Pular para o conteúdo principal

Advento: O tempo da espera

Sabemos muito bem por que nestes dias as crianças vivem numa espera tão ansiosa: por causa dos presentes e doces que receberão. Aliás, essa ansiedade também acontece com muitos adultos.

Mas, seja como for, o fato é que o tempo do Advento é caracterizado pela espera.

Por isso, muitos filhos de Deus também almejam novas bênçãos justamente neste tempo do Advento. Isso é perfeitamente correto, sobretudo porque no tempo do Advento vivemos em direção ao Natal. Almejamos um ponto culminante, e quando ele acontece esperamos um novo fortalecimento para nossa vida espiritual. 

Esperamos que o nascimento de Jesus Cristo, que aconteceu há quase dois mil anos, torne-se tão novo e real para nós que disso resulte um novo proveito interior. Desfrutaremos desse proveito se tivermos a posição correta em relação à festa de Natal. 

Ao mesmo tempo, porém, não precisamos apenas pensar em bênçãos que já recebemos – por exemplo, por ocasião do último Natal –, mas podemos almejar bênçãos ainda maiores e melhores. Pois a verdadeira espera sempre tem relação com o desejo de possuir mais do que se tem no momento. Com toda a certeza, nesta questão também podemos esperar pela fé, com ousadia, por mais do que já temos recebido.

A respeito, vamos lembrar um exemplo de tempos antigos: o rei Amazias de Judá preparou-se para a guerra contra os homens de Seir. Ele passou em revista 300.000 homens escolhidos de Judá (2 Cr 25.5)."Também tomou de Israel a soldo cem mil homens valentes por cem talentos de prata" (v.6). Mas um homem de Deus veio a ele dizendo-lhe que perderia a guerra se não mandasse de volta para casa esses mercenários (v.7-8). 

Amazias estava perfeitamente disposto a mandá-los novamente para casa, mas preocupou-se com os cem talentos de prata já pagos: "Disse Amazias ao homem de Deus: Que se fará, pois, dos cem talentos de prata que dei às tropas de Israel?" (v.9a). A maravilhosa resposta foi: "Muito mais do que isso pode dar-te o Senhor" (v.9b). Em outras palavras: "Amazias, esses cem talentos de prata são valiosos – mas o que é isto para o Senhor?! Ele pode lhe dar muito mais; espere somente nEle."

Da mesma maneira, também podemos viver nessa ansiosa expectativa, principalmente porque podemos esperar novas e maiores bênçãos, olhando para o Filho de Deus, que veio para esta terra há quase dois mil anos.

Mas voltemo-nos novamente para o futuro e perguntemo-nos: o Advento do Plano de Salvação também é caracterizado por expectativas? 

Com certeza. Pois no fim deste tempo do Advento esperamos Jesus Cristo em pessoa. Filipenses 3.20 nos diz de maneira maravilhosa: "Pois a nossa pátria está nos céus, de onde também aguardamos o Salvador, o Senhor Jesus Cristo". E em Tito 2.13 está escrito:

"Aguardando a bendita esperança e a manifestação da glória do nosso grande Deus e Salvador Cristo Jesus." Ou pensemos numa outra grandiosa esperança, da qual fala Pedro: "Nós, porém, segundo a sua promessa, esperamos novos céus e nova terra, nos quais habita justiça" (2 Pe 3.13). O Advento no Plano de Salvação é marcado por grandiosas esperanças!

Mas por que, então, vivemos geralmente como se não partilhássemos dessa expectativa maravilhosa, mesmo sabendo que já estamos bem adiantados no Advento do Plano de Salvação? 

Vamos ver isso através dos exemplos de duas pessoas que nos mostram literalmente o que significa viver em atitude de espera no Advento do Plano de Salvação: Simeão e Ana. Ambos moravam em Jerusalém e ali esperavam pela primeira vinda do Messias: "Havia em Jerusalém um homem chamado Simeão; homem este justo e piedoso que esperava a consolação de Israel; e o Espírito Santo estava sobre ele... Movido pelo Espírito, foi ao templo; e, quando os pais trouxeram o menino Jesus... o tomou nos braços e louvou a Deus, dizendo: Agora, Senhor, podes despedir em paz o teu servo, segundo a tua palavra; porque os meus olhos já viram a tua salvação... Havia uma profetisa, chamada Ana, filha de Fanuel, da tribo de Aser... Esta não deixava o templo, mas adorava noite e dia em jejuns e orações. E, chegando naquela hora, dava graças a Deus e falava a respeito do menino a todos os que esperavam a redenção de Jerusalém" (Lc 2.25-38).

Essas duas pessoas – antes de terem visto o menino – viviam literalmente no Advento do Plano de Salvação, pois esperavam a primeira vinda do Senhor, como nós esperamos pela Sua segunda vinda. Por isso, justamente elas são o melhor exemplo para nós no que se refere à questão do que é a esperança do Advento no Plano de Salvação.

Para responder a essa pergunta, só precisamos destacar duas características dessas duas pessoas. Do velho Simeão lemos: "...homem este justo e piedoso que esperava a consolação de Israel" (v.25a), e da profetisa Ana: "...Esta não deixava o templo, mas adorava noite e dia em jejuns e orações" (v.37). 

A força dessas duas pessoas consistia delas não apenas esperarem pelo Senhor, mas de cultivarem, cuidarem e alimentarem sua expectativa. Por isso, o seu anseio pelo Senhor era ardente e genuíno. 

