, os apóstolos ensinaram a obediência ao governo. Por este motivo, devemos pagar os impostos exigidos, respeitar as leis que governam os negócios, o trânsito, a construção, etc.

Devemos ser modelos de cidadãos obedientes ao governo. Porém, se o governo mandar matar, mentir ou cometer qualquer ato imoral, devemos ter a coragem para desobedecer. E se o governo chegar ao ponto de negar o nosso direito de servir a Deus, de se reunir com outros que compartilham a mesma fé ou de pregar a palavra do Senhor, devemos falar o que Pedro falou: “Antes, importa obedecer a Deus do que aos homens”.

Nas situações normais, os cristãos devem ser alguns dos melhores cidadãos em qualquer pais, respeitando a lei e aqueles que exercem autoridade. Mas no caso de governos que procuram se exaltar acima do próprio Senhor, Deus continua soberano!

______________ por Dennis Allan



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Por que você não deixa que Deus decida com o que vai se preocupar?

Talvez você não queira incomodar Deus com suas dores. Afinal de contas, “Ele tem a fome mundial, pestes e guerras para se preocupar. Ele não vai se importar com meus pequenos problemas,” você pensa. Por que você não deixa que Ele decida com o que vai se preocupar?
Jesus se importou com uma festa de casamento o suficiente para providenciar vinho. Ele se importou o suficiente com a mulher perto do poço para responder às perguntas dela. 1 Pedro 5:7 diz “Ele tem cuidado de vocês.”
Seu primeiro passo deve ser ir para a pessoa certa. Vá para Deus. O segundo passo é tomar a postura certa. Curve-se diante de Deus. Lucas 18:7-8 nos relembra“Acaso Deus não fará justiça aos Seus escolhidos, que clamam a ele dia e noite?…Ele lhes fará justiça, e depressa.”
Ouça à oração em Salmo 25:1-2: “Senhor, a ti elevo a minha alma. Em ti confio, ó meu Deus.” Então, vá…curve-se e confie. Vale à pena, não acha?
mensagem de Max Lucado De “Aliviando a Bagagem”
~~~~~~~~~~~~~~~~~~ #DevocionalDádivasDoSenhor

O PAPEL DAS ESTRELAS

Então [Deus] o levou [Abraão] fora, e disse: Olha agora para os céus, e conta as estrelas, se as podes contar.

Para que sejais irrepreensíveis e sinceros, filhos de Deus inculpáveis, no meio de uma geração corrompida e perversa, entre a qual resplandeceis como astros no mundo (Gênesis 15:5; Filipenses 2:15).


Saia de casa em uma noite estrelada e olhe para o céu: nosso grande Criador crivou a abóbada celeste com uma multidão de estrelas, que formam parte da luz que ele nos deu. Da mesma forma, Deus também colocou os cristãos nas trevas morais deste mundo para brilharem "no meio de uma geração corrompida e perversa".
Uma estrela é um objeto celestial, e este é o verdadeiro caráter dos crentes: eles nasceram de Deus e, portanto, pertencem ao povo celestial (1 Coríntios 15:40-48). Portanto, convidam as pessoas a olharem para cima e lembrar que há um Deus sábio e todo-poderoso, infinito como o universo, um Deus de quem receberam a vida, e diante de quem um dia terão de prestar cont…

O Sentido da Vida... sempre preocupou a humanidade

"Por que vivo?",  "Qual a razão da vida?",  "Qual o objetivo de viver?"
Mary Roberts Rinehart disse sobre o sentido da vida: "Um pouco de trabalho, um pouco de sono, um pouco de amor, e tudo acabou."  Edmund Cooke afirmou: "Nunca vivemos, mas sempre temos a expectativa da vida."  Colton:  "A alma vive aqui como numa prisão e é liberta apenas pela morte."  Shakespeare:  "Viver é uma sombra ambulante."  R. Campbell: "Viver é um corredor empoeirado, fechado de ambos os lados."  Rivarol: "Viver significa pensar sobre o passado, lamentar sobre o presente e tremer diante do futuro."

Será que todas essas não são afirmações bastante amargas e desanimadoras sobre o sentido da vida? Parece que todos falam apenas de existir e não de viver verdadeiramente.
Jesus tocou no âmago da questão ao dizer: "Eu sou... a vida" (João 14.6). Por isso o apóstolo Paulo escreveu sobre o sentido da sua vida: "Porquant…