Pular para o conteúdo principal

Paulo sabia melhor. O importante não era o que Deus tinha feito no passado; mas cada dia em que ele precisava ir a Deus em busca de graça!


“Por isso não desanimamos; pelo contrário, mesmo que o nosso homem exterior se corrompa, contudo o nosso homem interior se renova de dia em dia” (II Coríntios 4:16).

UM DIA DE CADA VEZ

“O que você vê em mim, agora, não é realmente o que eu sou. Você deve olhar dentro de mim para ver a verdadeira pessoa”.

As palavras vieram de um respeitado amigo, agora morrendo de câncer. Ele queria que eu olhasse para trás do rosto desfigurado, da forma abatida, do leito hospitalar com seus tubos e medidores, e me lembrasse dele como tinha sido. Sua mente e o seu coração expressavam melhor a pessoa real do que o seu corpo torturado.

Você conhece uma pessoa que transborda de vigor, força e segurança? Sente que poderia correr uma maratona com tal indivíduo. Ou talvez um deficiente físico que se apega tão fortemente à vida como suas mãos se apegam à cadeira de rodas?

Paulo era contagiado por um espírito indômito. Ergueu-se de sob um montão de pedras e caminhou para a cidade de Listra. Atravessou com dificuldade a praia em Malta e pôs-se a ajuntar lenha. Quando uma víbora o atacou, ele a sacudiu e continuou atiçando o fogo.

Conhecia tão bem o desgaste da fome, a agonia do aprisionamento injusto, as poderosas injúrias que os homens infligiam sobre suas vítimas. Mas o Paulo que estava no interior daquele corpo cicatrizado e enfraquecido nunca perdeu sua confiança em Deus.


Ele se sustinha olhando sempre para Deus. 


É verdade que não havia esquecido a estrada de Damasco, ou o confronto com o legalismo, ou qualquer outra lição de vida. Mas se lembrava delas a fim de reassegurar-se quanto ao futuro. Deus esperava no futuro para auxiliá-lo e livrá-lo.

Ele sentia a morte em seu corpo. O homem exterior estava perecendo. Conhecia muito os riscos que estava correndo, como tinha empurrado a força física aos seus limites. Conhecia sua mortalidade. Mas Deus lhe dera a certeza de que haveria vida. Dia a dia encontrava renovação.

Muitas vezes esperamos que o dia em Deus, pela primeira vez, concedeu vida espiritual será suficiente para sempre. Paulo sabia melhor. O importante não era o que Deus tinha feito no passado; mas cada dia em que ele precisava ir a Deus em busca de graça. Jamais permitia que o mundo externo o desviasse do espiritual. Nem esquecia o poder que dia a dia o sustinha e renovava.


“Coisa alguma é aparentemente mais desamparada, e na realidade mais invencível, do que a alma que sente o seu nada, e confia inteiramente nos méritos do Salvador” (A Ciência do Bom Viver, p. 182).


mensagem de Amilton Menezes/novotempo

link para compartilhar: (copie e cole)  http://bit.ly/2nO7yGo


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A luz brilhou sobre os que viviam nas trevas, mas eles preferiram continuar na escuridão!

Quem odeia o seu irmão está na escuridão, anda nela e não sabe para onde está indo. (1Jo 2.11). Se a escuridão está indo embora, por que continuar dentro dela? Se a aurora está chegando, por que esse gosto pela escuridão?
O problema é muito sério e Jesus se pronunciou a respeito: “Deus mandou a luz ao mundo, mas as pessoas preferiram a escuridão” (Jo 3.19). 
Como é possível preferir uma cobra no lugar de um peixe?  Como é possível preferir uma pedra no lugar de pão?  Como é possível perder a alma para não perder o mundo?  Como é possível construir uma casa sobre a areia e não sobre a rocha?  Como é possível escolher Barrabás e não Jesus Cristo?  Como é possível trocar a vida eterna pela morte eterna?  Como é possível trocar a cruz por uma varinha de condão?  Como é possível trocar a redenção pela reencarnação?  Como é possível trocar os anjos que não caíram pelos demônios?  Como é possível trocar o Espírito de Deus pelos cartomantes?  Como é possível perder Cristo para não perder o ami…

O Sentido da Vida... sempre preocupou a humanidade

"Por que vivo?",  "Qual a razão da vida?",  "Qual o objetivo de viver?"
Mary Roberts Rinehart disse sobre o sentido da vida: "Um pouco de trabalho, um pouco de sono, um pouco de amor, e tudo acabou."  Edmund Cooke afirmou: "Nunca vivemos, mas sempre temos a expectativa da vida."  Colton:  "A alma vive aqui como numa prisão e é liberta apenas pela morte."  Shakespeare:  "Viver é uma sombra ambulante."  R. Campbell: "Viver é um corredor empoeirado, fechado de ambos os lados."  Rivarol: "Viver significa pensar sobre o passado, lamentar sobre o presente e tremer diante do futuro."

Será que todas essas não são afirmações bastante amargas e desanimadoras sobre o sentido da vida? Parece que todos falam apenas de existir e não de viver verdadeiramente.
Jesus tocou no âmago da questão ao dizer: "Eu sou... a vida" (João 14.6). Por isso o apóstolo Paulo escreveu sobre o sentido da sua vida: "Porquant…

Por que você não deixa que Deus decida com o que vai se preocupar?

Talvez você não queira incomodar Deus com suas dores. Afinal de contas, “Ele tem a fome mundial, pestes e guerras para se preocupar. Ele não vai se importar com meus pequenos problemas,” você pensa. Por que você não deixa que Ele decida com o que vai se preocupar?
Jesus se importou com uma festa de casamento o suficiente para providenciar vinho. Ele se importou o suficiente com a mulher perto do poço para responder às perguntas dela. 1 Pedro 5:7 diz “Ele tem cuidado de vocês.”
Seu primeiro passo deve ser ir para a pessoa certa. Vá para Deus. O segundo passo é tomar a postura certa. Curve-se diante de Deus. Lucas 18:7-8 nos relembra“Acaso Deus não fará justiça aos Seus escolhidos, que clamam a ele dia e noite?…Ele lhes fará justiça, e depressa.”
Ouça à oração em Salmo 25:1-2: “Senhor, a ti elevo a minha alma. Em ti confio, ó meu Deus.” Então, vá…curve-se e confie. Vale à pena, não acha?
mensagem de Max Lucado De “Aliviando a Bagagem”
~~~~~~~~~~~~~~~~~~ #DevocionalDádivasDoSenhor