Não importa qual seja a situação, precisamos olhar além das aparências e nos lembrar de que Deus nunca abandona os que são Seus; e Ele nunca é injusto.

“Ai, senhor meu! Se o Senhor é conosco, por que nos sobreveio tudo isto? E que é feito de todas as suas maravilhas que nossos pais nos contaram [...]? Porém, agora, o Senhor nos desamparou e nos entregou nas mãos dos midianitas” (Jz 6 v. 13).


Do ponto de vista de Gideão, o Senhor tinha falhado com Seu povo. Que outra razão poderia haver para [os israelitas] estarem debaixo da opressão de Midiã? Que outra explicação poderia haver para o fato de Gideão ter que malhar o trigo naquele lugar tão vergonhoso e precisar esconder o cereal de seus opressores? Obviamente, pensava ele, o Senhor nos abandonou. Para Gideão, o Senhor estava em falta para com Seu povo.

O ato de malhar ou cirandar o cereal numa peneira serve para separar o grão da palha, as cascas inúteis que envolvem a semente propriamente dita.

Nesse aspecto, ele era bem parecido conosco. Quando enfrentamos águas profundas e situações horríveis, muitas vezes culpamos a Deus, achando que, de alguma forma, Ele nos deixou na mão ou não cumpriu Sua promessa de jamais nos abandonar. Ficaríamos surpresos com a rapidez com que mudaríamos de idéia se pudéssemos ver as circunstâncias em que nos encontramos, sob o ponto de vista de Deus.

Um pouco antes, ainda em Juízes 6, o Senhor revelou por que Israel sofria tanto e por que os midianitas pilhavam suas colheitas: “Fizeram os filhos de Israel o que era mau perante o Senhor; por isso, o Senhor os entregou nas mãos dos midianitas por sete anos” (v. 1). Deus não tinha falhado com Seu povo; este é que tinha pecado e se afastado dEle, e estava sofrendo as conseqüências. 

Gideão tinha interpretado mal a sua situação. 

Embora às vezes possa parecer que o Senhor nos abandonou, a realidade é muito diferente. Às vezes, sofremos por causa do pecado. Outras vezes, Deus usa as circunstâncias para nos proteger ou nos dar um testemunho para que possamos glorificá-lo. Não importa qual seja a situação, precisamos olhar além das aparências e nos lembrar de que Deus nunca abandona os que são Seus; e Ele nunca é injusto.

parte da mensagem de Thomas C. Simcox


Johann Sebastian Bach "Soli Deo Gloria": SOMENTE A DEUS SEJA A GLÓRIA!

"Eu toco as notas como elas são escritas, mas é Deus quem faz a música." 
Porque, quem te faz diferente? E que tens tu que não tenhas recebido? E, se o recebeste, por que te glorias, como se não o houveras recebido? (1 Coríntios 4:7).

SOMENTE A DEUS SEJA A GLÓRIA!
Johann Sebastian Bach (1685-1750), um dos maiores compositores de todos os tempos, tinha fé e uma grande humildade acompanhada pela consciência da majestade de Deus. Não era por simples costume que terminava suas obras agregando as iniciais S.D.G – Soli Deo Gloria: somente a Deus seja a glória. Em seus manuscritos freqüentemente também se acham as letras J.j: Jesus juvat – Jesus ajuda.

Um biógrafo notou que em suas obras “Bach nunca esqueceu o que significavam as expressões ‘pecado’, ‘culpa’, ‘morte’ e ‘experiência do efêmero’”. Por isso se expressava com força no tocante ao perdão divino.

Sua biblioteca era composta de livros de teoria musical e escritos cristãos. Os primeiros foram conservados por seus filhos, mas, por falta de interesse, o mesmo não sucedeu aos livros cristãos. Somente uma Bíblia reapareceu tempos depois nos Estados Unidos. É uma edição de 1681, em três volumes, traduzida por Martinho Lutero. Nas margens havia anotações de Bach.

Alegra-nos muito saber que esse gênio da música era um crente piedoso. Seu talento o fez grande na terra, mas sua fé o fez humilde e lhe permitiu se beneficiar da graça de Deus. Sua fé também o capacitou para o céu e a eternidade. Por meio de sua obra musical também glorificou a Deus. Sua música ressoará enquanto houver terra, sua fé ressoará enquanto houver céus!

mensagem de "BoaSemente" 
apaz/todo_dia/2011/Marco17