Simeão não somente esperava pela "consolação de Israel", pois ao mesmo tempo ele era "justo e piedoso." Dessa maneira ele alimentava a sua espera. A profetisa Ana "...não deixava o templo, mas adorava a Deus... dia e noite." Assim ela cuidava da sua espera e a mantinha ardente e viva.

Por que, entretanto, a expectativa de muitos ainda é tão morna, embora também vivam no Advento do Plano de Salvação? A razão está no fato de não alimentarem esse anseio em seu íntimo. Por isso, o fogo da espera quase se apaga, quase se extingue, porque não se alimenta essa chama. Assim, não é de admirar que quase não se sinta mais nada a respeito.

Portanto, será que não está na hora de começar a alimentar e avivar a espera em seu coração, para que ela passe a ser novamente ardente?

Talvez você até precisa ir para a UTI espiritual, ou seja, começar a ocupar-se com Jesus de uma maneira totalmente nova e, talvez pela primeira vez, a pensar em Sua iminente volta. Comece desde já! Pois somente assim o seu anseio no Advento do Plano de Salvação se renovará, ficará forte e cheio de expectativa. 

Somente assim você se tornará um cristão ansioso pela volta do Senhor, porque nutrirá grandes esperanças por esse glorioso dia. Afaste seus olhos de todas as coisas temporais, de tudo aquilo que nos cerca aqui, porque a glória que nos espera na Eternidade não pode ser comparada com nada neste mundo. Pois então se cumprirá integralmente o que o homem de Deus disse a Amazias: "Muito mais do que isso pode dar-te o Senhor." Mas a escolha é sua. 

Você pode avivar essa espera até à paixão ardente, se começar a alimentá-la e cultivá-la. Portanto, ocupe-se muito, ocupe-se intensamente com Jesus e com Sua palavra, com Sua iminente volta – e você verá que um grande anseio se acenderá em seu coração!

Marcel Malgo



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O PAPEL DAS ESTRELAS

Então [Deus] o levou [Abraão] fora, e disse: Olha agora para os céus, e conta as estrelas, se as podes contar.

Para que sejais irrepreensíveis e sinceros, filhos de Deus inculpáveis, no meio de uma geração corrompida e perversa, entre a qual resplandeceis como astros no mundo (Gênesis 15:5; Filipenses 2:15).


Saia de casa em uma noite estrelada e olhe para o céu: nosso grande Criador crivou a abóbada celeste com uma multidão de estrelas, que formam parte da luz que ele nos deu. Da mesma forma, Deus também colocou os cristãos nas trevas morais deste mundo para brilharem "no meio de uma geração corrompida e perversa".
Uma estrela é um objeto celestial, e este é o verdadeiro caráter dos crentes: eles nasceram de Deus e, portanto, pertencem ao povo celestial (1 Coríntios 15:40-48). Portanto, convidam as pessoas a olharem para cima e lembrar que há um Deus sábio e todo-poderoso, infinito como o universo, um Deus de quem receberam a vida, e diante de quem um dia terão de prestar cont…

Por que você não deixa que Deus decida com o que vai se preocupar?

Talvez você não queira incomodar Deus com suas dores. Afinal de contas, “Ele tem a fome mundial, pestes e guerras para se preocupar. Ele não vai se importar com meus pequenos problemas,” você pensa. Por que você não deixa que Ele decida com o que vai se preocupar?
Jesus se importou com uma festa de casamento o suficiente para providenciar vinho. Ele se importou o suficiente com a mulher perto do poço para responder às perguntas dela. 1 Pedro 5:7 diz “Ele tem cuidado de vocês.”
Seu primeiro passo deve ser ir para a pessoa certa. Vá para Deus. O segundo passo é tomar a postura certa. Curve-se diante de Deus. Lucas 18:7-8 nos relembra“Acaso Deus não fará justiça aos Seus escolhidos, que clamam a ele dia e noite?…Ele lhes fará justiça, e depressa.”
Ouça à oração em Salmo 25:1-2: “Senhor, a ti elevo a minha alma. Em ti confio, ó meu Deus.” Então, vá…curve-se e confie. Vale à pena, não acha?
mensagem de Max Lucado De “Aliviando a Bagagem”
~~~~~~~~~~~~~~~~~~ #DevocionalDádivasDoSenhor

O Sentido da Vida... sempre preocupou a humanidade

"Por que vivo?",  "Qual a razão da vida?",  "Qual o objetivo de viver?"
Mary Roberts Rinehart disse sobre o sentido da vida: "Um pouco de trabalho, um pouco de sono, um pouco de amor, e tudo acabou."  Edmund Cooke afirmou: "Nunca vivemos, mas sempre temos a expectativa da vida."  Colton:  "A alma vive aqui como numa prisão e é liberta apenas pela morte."  Shakespeare:  "Viver é uma sombra ambulante."  R. Campbell: "Viver é um corredor empoeirado, fechado de ambos os lados."  Rivarol: "Viver significa pensar sobre o passado, lamentar sobre o presente e tremer diante do futuro."

Será que todas essas não são afirmações bastante amargas e desanimadoras sobre o sentido da vida? Parece que todos falam apenas de existir e não de viver verdadeiramente.
Jesus tocou no âmago da questão ao dizer: "Eu sou... a vida" (João 14.6). Por isso o apóstolo Paulo escreveu sobre o sentido da sua vida: "Porquant…