“Não se turbe o vosso coração”

“Não se turbe o vosso coração; credes em Deus, crede também em mim” (João 14:1). Cristo deu aos seus discípulos motivos pelos quais seus corações não deviam se turbar. No mundo pode haver muitos motivos para um coração turbado – preocupação financeira, um acontecimento trágico, uma doença prolongada. Podemos sentir angustiados por causa da culpa e as conseqüências do pecado.

Cristo deu o remédio para o coração turbado – “credes em Deus, crede também em mim”. Quando alguém crê em Deus e em Cristo, e mostra isso através de submissão por vontade própria à sua vontade, há promessas que sustentam — “ensinando-os a guardar todas as coisas que vos tenho ordenado. E eis que estou convosco todos os dias até à consumação do século” (Mateus 28:20).

Paulo conhecia a “paz de Deus” em vez do coração turbado. “Não andeis ansiosos de coisa alguma; em tudo, porém, sejam conhecidas, diante de Deus, as vossas petições, pela oração e pela súplica, com ações de graças. E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará o vosso coração e a vossa mente em Cristo Jesus” (Filipenses 4:6-7). Ele aprendeu que, seja qual fosse o estado que ele se encontrasse, devia estar contente. Seu motivo era, “tudo posso naquele que me fortalece” (Filipenses 4:13).

                                              –por Billy Norris







Nossas lutas diárias


Nas nossas lutas diárias podemos ser abandonados por todos os homens e ninguém permanecerá conosco. Podemos nos encontrar sozinhos, lutando como a única pessoa no mundo que busca fazer o que é certo. 

A nossa recompensa não vem da presença dos nossos amigos, mas da presença do nosso Deus. 

Muitas vezes abandonamos os outros quando deveríamos estar mais fortes. Como Paulo orou por aqueles que o deixaram, nós também devemos crescer em força e coragem para enfrentar as dificuldades da vida. 

Lembrem de como somos importantes um para com o outro e de como precisamos permanecer com outros pela causa de Cristo. 

Quando tudo estiver dito e feito, poderemos lembrar das palavras do nosso Deus: “De maneira alguma te deixarei, nunca jamais te abandonarei. Assim, afirmemos confiantemente: O Senhor é o meu auxílio, não temerei; que me poderá fazer o homem?” (Hebreus 13:5-6). 

–por Kent E. Heaton, Sr.



O Senhor Jesus está vivo e ouve as nossas orações


"CREIO SOMENTE NO QUE VEJO"
Essa é a resposta de muitas pessoas quando ouvem sobre Deus. O homem moderno idolatra a lógica. Quer uma demonstração científica da existência de Deus. Mas essa realidade escapa à investigação humana, porque Deus é Espírito. 


Se os cientistas creem na existência de partículas atômicas jamais vistas, simplesmente por constatarem suas manifestações indiretas mediante experimentos, com maior razão devemos crer em Deus quando Ele dá testemunho sobre Si mesmo.

Por meio da criação, Deus fala a todos os seres humanos. Qualquer cientista ateu reconhece que seria biologicamente difícil explicar por meio do acaso o funcionamento perfeito da natureza.

Mediante Sua Palavra Deus nos revela o que Ele é e o que nós somos. Ela é uma espada que desnuda os pensamentos mais secretos de nosso coração, um espelho que reflete nossa imagem sem qualquer artifício. Mas, sobretudo, a Bíblia nos revela Deus, Seu amor e Seu maravilhoso dom: Seu Filho Jesus Cristo. Sim, Deus Se revela de maneira íntima e surpreendente aos que têm um sincero desejo de conhecê-Lo.

Os que afirmam que creem somente no que os olhos podem ver não imaginam o que estão jogando fora, pois pela fé entendemos que aquilo que se vê não foi feito do que é aparente" (Hebreus 11:3). Mas se deseja ver o Deus invisível, peça que Ele Se revele a você. O Senhor Jesus está vivo e ouve as nossas orações. 

de "Encontreapaz"


Deixe o campo de servidão



Nosso Salvador é maior que todo e qualquer problema e maior que toda dor. Muitos cristãos, nossos irmãos e irmãs em Cristo, “amargam a vida com dura servidão”.

