✿ Registre seu email e receba as mensagens deste Devocional:

Pesquise

sábado, 31 de janeiro de 2015

A Minha Justiça

Josué 46:13 
A profecia de Isaías parece que foi descrita nos dias de hoje, quando vemos tanta desumanidade e injustiça. Em nome do Senhor, ele escreve: “Faço chegar a minha justiça e não estará ao longe; a minha salvação não tardará” (Isaías 46:13). 

É bem verdade que o mundo sempre foi injusto. Só que as injustiças da Idade Média, apesar de gigantescas, não nos atingem tanto quanto a injustiça causada, na semana passada, pela pessoa que eu mais confio. Punhalada nas costas é difícil de cicatrizar. Nesses momentos, ficamos abatidos, derrotados, tendo a impressão que o Senhor nem está ligando para nós.

O Senhor sempre soube disso. Por esta razão, Ele nos garante a Sua justiça. Não a minha justiça, mas “a Minha Justiça”. Não no tempo que eu imagino, mas no tempo Dele, no qual “Minha salvação não tardará”. 

Viver pela fé nunca foi fácil, nem será fácil. Mas é só quando exercitamos nossa fé é que percebemos em ação a justiça do Senhor.

__________ por Pr. Olavo Feijó


sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

Demonstrar Domínio Próprio

Uma diferença entre homens e meninos é o domínio próprio que o adulto deve demonstrar, mas que normalmente não esperamos de crianças. Controle de si é uma característica de maturidade espiritual. Quando Paulo apresenta o fruto do Espírito, em contraste com as obras da carne, ele inclui domínio próprio (Gálatas 5:22-23). Quando Pedro falou das qualidades que devemos acrescentar em nossas vidas, domínio próprio estava na lista (2 Pedro 1:6). 

Exercer domínio próprio quer dizer pensar antes de agir, medindo as consequências das nossas decisões: “O prudente vê o mal e esconde-se; mas os simples passam adiante e sofrem a pena” (Provérbios 22:3). “Não é bom proceder sem refletir, e peca quem é precipitado” (Provérbios 19:2).

Um aspecto específico deste domínio próprio é o controle da língua. Tiago disse: “Se alguém não tropeça no falar, é perfeito varão, capaz de refrear também todo o corpo” (Tiago 3:2). Como é difícil dominar a língua! Quantos casamentos são destruídos por palavras não refletidas? Quantas pessoas sofrem sequelas a vida toda por causa das palavras que os pais soltaram sem pensar? Quantas guerras começam por causa das línguas soltas de líderes de nações? Deus ensina a importância do controle das nossas línguas para evitar estes e outros estragos.

Mas algumas pessoas fogem desta responsabilidade, usando desculpas para justificar sua falta de controle da língua. Frequentemente ouvimos alguém dizer: “Eu sou muito sincero” e já tomamos um passo para trás para nos preparar para as palavras crueis e destruidoras que sairão da boca dessa pessoa. Um homem sábio disse: “Alguém há cuja tagarelice é como pontas de espada” (Provérbios 12:18). Acrescentou:“O que guarda a boca conserva a sua alma, mas o que muito abre os lábios a si mesmo se arruína” (Provérbios 13:3). “O homem depravado cava o mal, e nos seus lábios há como que fogo ardente”(Provérbios 16:27). Devemos evitar o erro de falar antes de ouvir: “Responder antes de ouvir é estultícia e vergonha” (Provérbios 18:13).

Controle da língua não significa ficar calado o tempo todo. Significa usar a língua para falar palavras que edificam e conduzem outras pessoas à sabedoria de Deus. Significa controlar a boca e escolher bem as palavras. “O coração do sábio é mestre de sua boca e aumenta a persuasão nos seus lábios” (Provérbios 16:23).


Devemos estender este domínio próprio a outros aspectos das nossas vidas. Num mundo que incentiva a sensualidade e a libertinagem, o discípulo de Cristo precisa exercer controle dos seus desejos e impulsos. Não devemos ceder às tentações da carne, nem devemos ser pessoas impetuosas ou inclinadas à raiva. Quando amadurecemos espiritualmente, aprendemos assumir responsabilidade pelos nossos próprios atos, especialmente quando erramos. Uma criança pode tentar negar a sua culpa, dizendo “aconteceu” ou “foi ele”, mas o homem de verdade assume responsabilidade quando erra e diz “Fui eu”. Sejamos varões!

