O Criador se preocupa conosco!

O argumento bíblico sobre as maravilhas do Universo é forte: a Criação é a testemunha universal que grita em alta voz, nos convidando a olhar para o Criador. Davi, o segundo rei de Israel, escreveu: “Os céus proclamam a glória de Deus, e o firmamento anuncia as obras das suas mãos. Um dia discursa a outro dia, e uma noite revela conhecimento a outra noite. Não há linguagem, nem há palavras, e deles não se ouve nenhum som; no entanto, por toda a terra se faz ouvir a sua voz, e as suas palavras, até aos confins do mundo” (Salmo 19:1-4).

O apóstolo Paulo desafiou os filósofos gregos com argumentos baseados na Criação, especificamente a existência dos homens: “de um só fez toda a raça humana para habitar sobre toda a face da terra, havendo fixado os tempos previamente estabelecidos e os limites da sua habitação; para buscarem a Deus...” (Atos 17:26-27). 


Deus nos fez e deixou evidências suficientes para nos levar a buscar o Criador. O mesmo apóstolo escreveu que a evidência universal da Criação deixa os homens sem desculpa. Todos devem buscar o Criador: “Porque os atributos invisíveis de Deus, assim o seu eterno poder, como também a sua própria divindade, claramente se reconhecem, desde o princípio do mundo, sendo percebidos por meio das coisas que foram criadas. Tais homens são, por isso, indesculpáveis” (Romanos 1:20).

A maior maravilha de todas? Esse Criador se preocupa conosco (Salmos 33:13-15; 8:3-4).

-por Dennis Allan



Olhe naqueles olhos

A Paz Seja Com Você
Quando os soldados romanos levaram Jesus do Jardim do Getsêmani, os seguidores dele fugiram. Não sabemos aonde foram, mas sabemos que eles não conseguiram tirar Jesus de suas mentes. Eles voltaram e a igreja do nosso Senhor começou com um grupo de homens assustados num sala no andar de cima.

Soa familiar? Quantas igrejas têm religião suficiente para se reunirem, mas não têm paixão suficiente para sair? Boas pessoas. Boas intenções. Palavras. Promessas. Mas enquanto isso continua, a porta permanece trancada e a história permanece em segredo. O que será necessário para destrancá-los?

Permita que Jesus entre na sua sala no andar de cima e fique diante de você. Coloque sua mão no lado dele que foi cortado. Olhe naqueles olhos que derreteram os portões do inferno e botaram Satanás para correr. Olhe para eles, enquanto eles olham pra você. Você nunca será o(a) mesmo(a).

Max Lucado
Devocional Diário

Nós remamos o barco

por Max Lucado
Uma coisa é sofrer por fazer o que é errado. Outra coisa completamente diferente é sofrer por fazer o que é certo. Mas isso acontece. E quando a tempestade explode, ela leva a ingênua suposição de que se eu fizer o que é certo, nunca sofrerei.

Basta perguntar ao casal fiel cujo berço está vazio. Basta perguntar ao empresário cujo trabalho honesto foi recompensado com uma inflação desenfreada. Basta perguntar ao aluno que se posicionou pela verdade e foi ridicularizado.   
 
E como os discípulos no barco, eles se perguntam, “Por que a tempestade, e onde está Jesus?”(João 6:19).

Já é ruim o suficiente estar na tempestade, mas estar na tempestade sozinho? Então para onde isso nos leva?

É simples. Fazemos o que os discípulos fizeram. Nós remamos o barco.
Ah, há momentos de fascinação, dias de celebração. Mas nós também temos a nossa cota de sanduíches de mortadela. E para termos a primeira, nós precisamos suportar a segunda. Nós remamos o barco.

“Acaso Deus não fará justiça aos seus escolhidos, que clamam a ele dia e noite? Continuará fazendo-os esperar?” (Lucas 18:7).