Por causa de doenças, problemas familiares ou financeiros, sua vida é muito trabalhosa. Seja o que for, para esses cristãos sua situação momentânea realmente é como se estivessem “amargando a vida com dura servidão”, como os israelitas na escravidão no Egito.

A esses queridos irmãos e irmãs eu gostaria de dizer o seguinte: o céu chegando à terra também significa que nosso Salvador é maior que todo e qualquer problema e maior que toda dor.

Certamente você sabe disso, mas hoje eu gostaria que você deixasse o campo de servidão e experimentasse a libertação. Obviamente seus problemas existem, mas você pode aniquilar o poder de destruição deles voltando seu olhar firmemente para JESUS.





Decisão pelo Senhor


Não há momento mais precioso para um pai cristão do que quando ele vê seu próprio filho confiar sua vida a Jesus Cristo. A maioria dos cristãos ensina seus filhos sobre Cristo desde os mais tenros dias da vida da criança. 

Estes pequeninos crescem sabendo os nomes dos apóstolos e recitando os livros da Bíblia. Sua vida no lar é imersa numa atmosfera onde o nome de Cristo é reverenciado. Não é segredo para estes ternos ouvidos que o desejo de Deus é que creiam em Jesus e sejam batizados em seu nome.

Então, quando uma criança está com idade bastante para decidir? A Bíblia não especifica uma idade em particular na qual se é suficientemente velho para tomar esta decisão (talvez porque a idade da maturidade difere entre as crianças). Entretanto, a Bíblia nos apresenta princípios básicos que sejam úteis na determinação se uma pessoa é ou nos "bastante velha" para decidir e declarar-se pelo Senhor.

O pré-requisito bíblico para o discipulado é a fé. "Sem fé, é impossível agradar a Deus..." (Hebreus 11:6). Por esta razão, Jesus enviou seus apóstolos com a incumbência de pregar o evangelho a todos (Marcos 16:15). Aqueles que cressem eram para ser batizados (Marcos 16:16; Atos 2:38). 

Uma fé de segunda mão não é suficiente. Em nenhum lugar no Novo Testamento a relação de uma pessoa com Deus inclui seus pais como mediadores. O jovem indivíduo precisa ter uma conclusão própria.

Além do mais, o jovem precisa ser bastante velho para tomar uma decisão quanto ao pecado. Para tomar a decisão de comprometer-se com Jesus é necessário tomar a decisão de afastar-se do pecado (Atos 3:19). 

O arrependimento exige um certo grau de maturidade. Isso também exige, primeiro de tudo, que se seja capaz de discernir o certo do errado. Isso desqualifica aqueles que são demasiado jovens. Isso também exige ser-se suficientemente maduro para tomar suas próprias decisões sobre fazer o que é certo e conter-se para não fazer o que é errado. 

Quando uma criança é bastante velha para ser um cristão, ela tem bastante idade para tomar suas próprias decisões sobre o pecado. Ela fala a verdade porque os cristãos são honestos e mentir é pecado. Ela diz não à imoralidade porque é errada, e não simplesmente porque seus pais poderiam descobrir. Ela decide por si mesma fazer o que é certo!

Conheço várias pessoas jovens que têm manifestado o requisito de maturidade para se tornarem discípulos.Elas decidiram pelo Senhor! Asseguremo-las todos nós de que sua decisão e compromisso são tão importantes quanto pensam que são.

_________________________por David Thomley




Não temerei mal algum

"Ora, como recebestes a Cristo Jesus, o Senhor, assim andai nele." Colossenses 2.6


Como o nosso andar com Deus pode se tornar inseguro e inconstante? Existem muitos filhos de Deus cuja vida espiritual é feita de altos e baixos. Às vezes, vão em frente com alegria, outras vezes ficam resignados e prostrados, como uma vez Elias ficou. 

Mas será o Senhor inconstante? Medroso? Impotente? Não, nunca! 

As Escrituras dizem: "...o Senhor Deus é uma rocha." Na verdade estamos rodeados do poder ameaçador das trevas, mas não precisamos nos desanimar, pois andamos com o Deus vivo. Não é necessário que você perca o rumo e se deixe abater pelos poderes das trevas que se lançam sobre você, como os poderes da melancolia, dos espíritos da blasfêmia, e demônios do cansaço. 