________ por Dennis Allan


quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

Lance todas as suas angústias sobre Jesus

"Acaso pode uma mulher esquecer-se do filho que ainda mama, de sorte que não se compadeça do filho do seu ventre? Mas ainda que esta viesse a se esquecer dele, eu, todavia, não me esquecerei de ti. Eis que nas palmas das minhas mãos te gravei; os teus muros estão continuamente perante mim" (Is 49.15-16).

Deus estava em Cristo e nos reconciliou consigo mesmo. Isso aconteceu na cruz do Calvário, onde literalmente fomos gravados nas palmas de Suas mãos! E este mesmo Deus maravilhoso tem nossos "muros" continuamente diante de Si!

Ele sabe das nossas limitações, das nossas mudanças de humor e das nossas falhas! Ele conhece nossas ansiedades e angústias. E através de Sua Palavra Ele nos anima, dizendo:  "Eu fiz tudo por você porque o amo. Confie em mim! Não fique olhando apavorado ao seu redor – levante seus olhos para mim! Eu sou o Autor e o Consumador de sua fé!"

Segure novamente as mãos traspassadas de Jesus: numa decisão cheia de fé, lance todas as suas angústias sobre Ele, que se preocupa com você e cuida de você:  "lançando sobre ele toda a vossa ansiedade, porque ele tem cuidado de vós" (1 Pe 5.7)! (

_____________________________________ trecho do texto de Elsbeth Vetsch 


terça-feira, 27 de janeiro de 2015

Maravilhosa promessa para filhos de Deus!

Disse-lhe Jesus: Eu sou a ressurreição e a vida. Quem crê em mim, ainda que morra, viverá." (João 11.25)

Que maravilhosa promessa para filhos de Deus! O cristão vive na eternidade, pois ele tem a vida eterna dentro de si. Quando ele fechar seus olhos aqui na terra, "não verá a morte", conforme a afirmação e a promessa do Senhor Jesus. Só Jesus Cristo tem o poder de ignorar a morte como se ela não existisse. Sobre a filhinha de Jairo, Jesus disse: "...não está morta a menina, mas dorme"; e a respeito de Lázaro, Seu amigo que havia falecido, Jesus disse: "Nosso amigo Lázaro adormeceu." 

 

Paulo diz que estão dormindo os crentes renascidos que esperam pelo arrebatamento, mas não estão mais sobre a terra. Isso significa que, quanto à sua existência terrena, eles dormem, mas estão vivos diante do trono de Deus. Jesus Cristo nos garantiu isso com Sua ressurreição. "Onde está, ó morte, a tua vitória? onde está, ó morte, o teu aguilhão?" 

Jesus Cristo realmente ressuscitou, então podemos dizer que, quando um filho de Deus falece, tal pessoa não morreu; mas vive no paraíso em felicidade inexprimível.

                       __ por Wim Malgo _

domingo, 25 de janeiro de 2015

Nunca Compreenderemos!

Ficamos admirados com os avanços da ciência e tecnologia. Pesquisas de DNA abrem cada vez mais o entendimento do corpo humano e até da história humana. Cada missão ao espaço traz um pouco mais de conhecimento do nosso universo. Pesquisas nos oceanos revelam cada vez mais sobre os ecosistemas da Terra. O homem continua desvendando os mistérios do nosso mundo.

Mas antes de se parabenizar demais, qualquer pessoa deve reconhecer como o nosso conhecimento, mesmo com todo o progresso científico da época moderna, ainda é extremamente limitado. Parece que cada resposta levanta mais dez perguntas. Cada teoria científica se divide em vários modelos possíveis.

Salomão observou atentamente as maravilhas deste mundo e disse: “Então, contemplei toda a obra de Deus e vi que o homem não pode compreender a obra que se faz debaixo do sol; por mais que trabalhe o homem para a descobrir, não a entenderá; e, ainda que diga o sábio que a virá a conhecer, nem por isso a poderá achar” (Eclesiastes 8:17).

Certamente, devemos usar a inteligência que Deus nos deu para entender, gozar e cuidar do mundo em que ele nos pôs. Mas devemos abordar os mistérios do universo com humildade, pois a busca pelo entendimento nunca chegará ao fim. Pesquisamos, estudamos, criamos teorias e agimos conforme o nosso conhecimento. Mas, afinal, só o Criador deste universo o compreende perfeitamente. Se formos realmente sábios, procuraremos conhecer Deus acima de sua criação.

