Pular para o conteúdo principal

FAMÍLIAS, busquem o discernimento de Deus

Entre gerações

Carlos “Catito” e Dagmar Grzybowski


Há um tempo na vida familiar em que as atenções e cuidados estão voltados para a criação dos filhos. Preocupamo-nos em passar a eles os valores importantes que os equiparão para enfrentar a vida. Acreditamos que a fase mais conturbada é a adolescência, pois é exatamente nessa etapa que os filhos põem em xeque a consistência dos valores a eles transmitidos.

Quando percebem que há uma incoerência, em geral rebelam-se. Porém, quando questionam os valores e percebem que eles são consistentes com o estilo de vida dos pais e que geram uma harmonia relacional -- e, por conseguinte, uma vida tranquila --, os adotam para si.

Logo, a maior preocupação dos pais nessa etapa da vida deve ser a coerência do discurso com a prática de vida. Por exemplo: se os pais afirmam que o casamento é um valor “muito” importante, todavia vivem em constante beligerância, os filhos adolescentes não acreditarão no valor do casamento e consequentemente procurarão uma vida de relacionamentos superficiais e descartáveis.

Quando o casal consegue liberar os filhos para uma vida adulta e passa a relacionar-se com eles como pares, respeitando a individualidade de adultos deles, pode gozar de um período de relativa tranquilidade familiar. Entretanto, essa tranquilidade muitas vezes é rompida com as necessidades naturais da entrada dos avós (pais do casal) na terceira idade.

Hoje a idade média da população mundial tem aumentado e trazido no seu rastro uma parte significativa da população que começa a mostrar sinais de envelhecimento depois dos 80 anos. São pessoas que já desfrutam da aposentadoria há algum tempo e que têm poucas oportunidades de ocupação criativa de tempo livre.

Com isso, podem buscar atividades para a ocupação desse tempo que não sejam mais compatíveis com a qualidade de saúde pertinente à idade. É comum então que sofram pequenos acidentes domésticos tentando levantar pesos ou perdendo o equilíbrio em tarefas que antes eram fáceis e habituais, como subir em uma cadeira para apanhar algo em cima do guarda-roupa ou mover um pequeno balcão para fazer a limpeza da casa.

Então chega um momento de decisão difícil para a família: deixar o idoso (ou idosos) correndo o risco de sofrer acidentes domésticos ou mesmo enfrentando pequenas enfermidades (artroses, tendinites, isquemias, escleroses) -- que são “limitantes”, mas não “incapacitantes” --, ou intervir na autonomia deles e tomar decisões por eles para salvaguardá-los de algo pior?

Tal decisão envolve múltiplos fatores a serem considerados e jamais pode ser tratada “no atacado”, ou seja, cada situação particular precisa ser avaliada e os melhores caminhos para a solução devem ser buscados. Em nosso país, colocar um idoso em um centro específico (Casa de Repouso, Ancionato etc.) é visto como sinônimo de abandono por parte da família -- o que é um grande equívoco. Pelo contrário, muitas vezes, pode ser sinal de cuidado e proteção.

Em Efésios 6.1-3, o apóstolo Paulo conclama os cristãos para honrarem seus pais, sendo o cuidado para com o idoso uma das principais formas de expressão desta honra.

Claro, em famílias em que há condições estruturais para que o idoso seja cuidado no meio de seus entes queridos, esta é a opção mais adequada. Contudo, nem sempre a família dispõe de tal estrutura, como no caso daquelas em que os filhos têm moradas muito pequenas e teriam de desalojar um dos membros para inserir o idoso naquele contexto ou em famílias em que todos trabalham e não há ninguém que possa acompanhar o idoso. Neste último caso, manter o idoso em casa seria uma forma de abandono e não de cuidado.

Para as famílias que estão passando por essa etapa do seu ciclo vital, a sugestão é que dialoguem bastante, sem ideias preconcebidas, e juntos busquem em oração o discernimento de Deus para a promoção de harmonia e paz com justiça!

por • Carlos “Catito” e Dagmar são casados, ambos psicólogos e terapeutas de casais e de família.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O PAPEL DAS ESTRELAS

Então [Deus] o levou [Abraão] fora, e disse: Olha agora para os céus, e conta as estrelas, se as podes contar.

Para que sejais irrepreensíveis e sinceros, filhos de Deus inculpáveis, no meio de uma geração corrompida e perversa, entre a qual resplandeceis como astros no mundo (Gênesis 15:5; Filipenses 2:15).


Saia de casa em uma noite estrelada e olhe para o céu: nosso grande Criador crivou a abóbada celeste com uma multidão de estrelas, que formam parte da luz que ele nos deu. Da mesma forma, Deus também colocou os cristãos nas trevas morais deste mundo para brilharem "no meio de uma geração corrompida e perversa".
Uma estrela é um objeto celestial, e este é o verdadeiro caráter dos crentes: eles nasceram de Deus e, portanto, pertencem ao povo celestial (1 Coríntios 15:40-48). Portanto, convidam as pessoas a olharem para cima e lembrar que há um Deus sábio e todo-poderoso, infinito como o universo, um Deus de quem receberam a vida, e diante de quem um dia terão de prestar cont…

Por que você não deixa que Deus decida com o que vai se preocupar?

Talvez você não queira incomodar Deus com suas dores. Afinal de contas, “Ele tem a fome mundial, pestes e guerras para se preocupar. Ele não vai se importar com meus pequenos problemas,” você pensa. Por que você não deixa que Ele decida com o que vai se preocupar?
Jesus se importou com uma festa de casamento o suficiente para providenciar vinho. Ele se importou o suficiente com a mulher perto do poço para responder às perguntas dela. 1 Pedro 5:7 diz “Ele tem cuidado de vocês.”
Seu primeiro passo deve ser ir para a pessoa certa. Vá para Deus. O segundo passo é tomar a postura certa. Curve-se diante de Deus. Lucas 18:7-8 nos relembra“Acaso Deus não fará justiça aos Seus escolhidos, que clamam a ele dia e noite?…Ele lhes fará justiça, e depressa.”
Ouça à oração em Salmo 25:1-2: “Senhor, a ti elevo a minha alma. Em ti confio, ó meu Deus.” Então, vá…curve-se e confie. Vale à pena, não acha?
mensagem de Max Lucado De “Aliviando a Bagagem”
~~~~~~~~~~~~~~~~~~ #DevocionalDádivasDoSenhor

O Sentido da Vida... sempre preocupou a humanidade

"Por que vivo?",  "Qual a razão da vida?",  "Qual o objetivo de viver?"
Mary Roberts Rinehart disse sobre o sentido da vida: "Um pouco de trabalho, um pouco de sono, um pouco de amor, e tudo acabou."  Edmund Cooke afirmou: "Nunca vivemos, mas sempre temos a expectativa da vida."  Colton:  "A alma vive aqui como numa prisão e é liberta apenas pela morte."  Shakespeare:  "Viver é uma sombra ambulante."  R. Campbell: "Viver é um corredor empoeirado, fechado de ambos os lados."  Rivarol: "Viver significa pensar sobre o passado, lamentar sobre o presente e tremer diante do futuro."

Será que todas essas não são afirmações bastante amargas e desanimadoras sobre o sentido da vida? Parece que todos falam apenas de existir e não de viver verdadeiramente.
Jesus tocou no âmago da questão ao dizer: "Eu sou... a vida" (João 14.6). Por isso o apóstolo Paulo escreveu sobre o sentido da sua vida: "Porquant…