Davi exclamou diante de tentações semelhantes: "Ainda que eu ande pelo vale da sombra da morte, não temerei mal nenhum." A razão da sua intrepidez foi: "...porque tu estás comigo." Ande com o Deus vivo de tal maneira como se só você e Ele existissem nesse mundo! Diante dEle até as trevas são luz: "...porque tu estás comigo."

______________ por Wim Malgo


A PAZ INTERIOR

Não estejais inquietos por coisa alguma; antes as vossas petições sejam em tudo conhecidas diante de Deus pela oração e súplica, com ação de graças. E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará os vossos corações e os vossos sentimentos em Cristo Jesus (Filipenses 4:6-7).

A PAZ INTERIOR

O rei Herodes acabara de dar ordens para matar Tiago simplesmente pelo fato deste ser cristão (Atos 12:1-19). A multidão apreciava esse tipo de espetáculo, e para obter mais popularidade ainda, Herodes decidiu prender o apóstolo Pedro também. Queria fazer da prisão e talvez da morte dele uma festa no dia seguinte.

Enquanto isso, prendeu a Pedro e mandou que dezesseis soldados o vigiassem. Pedro sabia o que o aguardava: tortura e morte. Poderia ficar inquieto e passar sua última noite em angústia. Mas não! Dormiu tranquilamente. Confiava em Deus, que lhe dava paz. Se deveria sofrer o martírio, sabia que o Senhor o sustentaria e lhe daria forças para glorificá-Lo.

Teríamos a mesma paz de espírito se tivéssemos de enfrentar perseguições? A paz divina está ao alcance de todo o que crê, pois tem sua fonte em Deus, o qual sabe perfeitamente o que nos convém e faz com que todas as coisas cooperem para o bem dos que O amam.

Durante esse tempo, os cristãos da cidade oravam incessantemente por ele. E o Senhor enviou Seu anjo para libertar o prisioneiro, abrindo as pesadas portas do cárcere. Entretanto, uma manifestação ainda mais extraordinária do poder de Deus não seria o fato de Pedro poder dormir tranquilamente naquela noite?


de: Chamada/encontre-a-paz




Humildade – servir!


Nosso maior problema é a nossa vaidade. O Senhor gostaria tanto de poder agir através da sua vida, se o seu “eu”, ou seja lá o que for, desse lugar! 

Sempre e sempre buscamos a nossa própria honra. Isso está arraigado em nossa carne e sangue. Mas os princípios de Deus são totalmente diferentes e a Bíblia nos mostra isso claramente: quando Deus quer realizar alguma coisa através de alguém, então Ele escolhe um “João Ninguém”, um “zero à esquerda”:

Irmãos, reparai, pois, na vossa vocação; visto que não foram chamados muitos sábios segundo a carne, nem muitos poderosos, nem muitos de nobre nascimento; pelo contrário, Deus escolheu as coisas loucas do mundo para envergonhar os sábios e escolheu as coisas fracas do mundo para envergonhar as fortes; e Deus escolheu as coisas humildes do mundo, e as desprezadas, e aquelas que não são, para reduzir a nada as que são; a fim de que ninguém se vanglorie na presença de Deus” (1 Co 1.26-29). 

Mas o serviço do Senhor não requer sabedoria, santidade, justiça e redenção? Sim, isso é necessário (!) e o versículo 30 nos dá a resposta: “Mas vós sois dele, em Cristo Jesus, o qual se nos tornou, da parte de Deus, sabedoria, e justiça, e santificação, e redenção” (1 Co 1.30). 
             Jesus em você é tudo... só você não é nada!

______ por Wim Malgo (do livro  José - Jesus)


Tornam-se filhos de Deus

Receba a Jesus
"Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus" (João 1:12).

Esta passagem explica claramente como tornar-se um Filho de Deus. Precisamos receber Jesus através da fé nEle. O que precisamos acreditar sobre Jesus?

Primeiro, precisamos reconhecer que Jesus é o eterno Filho de Deus que se tornou homem. Nascido do poder do Espírito Santo, pela virgem Maria, Jesus não herdou a natureza pecaminosa de Adão. Então, Ele é chamado de segundo Adão (1 Coríntios 15:22). Enquanto que a desobediência de Adão trouxe a maldição do pecado ao mundo, a vida perfeita de Cristo pode cobrir as nossas transgressões. Nossa resposta deve ser de nos arrepender (voltar-nos contra o pecado), confiando em Sua vida perfeita para nos purificar.