_________________ por Dennis Allan
 
 
 

sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

Para o Ano Que Começa

“Celebrai com júbilo ao Senhor, todas as terras. Servi ao Senhor comalegria, apresentai-vos diante dele com cântico” (Sl 100.1-2).

O ano velho terminando, o ano novo começando, vamos nos perguntar: Como deverá ser minha vida com Deus neste novo ano? Quais serão minhas prioridades? O que o Senhor espera de mim? Para acharmos as respostas, voltemos ao Salmo 100: “Celebrai com júbilo ao Senhor, todas as terras. Servi ao Senhor com alegria, apresentai-vos diante dele com cântico” (vv.1-2).

– O Salmo 100 não começa dizendo apenas “Celebrai ao Senhor”, mas: “Celebrai com júbilo ao Senhor, todas as terras”.

– Ele não diz apenas “Servi ao Senhor”, mas: “Servi ao Senhor com alegria”.

– Não está escrito somente “apresentai-vos diante dele”, mas: “apresentai-vos diante dele com cântico”.

Neste momento, tomemos a decisão de crescer na gratidão ao Senhor, ganhando almas para Jesus. Não vamos apenas servi-lO neste novo ano, mas servir a Ele com alegria. Além disso, não nos apresentemos simplesmente diante dEle, mas cheguemos à Sua presença “com cântico”.

“Celebrai com júbilo ao Senhor, todas as terras”
 
por  Marcel Malgo/apaz
 
 
 

quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

Distúrbios espirituais

Porque o meu povo é inclinado a desviar-se de mim; se é concitado a dirigir-se acima, ninguém o faz." (Oséias 11.7)

Por que será que são tão poucos os cristãos que realmente levam uma vida do jeito que Deus quer? Em primeiro lugar, a conhecida preguiça espiritual é um dos empecilhos. Você não acompanha o ritmo do Senhor, mesmo sabendo que deveria andar e viver com Ele. Você fica para trás, é indolente e remisso na oração e em sua disposição para o ministério, e assim é interrompida a ligação orgânica com o Senhor Jesus.

Distúrbios espirituais são o resultado disso.

Em Hebreus 12.3 somos conclamados a não desmaiarmos, não ficarmos fatigados e cansados em nosso ânimo. O resultado dessa canseira espiritual é que nos tornamos insensíveis e apáticos para com a Palavra de Deus. Por isso o Senhor lamenta em Isaías 42.20: "Tu vês muitas coisas, mas não as observas; ainda que tens os ouvidos abertos, nada ouves."

Essas palavras muito enérgicas ilustram a preguiça espiritual. Acordemos! Em 2 Pedro 1.3 temos a promessa de que nos foram dadas as melhores condições para que possamos viver da maneira que agrada a Deus: "Visto como pelo seu divino poder nos têm sido doadas todas as cousas que conduzem à vida e à piedade, pelo conhecimento completo daquele que nos chamou para a sua própria glória e virtude."

___________________ por Wim Malgo




terça-feira, 20 de janeiro de 2015

O Jesus das Escrituras

 A expressão “Eu sou” de Jesus — “Eu sou o pão da vida”, “Eu sou o bom pastor”, “Eu sou o caminho, a verdade e a vida”, entre outras — aparece várias vezes na Bíblia. Para alguns, tais declarações podem sugerir arrogância. Porém, a eventual suspeita desaparece quando conhecemos o Jesus das Escrituras.

Jesus Cristo é o único cuja história não tem início no dia do nascimento nem termina no dia da morte. Ela termina onde começa e começa onde termina. E, mais, ele torna-se como nós, humaniza-se. Não finge que é Deus nem que é homem. É ambos ao mesmo tempo e o tempo todo.


fonte: Refeições Diárias com Jesus/Elben M. Lenz César


segunda-feira, 19 de janeiro de 2015

A prova que Deus mais requer é a do amor!

Se obedecemos aos ensinamentos de Deus, sabemos que amamos a Deus de todo o nosso coração. (1Jo 2.5a)

Podemos provar aos outros e a nós mesmos que não somos mentirosos nem hipócritas. Essa certeza pessoal nos fará muito bem e nos ajudará a repelir as setas da desconfiança e da dúvida que o causador inescrupuloso e mentiroso atira contra o nosso peito (Ap 12.10).