A Bíblia não nos ilude

Pr Olavo Feijó 
Há épocas, em nossa vida cristã, quando fraquejamos diante do tamanho da injustiças e maldades que nos machucam. Há momentos que nos deprimem e enchem de escuridão nossa caminhada. Todos os cristãos, porém, que se agarram nos braços do Senhor, mesmo mal enxergando Sua presença, podem afirmar, como o fez Davi: “Tu, ó Senhor, me iluminas. Tu, meu Deus, acabas com a minha escuridão" (Salmo 18:28).
                                              
A Bíblia não nos ilude. Por mais sincera que seja nossa fé, ela se desenvolve no contexto do mundo. E o mundo é dominado pelas trevas. Trevas resultantes das nossas experiências de afastamento de Deus. Trevas algumas vezes permitidas pelo Senhor, para que, pela Sua graça, valorizemos a Luz. Antes de morrer, foi exatamente isto que Jesus declarou: “Satanás já conseguiu licença para por vocês à prova...” (Lucas 22:31).

A mesma Bíblia, todavia, também nos garante que o Cristo é soberano sobre tudo e sobre todos – inclusive sobre nossas trevas pessoais. Esta é a grande e verdadeira promessa de Jesus: “No mundo vocês vão sofrer; mas tenham coragem. Eu venci o mundo” (João 16:33). Esta é a proposta do Senhor, desde as trevas do rei Davi, até nossas trevas do século XXI: “Tu, meu Deus, acabas com a minha escuridão”.

por Pr Olavo Feijó 
              
 

O coração do homem é o problema

Wilfred Hahn:
O mundo se apega obstinadamente a uma crença no progresso humano sem Deus a despeito dos reveses das guerras mundiais recorrentes, dos desastres naturais, das repetidas atrocidades humanas e das quedas dos ídolos dos sistemas monetários e econômicos.

Todas as realizações do homem – a tecnologia (técnicas de produção, aumento da produtividade) e o acúmulo de riqueza – não são simplesmente resultado do nosso esforço e determinação. Deus é o autor de toda a criação, seus ciclos, suas propriedades naturais, tanto do que há no mundo quanto embaixo da terra e todas as possibilidades da tecnologia. A tecnologia e os sistemas financeiros possuem seus bons usos. Ao contrário, o coração do homem é o problema – a atitude idólatra de autodeterminação e de independência de Deus.

Finalmente, as escolhas da humanidade serão julgadas. Um período de tribulação está adiante. Depois dele, vem a restauração. Isaías confirmou algumas das condições para depois desse tempo. Por exemplo, o sistema monetário baseado na Babilônia será destruído e “Nunca, jamais será habitada, ninguém morará nela de geração em geração” (Is 13.20);

o governo das elites e dos ímpios terminará (Is 14.5); 
condições de paz prevalecerão (Is 14.7) e
 nenhuma atividade voraz destruirá a terra em sua busca por lucros (Is 14.8).

Aqueles que crêem no Deus de Israel e aceitam o dom da salvação através de Seu Filho cantarão em alta voz: “Digno é o Cordeiro que foi morto de receber o poder, e riqueza, e sabedoria, e força, e honra, e glória, e louvor!” (Ap 5.12).

trecho do texto de Wilfred Hahn



O medo foi vencido!

O medo é a doença dos nossos dias. Ele assumiu proporções assustadoras. Quando as pessoas não procuram a Deus, enchem-se os consultórios de psicólogos e psiquiatras. Alguns dos medicamentos mais usados são os psicofármacos, tomados contra o medo, a inquietação e a insônia. [...]

No entanto, o medo foi vencido através de Jesus Cristo e Sua vinda ao mundo. E com Ele veio a alegria procedente de Deus. Ninguém precisa mais ser solitário. A mensagem do anjo por ocasião do anúncio do nascimento de Jesus em Belém é emoldurada por duas afirmações significativas, que têm Jesus por conteúdo:

"Não temais" e "grande alegria".

A respeito, lemos em Lucas 2.10: "O anjo, porém, lhes disse: Não temais: eis aqui vos trago boa nova de grande alegria, que o será para todo o povo". Sim, através da Sua vinda, Jesus transformou o medo em alegria, e essa alegria está disponível para todos.

                                       
    
                                                       trecho do texto de Norbert Lieth

Valor que revoluciona todos os valores


A mensagem cristã nos manda dar o nosso melhor, à semelhança do 
amor de Deus, que doa Jesus Cristo.