Segundo, precisamos ter fé em Jesus como Salvador. O plano de Deus foi de sacrificar o Seu Filho perfeito na cruz para pagar pela punição que merecemos pelo nosso pecado: a morte. A morte de Cristo liberta a todo aquele que O recebe da penalidade e do poder do pecado.

Finalmente, precisamos seguir a Jesus como Senhor. Depois de fazer de Cristo o Vitorioso sobre o pecado e a morte, Deus deu a Ele toda autoridade (Efésios 1:20-23). Jesus guia todos que O recebem; Ele vai julgar a todos que O rejeitam (Atos 10:42).

Porque a graça de Deus nos leva ao arrependimento e fé no Salvador e Senhor, somos nascidos de novo para uma nova vida como filhos de Deus. Apenas aqueles que recebem a Jesus – não apenas um conhecimento intelectual sobre Ele, mas realmente dependendo dEle de coração para a salvação, submetendo-se a Ele como Mestre, e amando a Ele como o tesouro supremo – tornam-se filhos de Deus.



"Deus espera que os Cristãos votem?"

Pergunta: "Deus espera que os Cristãos votem?"

Resposta:
Acreditamos firmemente que é a responsabilidade e dever de todo cristão votar e votar a favor de líderes que promovam princípios bíblicos. Deus com certeza está em controle, mas isso não significa que não tenhamos que fazer mais nada para promover a Sua vontade. 


A Bíblia nos manda orar pelos nossos líderes em 1 Timóteo 2:1-4. Em relação à política e liderança, há evidência na Bíblia de que a nossa escolha de liderança às vezes desagrada a Deus (Oseias 8:4). A evidência do poder do pecado no mundo está por todo canto. Muito desse sofrimento é devido à liderança que não teme a Deus (Provérbios 28:12). 

A Bíblia dá aos cristãos instruções para obedecer à autoridade legítima, a menos que essa autoridade contradiga os comandos de Deus (Atos 5:27-29, Romanos 13:1-7). Como cristãos nascidos de novo, devemos tentar escolher líderes que vão se deixar ser guiados pelo Criador (1 Samuel 12:13-25). Candidatos ou propostas que violam os comandos bíblicos de vida, família, casamento e fé nunca devem ser apoiados (Provérbios 14:34). 

Os cristãos devem votar de acordo com as suas orações e estudo tanto da Palavra de Deus quanto das opções na cédula do voto.

Os cristãos em muitos países nesse mundo são oprimidos e perseguidos. Eles sofrem sob governos que nada podem fazer para mudar e governos que odeiam a sua fé e tentam silenciar suas vozes. Esses crentes pregam o evangelho de Jesus Cristo arriscando as suas próprias vidas. Nos EUA, os cristãos foram abençoados com o direito de falar e escolher seus líderes sem temer por si ou suas famílias. Nos EUA, nas últimas eleições, cerca de 2 de cada 5 cristãos autoproclamados encararam esse direito como garantido e não votaram. Cerca de 1 em 5 cristãos elegíveis para votar não são sequer registrados.

Nos dias de hoje, há muitos que querem excluir o nome e a mensagem de Jesus Cristo completamente do olho público. Votar é uma oportunidade de promover, proteger e preservar um governo que teme a Deus. Deixar de usar essa oportunidade significa deixar que pessoas que queiram rejeitar o nome de Cristo alcancem o seu objetivo. 


Os líderes que elegemos – ou que nada fazemos para remover do poder – têm grande influência sobre as nossas liberdades. Ele podem escolher proteger o nosso direito de louvor e de compartilhar o Evangelho, ou podem restringir esses direitos. Podem liderar a nossa nação rumo à retidão ou a um desastre moral. Como cristãos, precisamos nos erguer e estar dispostos a seguir o nosso comando de cumprir as nossas obrigações cívicas (Mateus 22:21).


As folhas rasgadas das Bíblias


Em uma vila no interior do Irã. Toda aquela vila era convertida ao cristianismo e um missionário se interessou em saber como toda aquela vila tinha se convertido no interior do Irã, um lugar tão inóspito ao cristianismo. 