No que diz respeito ao nosso relacionamento com Deus, o amor e a obediência precisam estar sempre juntos. A desobediência nega o amor e a obediência afirma o amor. A ordem correta é o amor antes da obediência. Isso porque é ele que vai produzir e proteger a obediência. O amor é a força motriz da obediência. O mandamento do amor supera o mandamento da obediência. O amor está subentendido nas tábuas da lei, porque ela só seria cumprida se houvesse amor. Mesmo no regime da lei, Moisés já falava em amor: “O Senhor, nosso Deus, vai pôr vocês à prova, para ver se, de fato, o amam com todo o coração e com toda a alma” (Dt 13.3). No discurso de despedida, no limiar da Terra Prometida, Moisés, aos 120 anos, associou os verbos amar e obedecer: “Se vocês obedecerem aos mandamentos do Senhor… e o amarem…” (Dt 30.16).

Muitos anos depois, quando um de seus ouvintes, por sinal um fariseu, perguntou-lhe qual era o mais importante mandamento da lei, Jesus responde: “Ame o Senhor, seu Deus, com todo o coração, com toda a alma e toda a mente” (Mt 22.37). E ainda acrescenta: “Toda a lei de Moisés e os ensinamentos dos profetas [isto é em todo o Antigo Testamento] se baseiam nestes dois mandamentos” (v. 40; o primeiro é o amor a Deus e o segundo, parecido com o primeiro, é amar os outros).

Portanto, João tem toda razão quando diz que “se obedecemos aos ensinamentos de Deus, sabemos que amamos a Deus de todo o nosso coração”.
A prova que Deus mais requer é a do amor!

>> Retirado de Refeições Diárias com os Discípulos. Editora Ultimato.

domingo, 18 de janeiro de 2015

Observe a Bíblia Sagrada, ela é:

1) Padrão de Vida ( 1Pe 4.11);
2) Dignas de aceitação ( Jo 2.22);
3) Lida (Dt 17.19; 31.11-13; Ne 8.3; Is 34.16; Jr 36.6; At 13.15);
4) Conhecida (2Tm 3.15);
5) Palavra de Deus (1Ts 2.13);
6) Digna de Meditação diariamente (At 17.11);
7) Guardada no coração (Dt 6.6; 11.18);
8) Ensinada às crianças (Dt 6.7; 11.19; 2Tm 3.15);
9) Ensinada a todos (2Cr 17.7-9; Ne 8.7,8);
10) Sempre nos lábios (Dt 6.7);
11) Digna de obediência (Mt 7.24; Lc 11.28; Tg 1.22);
12) Usada contra os inimigos ( Mt 4.4,7,10; Ef 6.11,17).

Vivendo assim, as vitórias são certas.
 [...]
Os que a observam são abençoados: (Lc 11.28; Tg 1.25).

Os homens que continuam a viver segundo a carne, impulsionados pelo maligno são inimigos da palavra e para estes os seus ensinamentos são nulos (Mc 7.9-13), rejeitados (Jr 8.9) e não obedecidos (Sl 119.158).

Amados irmãos, sem equívocos a Bíblia deve ser observada e seus ensinamentos praticados no dia-a-dia. A meditação em suas verdades nos aproxima e nos faz semelhantes ao Criador.
 
Elias R. de Oliveira
Fonte de pesquisa: Bíblia Vida Nova




sábado, 17 de janeiro de 2015

A unidade é baseada em Jesus Cristo


A unidade é baseada em Jesus Cristo. Quando agimos exclusivamente pela autoridade dele, não criamos divisões que vêm das opiniões, regras e tradições humanas. As únicas divisões devem ser entre a vontade de Deus e a vontade dos homens. Quando usamos a palavra “Senhor” para identificar Jesus Cristo, implicitamente reconhecemos sua autoridade para nos governar:

“E tudo o que fizerdes, seja em palavra, seja em ação, fazei-o em nome do Senhor Jesus, dando por ele graças a Deus Pai” (Colossenses 3:17).

__________ por Dennis Allan

quinta-feira, 15 de janeiro de 2015

O convite é "Vinde a mim"

"Vinde a mim, todos os que estais cansados e sobrecarregados, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração; e achareis descanso para a vossa alma. Porque o meu jugo é suave, e meu fardo é leve."

Durante centenas de anos e para milhões de pessoas estas palavras têm sido uma bênção. Não há uma palavra ou sentença aqui que não contenha um tesouro de pensamento para qualquer um que queira ouvir e aprender.