Dar Jesus Cristo ao mundo é levar a sério o tamanho cósmico do amor do Senhor, 
que revoluciona todos os valores das pessoas
Pr Olavo Feijó



Renovação individual

Vivemos em um mundo bastante desanimador. No início de um novo ano, procuramos em vão por perspectivas de tempos melhores. Se analisarmos a situação internacional, se observarmos as dificuldades econômicas e o baixo nível moral dos povos, não há muitos motivos para esperar por momentos mais luminosos para este mundo. Até mesmo é duvidosa a realização dos anseios que temos para nossa vida pessoal neste novo ano.

Tendo pouca esperança no melhoramento das condições gerais, resta-nos somente uma alternativa: procurar a renovação individual das pessoas. É preciso encontrar um caminho que permita que você seja elevado acima das circunstâncias, de modo que esteja sobre elas e que elas até mesmo sejam controláveis.

Será que isso realmente é possível? 
Milhões de pessoas experimentaram tal transformação e obtiveram um fundamento inteiramente diferente para suas vidas ao aceitarem Jesus como seu Salvador pessoal pela fé. Seus corações ficaram repletos de paz profunda e permanente, que não pode ser abalada por nenhuma tempestade em suas vidas. Elas descobriram o segredo da alegria e da verdadeira felicidade, que consiste da confiança em Deus e da obediência a Ele, e obtiveram novo valor para suas vidas. Para elas, todas as coisas realmente "se fizeram novas"! O apóstolo Paulo descreve essa maravilhosa transformação da seguinte maneira: "E, assim, se alguém está em Cristo, é nova criatura; as coisas antigas já passaram; eis que se fizeram novas" (2 Co 5.17).


Extraído de Revista Chamada da Meia-Noite/2000




Deus Quer Sua Lista

Deus não quer apenas os erros que já cometemos – Ele quer os que estamos fazendo. Você está bebendo demais? Você está sendo desonesto no trabalho ou no seu casamento? Mal administrando sua vida? Não finja que nada está errado. O primeiro passo depois de um tropeço deve ser em direção à cruz.

1 João 1:9 promete, “Se confessarmos nossos pecados, Ele é fiel e justo, para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça.”

Comece com seus maus momentos. E enquanto faz isso, inclua seus momentos de raiva. Há uma história sobre um homem que foi mordido por um cachorro. Quando ele soube que o cachorro estava doente com raiva, começou a fazer uma lista. O médico disse, “Não precisa fazer um testamento – você vai ficar bem.” “Oh, eu não estou fazendo um testamento,” ele disse, “Eu estou fazendo uma lista de todas as pessoas que eu quero morder!” Deus quer sua lista! Quer que você a deixe na cruz.


por Max Lucado
Tradução de Germana Gusmão Downing



DEUS AMOU VOCÊ, ENTÃO NÃO PEREÇA!

Alguém pode conceber maior amor para com a humanidade que o que Deus demonstrou ao sacrificar seu único Filho por nós, pecadores? O Senhor Jesus era perfeito e cheio de glória, no entanto, abriu mão disso tudo para morrer e ressuscitar para que tivéssemos acesso ao Pai novamente. Quem de nós seria tão arrogante a ponto de declarar que nunca fez algo errado?

Embora Deus puna o pecado com a morte, pois o "salário do pecado é a morte" (Romanos 6:23), a sua vontade é que "todos os homens se salvem" (1 Timóteo 2:4). A motivação do plano de salvação é o amor para com suas criaturas perdidas, sua infinita misericórdia por nós e por nossa condição, pois todos pecaram (Romanos 3:23).

o versículo de hoje não menciona nada sobre fazer boas obras para obter a salvação. Ele se concentra no essencial: a fé no Filho de Deus que veio ao mundo para morrer como Homem, tomando nosso lugar no julgamento divino.

Não havia outro meio pelo qual a salvação se tornasse possível. Não havia outra pessoa que pudesse satisfazer os requisitos da justiça divina. Deus deu seu único filho e "Cristo morreu por nossos pecados" (1 Coríntios 15:3). Essa fantástica obra envolveu o Pai e o Filho ? que trabalharam juntos a nosso favor.

Querido leitor, não receba a graça e o amor de Deus em vão. Não pereça por dureza de coração!

fonte: BoaSemente



Espírito de Independência

Nos atos
Grandes homens de Deus têm sempre agido independentemente e desafiado a sociedade ao fazê-lo. Os maiores reis do Velho Testamento, homens como Ezequias e Josias opuseram-se às práticas religiosas suas contemporâneas quando seguiram o caminho do retorno à vontade de Deus. 