E entrando em contato com os líderes locais, eles informaram que tinham conhecido a Jesus por intermédio de algumas folhas de papel. E aquele líder mostrou ao missionário algumas folhas e pedaços da Bíblia. "Foi através destas folhas que conhecemos a Deus." 

E aquele missionário ficou intrigado porque eles tinham pedaços do livro de Salmos, pedaços do livro de Reis, pedaços do evangelho, partes da Bíblia. Então esse missionário ficou sabendo que há muitos anos atrás um carregamento de Bíblias foi confiscado no outro lado do deserto onde essa vila existia. 

Os guardas que fizeram o confisco e descobriram as Bíblias, começaram a rasgá-las e as jogaram numa fogueira. Um vento forte soprou sobre aquela fogueira e espalhou as folhas rasgadas das Bíblias por todo aquele deserto e chegou neste lugar, nessa vila. E aquelas pessoas quando viram aqueles pedaços de papel, começaram a ler e lendo aqueles fragmentos da palavra se converteram.


A palavra é o poder de Deus que nos leva a conhecê-lo. Essa palavra que está aí a nossa disposição, nas nossas casas, na nossa mesa de trabalho, no nosso computador. Essa palavra é o poder de Deus revelado ao homem.

Quero incentivá-los a lerem a Bíblia, a meditarem na Bíblia, a chorarem sobre a palavra e conheceremos dia a dia mais de Deus e de seu propósito. 

Deus abençõe

Asaph Borba


Oração - A sinceridade do nosso coração

Jesus acentua a sinceridade do nosso coração, pois não somos atendidos na oração simplesmente pelo nosso falar de modo vazio (Mt 6.7). 

Podemos orar em silêncio (1Sm 1.13) ou em voz alta (Ne 9.4; Ez 11.13). 

Podemos orar com nossas próprias palavras, ou usando palavras diretas das Escrituras. 

Podemos orar com a nossa mente, ou podemos orar através do Espírito (i.e., em línguas, 1Co 14.14-18). 

Podemos até mesmo orar através de gemidos, i.e., sem usar qualquer palavra humana (Rm 8.26), sabendo que o Espírito levará a Deus esses pedidos inaudíveis. 

Ainda outro método de orar é cantar ao Senhor (Sl 92.1,2; Ef 5.19,20; Cl 3.16). A oração profunda ao Senhor será, às vezes, acompanhada de jejum (Ed 8.21; Ne 1.4; Dn 9.3,4; Lc 2.37; At 14.23; ver Mt 6.16).

________ fonte: BEP/Vivos


O Senhor Jesus, Ele é o primeiro

Quem operou e fez isto, chamando as gerações desde o princípio? Eu o Senhor, o primeiro, e com os últimos eu mesmo  (Isaías 41:4).


O PRIMEIRO


Quando no Antigo Testamento Deus disse acerca de Si mesmo: "Eu o Senhor, o primeiro" enfatizava assim Sua divindade. Não houve ninguém antes dEle. Ele era desde o princípio. Como Deus eterno, não teve um princípio. No sentido absoluto, Ele é o primeiro.

Quando o Filho de Deus Se fez homem e veio ao mundo com o nome de Jesus, em muitos aspectos era o primeiro e deveria ser, porque esse humilde homem era ao mesmo tempo o Deus eterno: Deus e homem em uma pessoa. "E, sem dúvida alguma, grande é o mistério da piedade: Deus se manifestou em carne" (1 Timóteo 3:16). "O qual é imagem do Deus invisível, o primogênito de toda a criação" (Colossenses 1:15).

Engendrado pelo Espírito Santo no ventre da virgem Maria, Ele foi o primeiro filho dela. Ao final de Sua missão oficial, entrou em Jerusalém montado em um asno, "sobre o qual ainda não montou homem algum" (Marcos 11:2). 

O que as Escrituras dizem sobre o sepulcro lavrado na pedra onde o corpo do Senhor Jesus foi depositado? "E, havendo-o tirado, envolveu-o num lençol, e pô-lo num sepulcro escavado numa penha, onde ninguém ainda havia sido posto" (Lucas 23:53). Como o primeiro foi colocado naquela tumba, e a deixou como "o primeiro da ressurreição dentre os mortos" (Atos 26:23).