O convite feito aqui é captado por três palavras: "Vinde a mim"

Quando ouvimos o evangelho, quando lemos a Bíblia e estudamos o Novo Testamento e aprendemos sobre o Salvador o que somos chamados a fazer não é apenas mudar de religião! É certamente verdadeiro, se temos estado envolvidos em erro religioso, precisamos arrepender disso e seguir os ensinamentos dos apóstolos de Cristo. Mas isso pode ser apenas parte do que precisamos fazer. Não é exigida apenas uma mudança para a conversão. É uma decisão especial de deixar o pecado, confiar em Cristo e começar a segui-lo.

O convite é Vinde a mim, e isto significa que uma decisão deve ser feita de deixar o pecado, afastar-se do erro e vir a Jesus Cristo. E não se pode ler sobre Jesus com um coração honesto sem ser motivado para vir a ele. Ora, pode-se ler sobre ele meramente por certos interesses acadêmicos, ou curiosidade intelectual.

O conhecimento que se ganha deste tipo de estudo pode jamais resultar em qualquer conversão ou salvação.

Mas, quando abrimos nossa mente -- quando nosso coração é bom -- quando sabemos que precisamos de alguma coisa melhor na vida e lemos sobre Cristo, somos motivados a mudar nossa direção, abandonar o pecado em nossa vida e vir a ele.

Ele diz: "Sou manso e humilde de coração." Como isso é verdade! E se tivermos lido sobre Jesus saberemos que isto é verdade.

Lemos sobre ele na casa de Maria e Marta, em Betânia, consideramos sua atitude para com Pedro, antes e depois da queda de Pedro. Na história de sua vida e sua obra experimentamos a brandura e mansidão de Cristo. Jamais esqueça disso.

 _______________ por Warren Berkley



quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

Deus não esqueceu de nenhum de nós

de Jim McGuiggan

Influenciado pela versão em Latim, é assim que a canção da virgem Maria é chamada quando ela engrandece a Deus em Lucas 1:45-55. É uma doce canção,de uma jovem santa e virgem, que agora estava carregando o Salvador que crescia dentro dela. E quem é que está louvando a Deus? Uma menina adolescente de descendência camponesa (mas ainda real). E esta canção é mais que doce e suave. Ela desafia o mundo e confia em Deus.

Esta é uma menina que conhece a aflição. A avó dela, sem dúvida, teria ouvido que em 63 AC o general romano, Crasso, havia crucificado 12.000 seguidores de Espartacus ao lado da estrada principal que leva a Roma. E ela certamente saberia que Pompeu na mesma época entrou na Palestina e demoliu a muralha ao norte de Jerusalém e violou o Santo dos Santos. Maria saberia o que Herodes o Grande, o ardoroso servidor de Roma, estava fazendo com revolucionários judeus e com todos os que não entregavam os bandidos às autoridades. E no mesmo ano em que ela teve sua criança, (provavelmente ano 4 AC), Maria saberia que Varrus crucificou 4.000 judeus perto de Magadã, na área da Galiléia, antes que ele se deslocasse ao sul, para queimar Séforis e Emaús completamente. Esta não era nenhuma criança de sedas e cetins e ela sabia como eram as cidades de guarnição militar e como as forças de ocupação oprimiam o povo.

E ela canta uma canção de desafio alegre e confiante.

Ela agradece a Deus a bondade dele para com ela, sabendo é claro que, ao fazer algo por ela, Ele tinha todos os sem voz e indefesos em mente. “Você pensa que Deus só se importa comigo?” ela parece dizer. “Que nada! Eu sou apenas uma ilustração de como Ele se sente em relação a todos nós. Você devia olhar para mim e entender, ‘Deus não esqueceu de nenhum de nós’.”

Nós poderíamos ser tentados a pensar que é ótimo que Ana (1 Samuel 1) e Maria exultem, mas quando é que vai chegar a nossa vez? Isso faz sentido! É difícil se alegrar nas bênção dos outros quando sua própria situação lhe faz subir pelas paredes. Mesmo assim, em nossos melhores momentos, a menos que estas pessoas exagerem na comemoração das suas boas notícias ou salvamento dramático, nós ficamos contentes por elas, não é? Nós controlamos a tentação de ter inveja, e desejamos a esses companheiros de luta tudo de bom. É assim que deveria ser e freqüentemente é isso que nós sentimos. E isto é uma das melhores coisas sobre nós.