Jesus desafiou consistentemente o decoro e chocou os escribas e fariseus voltados para a tradição. Ele comeu sem lavar suas mãos, fez coisas no Sábado, falou com mulheres em público, omitiu seus rituais de jejum, comeu com prostitutas e pecadores, etc. O Senhor queria bem desafiar as instituições religiosas e romper com os costumes convencionais.

Deveremos ver Jesus, então, como um rebelde, querendo meramente afrontar o costume estabelecido? Realmente, não. Jesus seguiu muitas coisas ensinadas pelos grandes rabis. 

Ele ensinou respeito por Deus e pela sua palavra. Ele cria que a Escritura não deveria ser desobedecida, nem mesmo em seus menores pontos (Mateus 5:18; João 10:35). Ele seguiu as leis sobre sacrifício e sacerdócio, guardou os dias festivos, etc.  Ele concordava em muitas coisas com os fariseus e os escribas (Mateus 23:2-3) até mesmo quando ele deplorava a hipocrisia deles. 

Assim Jesus quebrou algumas tradições e guardou outras. Seu principal guia era a vontade do Pai. Aquelas práticas aceitas que coincidiam com a vontade do Pai ele guardava impecavelmente, e seus inimigos o sabiam (João 8:46). Mas ele nunca hesitou em desconsiderar leis e regulamentos escritos e impostos por homens (veja Mateus 15:1-4). Jesus confiava em seu Pai implicitamente. Ele não era nem rebelde nem conservador. Ele queria fazer exatamente aquilo que o Pai disse sem considerar sua popularidade. Nesse sentido ele era independente e confiante nessa independência. Ele conhecia a vontade de seu Pai e nenhuma vez duvidou de que estivesse certo em guardá-la.

___ trecho do texto de Gary Fisher


http://www.estudosdabiblia.net/d96.htm


(foto obtida na internet)


O melhor é aguardar, em silêncio, a ajuda do Senhor

Vivemos em um mundo repleto de ruídos. Ruídos externos, ruídos internos. Ruídos que interferem uns com os outros. Como nós, o profeta Jeremias também foi vítima dos ruídos. Inspirado pelo Senhor, o profeta nos ensinou aquilo que ele aprendeu e lhe fez bem: “O melhor é ter esperança e aguardar, em silêncio, e ajuda do Senhor” (Lamentações 3:26).

Os ruídos externos estão por toda a parte, requerendo cada vez mais nossa atenção. Porque eles nos informaram da fragilidade da nossa economia e dos perigos para nosso orçamento familiar. Porque eles nos mostram os crimes que se multiplicam e a insegurança que nos ameaça. Se temos esperança no poder de Deus e nos esforçamos por sintonizar nossa atenção nas Suas promessas bíblicas, sentimos o envolvimento do silêncio do Seu Espírito. Neste processo de manter nosso foco no silêncio de Deus, a “ajuda do Senhor” começa a trabalhar em nós, sem os ruídos das concorrências.

Os ruídos internos são sutis e também poderosos. São as memórias das nossas quedas. São a vergonha revivida, por causa dos pecados do passado. São as cicatrizes emocionais das injustiças que experimentamos. Quando, no silêncio da oração, entregamos a Deus toda essa carga espiritual, “a ajuda do Senhor” acontece. O profeta Elias pode testemunhar. A ajuda que o Senhor lhe deu não estava no ruído do vento forte, ou do terremoto, ou do fogo intenso. Deus lhe deu ajuda, mas foi no ambiente íntimo “do sussurro calmo e suave” (I Reis 19:12)!

                                                      por Pr. Olavo Feijó




Como desenvolver a humildade

Uma vez que a humildade é obviamente essencial à nossa salvação, deveremos estar preocupados em acrescentar esta qualidade a nossas vidas. Aqui estão umas poucas sugestões simples que nos ajudarão:

1. Devemos procurar o melhor nos outros, e buscar servir os outros como Jesus fez (Romanos 12:10; Efésios 4:2-3; Filipenses 2:3-4).

2. Não devemos pensar que somos importantes (Lucas 17:10). Cada um deve usar sua capacidade, porém não devemos pensar que somos melhores do que outros (Romanos 12:3-8).