No livro de Apocalipse, por três vezes o Senhor Jesus Se auto-intitula "o primeiro". Ele é a mesma pessoa: o Senhor como o primeiro no Antigo Testamento, e o Senhor Jesus como o primeiro no Novo Testamento.


E em sua vida, o Senhor Jesus também é o primeiro?


_______de Chamada/encontre-a-paz



O Espírito Santo nos guia na verdade!

O próprio Espírito Santo foi o direto inspirador dos escritores que compuseram os diferentes textos da Bíblia. Ele lhes deu a mensagem e os inspirou na sua redação. Assim, é pela Bíblia que Ele nos guia. 

Andando pela verdade bíblica, estaremos sendo guiados sempre por Ele tendo o forte testemunho em nosso espírito de que somos filhos de Deus. Recordemos o que Jesus disse sobre o Espírito Santo: “porque não falará por si mesmo; mas dirá tudo que tiver ouvido e vos anunciará... há de receber do que é meu e vo-lo há de anunciar” (João 16.13,14).

O Espírito Santo sempre age em conexão com a verdade “Mas Deus no-lo revelou pelo Espírito; porque o Espírito a todas as cousas perscruta, até mesmo as profundezas de Deus... Assim, também as cousas de Deus, ninguém as conhece, senão o Espírito de Deus. Ora, nós não temos recebido o espírito do mundo e sim o Espírito que vem de Deus, para que conheçamos o que por Deus nos foi dado gratuitamente. Disto também falamos, não em palavras ensinadas pela sabedoria humana, mas ensinadas pelo Espírito, conferindo cousas espirituais com espirituais” (I Coríntios 2.10-13). Essa declaração de Paulo é a descrição bem clara de como o Espírito Santo nos guia na verdade.

___por Erasmo Ungaretti



Família de Deus

Para evitar mal-entendidos e excluir a possibilidade de auto-engano, primeiro deve ser esclarecida a questão: "quem faz parte dos Seus", quem pertence a Jesus?

A Bíblia nos dá uma resposta muito clara. O Senhor ressurreto diz:

"Eis que estou à porta e bato; se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa e cearei com ele, e ele, comigo" (Apocalipse 3.20).

"Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, a saber, aos que crêem no seu nome" (João 1.12).

"Aquele que tem o Filho tem a vida; aquele que não tem o filho de Deus não tem a vida" (1 João 5.12).

Aquele, portanto, que conscientemente decide receber a Jesus em seu coração passa a ser propriedade Sua – sobre a qual Ele tem direitos – e passa a fazer parte da família de Deus. Tal pessoa é um filho de Deus. Você é um deles? Se a resposta é não, então você deveria ainda hoje tomar a decisão de segui-lO.

Faça-o logo, pois cada dia que passa sem que você seja de Jesus é um dia miserável, um dia perdido. Quem é propriedade de Jesus pode experimentá-lO no dia-a-dia. Você não apenas passa a ter uma maravilhosa esperança para o futuro, mas o seu presente também se torna imensamente rico e pleno de sentido!

______ por Norbert Lieth



A unidade do casal

É importante que consigamos visualizar o que a unidade do casal pode produzir em suas vidas, e então seremos desafiados a preservá-la. Também entenderemos porque o diabo, o adversário de nossas almas, luta tanto contra ela. 

Jesus nos ensinou que a unidade e concordância permite Deus agir em nossas vidas: "Ainda vos digo mais: Se dois de vós na terra concordarem acerca de qualquer coisa que pedirem, isso lhes será feito por meu Pai, que está nos céus. Pois onde se acham dois ou três reunidos em meu nome, aí estou eu no meio deles". Mateus 18:19,20 

Por outro lado, a falta de unidade impede Deus de agir. A palavra de Deus nos mostra de modo bem claro que quando o marido "briga" com sua mulher, algo acontece também na dimensão espiritual: "Igualmente vós, maridos, vivei com elas com entendimento, dando honra à mulher, como vaso mais frágil, e como sendo elas herdeiras convosco da graça da vida, para que não sejam impedidas as vossas orações". I Pedro 3:7

Ao deixar de honrar a mulher como vaso mais frágil e maltratá-la (ainda que só verbalmente), o marido está trazendo um sério problema sobre a vida espiritual do casal. 
A Bíblia diz que as orações serão impedidas. É lógico que isto também vale para a mulher, embora quem mais facilmente tropece nisto sejam os homens. 