Mas a boa notícia é -- e é isto o que Ana e Maria nos dizem – aqueles que Deus abençoou são testemunhas vivas de que Ele não esqueceu de nenhum de nós. A resposta à pergunta, “Quando será minha vez?” não é dada especificamente na canção. Mas há uma resposta definitiva à pergunta, “Será que minha vez chegará”? A resposta é sim! A resposta é sim porque o Deus de Ana e Maria e de nosso Senhor Jesus Cristo é fiel ao compromisso dele para com a família humana. A última e conclusiva prova disso é Jesus Cristo, a sua crucificação e ressurreição, e a lembrança adicional é a bênção das pessoas ao nosso redor.

Diga a Deus que você não quer ter inveja e que você se unirá a Maria cantando uma canção de desafio e confiança diante de um mundo de desdém e zombaria!

autoria:
'O Magnificat' de Jim McGuiggan 



Vamos examinar nossas prioridades?


Estamos nos tornando uma geração cada vez mais voltada para o imediato. Notícias da hora, revelação de fotos em uma hora, sedex, celulares e mensagens de texto nos conectando a cada instante. Ninguém quer esperar por seu próximo brinquedo ou objeto de desejo. Queremos tudo no imediato. Que urgência! Por que não temos a mesma urgência em relação à coisa mais valiosa no mundo - uma alma? 

O tempo que uma mensagem de texto leva para chegar é o mesmo que uma alma leva para se perder pela eternidade. 
No mesmo tempo em que se revela uma foto, é selado o destino eterno de um homem ou uma mulher. Vamos examinar nossas prioridades. Será que estamos nos esforçando e nos importando com algo que pode esperar enquanto adiamos cada dia mais uma conversa, um telefonema, um estudo ou uma visita que poderia mudar a vida eterna de alguém? 

Quando o Senhor voltar, ou lhe chamar para sair desta vida, não haverá mais tempo nem para uma mensagem de texto. Mas, a mesma mensagem, ou um email, ou telefonema ou visita pode mudar pela eternidade o rumo de uma vida. Tem alguém que precisa ouvir sobre Jesus hoje através de você hoje?

Oração: Obrigado, Senhor, por nos lembrar mais uma vez que só há dois caminhos e dois destinos. E ninguém sabe em qual passo desta vida o destino será selado. Que possamos ser instrumentos úteis nas mãos de Jesus para guiar aqueles que estão próximos a nós pelo caminho da vida eterna. Em nome de Jesus oramos. Amém.


“Lembrem-se da mulher de Ló! Quem tentar conservar a sua vida a perderá, e quem perder a sua vida a preservará. Eu lhes digo: Naquela noite duas pessoas estarão numa cama; uma será tirada e a outra deixada. Duas mulheres estarão moendo trigo juntas; uma será tirada e a outra deixada. Duas pessoas estarão no campo; uma será tirada e a outra deixada”.  Lucas 17:32-36



____________________ por Dennis Downing/Devocional "Jesus disse..."



terça-feira, 13 de janeiro de 2015

Comunicado aos amados leitores

Neste novo ano, começamos com mudança em nosso site, alterando o título para
"Devocional Dádivas do Senhor"
o propósito continua o mesmo que é o de propagar as mensagens do Bem

sua participação é de grande importância na colaboração do crescimento desta grande dádiva:
A Santa Palavra de Deus, que limpa e restaura toda 'vida'

Obrigado,
sejam bem-vindos!
   


segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

Nem azar, nem sorte – mas a soberania do Senhor!

Quando Noemi e sua nora Rute voltam a Belém, chegam trazendo luto e pobreza. Como era época de colheita da cevada, a jovem moabita foi trabalhar no campo, em troca de comida. Quando Rute disse a Noemi que o dono do campo era Boaz: “Noemi exclamou... Aquele homem é nosso parente; é um de nossos resgatadores” (Rute 2:20). 

Noemi emigrou da sua terra, com grandes esperanças de fazer dinheiro. Ao invés de riqueza, porém, encontrou pobreza. Humilhada, viúva e sem os folhos homens, voltou para Judá. Qual não foi sua surpresa, entretanto, quando soube que Rute conseguiu trabalho exatamente na fazenda de Boaz, Seu parente rico. Alguém poderia dizer: ”a sorte ajudou as duas viúvas!”.

O objetivo do livro chamado Rute foi o de negar a crença na sorte e afirmar a realidade da providência divina. O enredo do pequeno livro declara: “aquilo que o mundo chama de coincidência, o crente chama de providência divina”.

Nem azar, nem sorte – mas a soberania do Senhor que, para cada um de Seus filhos e Suas criaturas, estabeleceu rumos e caminhos. Os desígnios divinos já haviam decretado que a estrangeira Rute teria uma nova vida e que, do Seu ventre, nasceria nada menos que o salvador Jesus.