3. Não devemos esperar que outros nos humilhem. A chave da obediência é nossa humildade voluntária (Tiago 4:10), não a humilhação forçada.

4. Sempre que estivermos tentados a pensar que somos grandes e importantes, devemos parar para contemplar a grandeza e a majestade de Deus. Comparados com o Criador e Sustentador do Universo, somos débeis e insignificantes. O Salmo 8, especialmente nos versículos 3, 4 e 10, nos faz descer ao nosso tamanho rapidamente!


"Humilhai-vos na presença do Senhor, e ele vos exaltará" (Tiago 4:10).


                                                 por Dennis Allan

(foto disponível na internet)

Se não empatar, desista

Ubirajara Crespo
Deus e a sua vontade (não a minha), são partes do mesmo pacote. Não há como separar uma coisa da outra

Salmos: 37. 4. Deleita-te também no Senhor, e ele te concederá o que deseja o teu coração.


Você acha, que alguém poderia se deleitar no Senhor e, ao mesmo tempo, tentar convencê-lo de que ele deve lhe dar somente o que seu coração pede?

Deus e a sua vontade (não a minha), são partes do mesmo pacote. Não há como separar uma coisa da outra.

Se me deleito no Senhor, me deleito, também em cumprir com o propósito dele a se cumprir em mim e através de mim. Para isto aborreço a minha carne e a mantenho submissa à vontade dele.

Não consigo me ver com um controle na mão, dizendo para Deus qual programa deve passar para me deixar feliz.

Se a minha vontade não empatar com a dele, desista e perca por W O.

Mateus: 10. 38, 39. E quem não toma a sua cruz, e não segue após mim, não é digno de mim. Quem achar a sua vida perdê-la-á, e quem perder a sua vida por amor de mim achá-la-á.

- Ubirajara Crespo




Acalme meu passo Senhor

 
Bom dia, Paz a todos e todas as famílias!

TENHA CERTEZA!

... há muitos que se consideram cristãos e crêem ou esperam, no fim, alcançar o Céu. Eles não sabem ao certo, não têm certeza plena. No entanto, crêem e esperam estar salvos, pensando: “Espero que no final da história tudo acabará bem”.

A fé na Bíblia, porém, significa algo totalmente diferente. Da mesma forma, a qualidade da esperança, mencionada na Palavra de Deus, é bem outra. Quando a Bíblia fala em fé e esperança, significa uma certeza tal que não deixa margem de insegurança ou para constantes dúvidas. 

Hebreus 11.1-2 nos mostra a natureza da fé bíblica: “Ora, a fé é a certeza de coisas que se esperam, a convicção de fatos que se não veem”. Essa firme convicção é proveniente da Palavra de Deus e é concedida aos filhos de Deus através do Espírito Santo.

trecho do texto de Johannes Pflaum



Alegria faz bem à saúde

Provérbios 17:22 - O coração alegre é como o bom remédio, mas o espírito abatido seca até os ossos.

Um estado saudável exige vários elementos interligados: um deles é o sentimento da alegria. É isto que nos diz o livro de Provérbios: "A alegria faz bem à saúde; estar sempre triste é morrer aos poucos" (Provérbios 17:22).

A alegria é um sentimento complexo, resultante da combinação satisfatória de sensações e percepções. O apóstolo Paulo se alegrava, quando sofria por causa de Cristo. Para ele isto era um sinal positivo da sua fidelidade ao Senhor - afinal de contas, quanto valem nossas provações, quando comparadas ao sacrifício de Jesus por nós? 

Ninguém se alegra, quando vê sua vida desperdiçada. Quando, entretanto, percebe que seus objetivos estão sendo atingidos, a consequência é o sentimento da alegria. E da renovação das próprias energias e dos próprios esforços. Por isso, alegria faz bem à saúde.

Há alegrias profundas e alegrias superficiais. Há alegrias passageiras e alegrias que permanece. Cultivar a saúde espiritual é selecionar biblicamente as experiências que nos dão alegria. Pedro, por experiência própria e por inspiração do Espírito, nos encoraja a ficarmos alegres quando sofremos por Cristo (I Pedro 4:13).