___________ por Pastor Olavo Feijó


(grifo meu)



domingo, 11 de janeiro de 2015

Soldadinho de chumbo

 
Você nunca pensou, quando criança, que divertido seria se os seus brinquedos ganhassem vida?

Bem, suponha que você realmente os tenha trazido à vida. Imagine que você possa transformar soldadinhos de chumbo em homenzinhos de verdade. Isso envolveria transformar chumbo em carne.

E se o soldadinho de chumbo não gostar disso? Ele não está interessado em carne; tudo o que ele vê é que o chumbo está sendo estragado, e pensa que você o está matando. Ele fará de tudo para evitá-lo. O soldadinho de chumbo não se tornará homem se puder evitá-lo.

Não faço ideia do que você pudesse ter feito sobre aquele soldado de chumbo. Mas o que Deus fez a nosso respeito foi o seguinte: a segunda pessoa em Deus, o Filho, tornou-se ele mesmo um ser humano, nascendo em um mundo como um homem de verdade – um ser humano real, de uma altura específica, com cabelo de uma cor específica, falando determinada língua, pesando tantos quilos. O ser eterno, que sabe de tudo e que criou todo o universo, não apenas se tornou homem, mas (antes disso) um bebê e, antes, um feto no interior do corpo de uma mulher.

Para ter uma idéia disso, imagine como seria se você se tornasse um caracol ou uma lesma. 

de Um Ano com C. S. Lewis, Editora Ultimato.
 
 

sábado, 10 de janeiro de 2015

DEUS está sempre acessível.. e DISPONÍVEL!

Nenhum tempo ou lugar nos separa da possibilidade de falar com o Senhor.
Para encontrá-lo não há sala de espera em que tenhamos que passar horas angustiosas de incerteza.

Uma visita ao médico muitas vezes exige paciência. Então surge logo a pergunta: durante quanto tempo terei que esperar? Quando chegará a minha vez? É desse modo que ficamos sentados nas salas de espera.

Não é assim com Deus.
Com Ele, é bem simples – como está escrito em Hebreus 10.22: "aproximemo-nos..."
Devemos exclusivamente ao nosso Senhor Jesus Cristo o termos esse acesso livre. A chave para ele é a fé: "aproximemo-nos..., em plena certeza de fé".


Sem fé é impossível agradar a Deus (Hb 11.6).
Sem fé, obstruímos o caminho até Ele.
Sem fé, não percebemos o acesso livre.
Somente a visão de fé nos conduz com segurança até Ele.
O aproximar-se dEle é ao mesmo tempo um passo de fé.



Hebreus 4.16 nos exorta bem concretamente: "Acheguemo-nos, portanto, confiadamente, junto ao trono da graça, a fim de recebermos misericórdia e acharmos graça para socorro em ocasião oportuna."
Um grande problema entre nós cristãos é a passividade e a indiferença. Se não dermos passos bem concretos de fé em direção a Ele, Deus não agirá. Sem buscarmos conscientemente Sua presença, não receberemos ajuda.

Um dos encontros mais impressionantes com Jesus certamente está relatado na história da mulher curada da hemorragia. Ela era incuravelmente enferma. Sem dúvida, ela tinha passado muitas horas nas salas de espera dos médicos durante sua vida – em vão.

Está escrito que ela tinha gasto todos os seus haveres com consultas médicas e que ninguém tinha podido curá-la – até que teve contato com Jesus. Em Lucas 8.44 está escrito de maneira tão simples: "veio por trás dele e lhe tocou na orla da veste..." O passo de fé dessa mulher enferma levou à sua cura completa.

Com isso não quero dar a entender que sempre tem que acontecer necessariamente uma solução física ou prática dos nossos problemas. Com certeza, porém, o Senhor nos liberta do problema.

Pode ser que o problema em si continue existindo – mas não se trata mais do seu problema, e sim do problema dEle! Ele lhe ajudará, Ele pode curá-lo. Talvez Sua interferência não ocorra como você imaginou, mas com certeza ela lhe será útil para a eternidade, curando a alma e o espírito!

Esse acesso livre está sempre disponível. Vamos dar passos de fé e abrir a porta – e ficaremos impressionados com a glória da Sua graça. Ele, o Todo-Poderoso, fez tudo por nós – basta que nos manifestemos!