Sofrer por Cristo é sinal de saúde espiritual. E, porque sabemos que o Espírito de Cristo está conosco e nos restaura, ficamos profundamente alegres. Também na vida espiritual, a alegria faz bem à saúde.

__ por Pr. Olavo Feijó



Deus não espera que você seja forte, Ele espera obediência!

Conheço as tuas obras – eis que tenho posto diante de ti uma porta aberta, a qual ninguém pode fechar – que tens pouca força, entretanto guardaste a minha palavra, e não negaste o meu nome." (Apocalipse 3.8)

A quem o Senhor deu essa porta aberta? Àquele que tem pouca força! Essa é uma mensagem cheia de esperança para todos aqueles que a necessitam e que se sentem fracos! Apodere-se do poder do Espírito para ter um atraente testemunho de vida! É a maneira de Deus glorificar-se na fraqueza! Pense nisso, você, que tanto anseia por força e pela sensação de poder!

Muitas vezes pedimos o contrário daquilo que Deus quer nos dar: "...porque o poder se aperfeiçoa na fraqueza." Ou: "Ele me abateu a força no caminho."

Por que o Senhor não quer contar com a nossa própria força? Porque as nossas forças só produzem coisas temporais. Mas o poder do Senhor produz coisas eternas. Por isso precisamos nos tornar fracos já que a nossa própria força é um empecilho para que o poder e a força de Deus se manifestem em nossas vidas.

Essa porta aberta Ele também dá àqueles que permanecem na Sua palavra. São pouquíssimos os que permanecem fiéis à Bíblia toda! Mas o que diz o Senhor? "...Mas o homem para quem olharei é este: o aflito e abatido de espírito, e que treme da minha palavra." Você está disposto a ser julgado cada vez mais profundamente pela Palavra? Deus não espera que você seja forte, Ele espera obediência!

por Wim Malgo


Ninguém precisa ser dominado e destruído pela amargura!

Paulo escreveu aos cristãos em Corinto que o amor “não se exaspera, não se ressente do mal, ... tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta” (1 Coríntios 13:5,7). Esses aspectos do amor tratam das nossas reações às palavras e aos atos dos outros. Muitas vezes, decidimos acreditar nos bons motivos do outro, ou escolhemos lhe atribuir más intenções. É possível pecarmos em nossa decisão de como reagir, independente de ter ou não um comportamento pecaminoso por parte da outra pessoa. Podemos interpretar as palavras dos outros de uma maneira negativa e assim permitir que elas nos provoquem ao pecado de ressentimentos inapropriados. Ser sensíveis demais é um sintoma do egoísmo que deve ser tirado da nossa vida.

O problema não termina nos ouvidos. Quando deixamos as palavras dos outros, sejam malévolas ou não, provocar reações negativas, é muito fácil abrir as portas do coração e preparar lugar de moradia para os ressentimentos resultantes. Com isso, a amargura se enraíza no nosso coração e sufoca o amor, a bondade e a esperança que deveriam habitar lá. 

Os efeitos negativos da amargura foram bem definidos neste aviso prático: “atentando, diligentemente, por que ninguém seja faltoso, separando-se da graça de Deus; nem haja alguma raiz de amargura que, brotando, vos perturbe, e, por meio dela, muitos sejam contaminados” (Hebreus 12:15). Ele mostra a importância de erradicar a amargura. Se deixar apenas a raiz, achando que tenha se esquecido do problema, um dia vai brotar um problema maior. Quando brota, a amargura perturba a própria pessoa. Nesse caso, o malfeitor e a vítima são a mesma pessoa. Guardou rancor e sofre a perturbação da amargura. Shakespeare disse: “Guardar ressentimento é como tomar veneno e esperar que a outra pessoa morra”. Mas, infelizmente, os danos não terminam no coração da pessoa amargurada. Esse pecado no coração de uma pessoa age como um veneno que atinge e contamina muitos outros. 

Não podemos controlar o que os outros dizem e fazem. Podemos ser feridos pelas suas palavras e ações. Mas a decisão de ser vencidos por tais palavras ou de superar os ressentimentos e controlar a nossa atitude é exclusivamente nossa. Ninguém precisa ser dominado e destruído pela amargura! 

(trecho do texto) por DennisAllan
                                                   
(foto disponível na internet)