                      _________________  por Peter Malgo





sexta-feira, 9 de janeiro de 2015

A maior oração

Vocês, orem assim: Pai nosso, que estás nos céus! Santificado seja o teu nome. [Mateus 6.9]

Por Jesus ser o autor da oração nessa passagem, ela é, incontestavelmente, a maior e melhor oração que existe. Pois, se esse Mestre bom e fiel tivesse conhecimento de uma oração melhor, certamente ele a teria nos ensinado. Isso não significa que uma oração que não use exatamente essas palavras seja sem valor. Pois, antes do nascimento de Jesus, muitos cristãos que nem sequer haviam ouvido essas palavras também as oraram. Mas nós devemos ter cuidado com as orações que não comunicam o mesmo sentido básico dessa oração. Os salmos são boas orações e expressam as mesmas ideias da oração do Pai-Nosso, só não as expressam tão claramente.

Assim, é um erro preferir outras orações a essa. Esteja atento principalmente àquelas orações escritas com títulos decorados em tinta vermelha, as quais trazem a esperança de que Deus nos dê saúde e longa vida, posses e honra, indulgências para nos livrar da punição e assim por diante. Por meio dessas orações, procuramos as nossas vontades e a nossa honra mais do que a vontade de Deus e a sua honra. Muitas pessoas têm começado a considerar mais essas outras orações do que a oração do Pai-Nosso. Não é que eu desconsidere completamente essas orações, é que as pessoas colocam confiança demais nelas. Consequentemente, a verdadeira oração do Pai-Nosso, que é íntima e espiritual, é menosprezada. Todo o perdão, todas as bênçãos, tudo o que é útil e que as pessoas necessitam para os seus corpos e almas na terra e no céu transbordam dessa oração.

É melhor você orar a oração do Pai-Nosso – orando de todo o seu coração, realmente refletindo nas suas palavras e deixando que ela transforme a sua vida para melhor – que recitar todas as outras orações juntas.

de Somente a Fé – Um Ano com Lutero. Editora Ultimato.


quarta-feira, 7 de janeiro de 2015

Batendo à porta

Holman Hunt legou-nos a pintura de um lindo quadro no qual se vê Cristo em pé num jardim, em plena noite, carregando numa das mãos uma lanterna e, com a outra, batendo à porta.

Um dos amigos do artista foi dizer-lhe:
– Holman, há um pequeno erro: a porta que você pintou não tem maçaneta!

– Não é erro – respondeu o artista. – Essa porta é a do coração humano. Ela só pode ser aberta pelo lado de dentro!


Sim. Nós é que temos de abrir a porta para deixarmos Deus entrar. Anos a fio – ou melhor, séculos afora – Ele tem estado em pé, do lado de fora do aposento de nosso coração, batendo à porta, pedindo para entrar. Quando será que lhe abriremos a porta?


Autor desconhecido
facebook.com/JesusCristorenovouminhavida



sábado, 3 de janeiro de 2015

Deus sabe o que estamos fazendo

Toda pessoa que acredita em Deus, de uma forma ou de outra, crê que ele sabe o que você e eu faremos amanhã. Porém, se ele sabe que eu agirei de certa forma, como eu poderia ter liberdade de agir de outra maneira?

Temos aqui, mais uma vez, a dificuldade de achar que Deus percorre a linha do tempo da mesma maneira que nós, sendo que a única diferença é que ele pode enxergar além, enquanto nós não. Bem, se isso fosse verdade, se Deus tivesse previsto os nossos atos, seria muito difícil entender como poderíamos ter a liberdade de praticá-los ou não.

Mas suponha que Deus esteja acima e além do plano temporal. Nesse caso, o que nós chamamos de “amanhã” estaria visível para ele da mesma forma que o que chamamos de “hoje”. Todos os dias são “agora” para Deus. Ele não se lembra do que fizemos ontem, simplesmente nos vê agindo, pois, embora “ontem” já tenha passado para nós, não passou para ele.

Deus não prevê o que faremos amanhã, simplesmente nos vê agindo, porque embora o dia de amanhã não tenha chegado para nós, para ele está presente. Jamais supomos que nossas ações no presente fossem menos livres simplesmente porque Deus sabe o que estamos fazendo. Ele sabe até o que você vai fazer no futuro, pois já se encontra no “amanhã” e pode simplesmente observar você. De certa forma, Deus não conhece a sua ação enquanto você não a tiver praticado; mas depois, no momento em que você a tiver executado, já é “agora” para ele.

fonte: Retirado de Um Ano com C. S. Lewis, Editora Ultimato.

20070