O texto bíblico revela que depois de desonrar a mulher na condição de vaso mais frágil (com asperezas), o homem, mesmo que clame ao Senhor, terá sua oração impedida, pois um princípio foi violado. Deus não age em um ambiente de desarmonia e discordância. Isto é um fato. 
[...]

__________por Luciano Subirá

O Espírito Santo chama os homens através do evangelho


O conceito da afirmação de Jesus explica como Deus traz homens e mulheres a si. Não há nada místico sobre isso. O versículo seguinte no contexto (João 6:45) revela como Deus traz homens a si. "Está escrito nos profetas: E serão todos ensinados por Deus. Portanto, todo aquele que da parte do Pai tem ouvido e aprendido, esse vem a mim." 

Observe as palavras "ensinados" e "todo aquele" (todos trazidos do mesmo modo, sendo ensinados) e "ouvido" e "aprendido" e "vem". Estas não são palavras místicas. Elas são palavras comuns, de todo o dia, que são usadas para descrever como é que as pessoas são trazidas a Cristo.

O que é ensinado, ouvido e aprendido? O meio pelo qual Deus "chama" ou "traz" todos os homens é o evangelho. "... para o que também vos chamou mediante o nosso evangelho, para alcançardes a glória de nosso Senhor Jesus Cristo" (2 Tessalonicenses 2:14). Não há unção especial, mística do Espírito Santo, mas antes, o Espírito Santo chama os homens através do evangelho; e é o evangelho que é o poder (Romanos 1:16).

Deus traz o povo a si através do ensinamento do evangelho. A pregação do evangelho é o poder de Deus, sua força atrativa, para salvar (1 Coríntios 1:18-21). Portanto, todas as pessoas, quando ouvem o evangelho, a qualquer momento, têm capacidade para responder ao chamado do evangelho de Deus. Elas também têm capacidade para rejeitá-lo (Atos 13:45-48).

Os pecadores são salvos pela graça de Deus quando respondem em fiel obediência ao evangelho que os traz a Deus (Mateus 7:21). Deus está sempre pronto para que os homens se arrependam e obedeçam (Atos 17:30). São aqueles que deste modo fizerem que Deus predestinou para a salvação (1 Tessalonicenses 5:9). 

Este é um conceito importante a reconhecer. Deus não predestinou indivíduos para serem salvos ou perdidos, mas antes predestinou o método pelo qual somos salvos. Se obedecemos ao evangelho, somos batizados "em Cristo" (Romanos 6:3-4). Deus predestinou todos aqueles "em Cristo" para sermos abençoados "... com toda sorte de bênção espiritual nas regiões celestiais em Cristo" (Efésios 1:3). 

Mas cabe a nós obedecer ou não.

------------ por Jon W. Quinn



Não há ninguém como Jesus



Nossos atos precisam condizer com nossas palavras

Então, falando praticamente, o que afinal é envolvido em confessar Jesus como Senhor? Bem, obviamente a primeira coisa envolvida é falar de nossa aceitação de seu senhorio. Nosso texto de Romanos diz, "Se, com tua boca, confessares Jesus como Senhor..." (10:9). Mas isso não termina aqui. 

Somente começa aqui. Jesus, de fato, nem mesmo quer que façamos tal confissão se não estivermos querendo agir sobre ela. Ele não quer que o chamemos "Senhor" e "Mestre" se não queremos comprometer-nos a fazer as coisas que ele diz. Ele disse, "Por que me chamais Senhor, Senhor, e não fazeis o que vos mando?" (Lucas 6:46).


Em vez disso, nossos atos precisam condizer com nossas palavras: "E tudo o que fizerdes, seja em palavra, seja em ação, fazei-o em nome do Senhor Jesus, dando por ele graças a Deus Pai" (Colossenses 3:17). 

Confessar o senhorio de Jesus com nossas bocas enquanto não submetemos nossas vidas a ele é inútil. Se ele é verdadeiramente nosso Senhor, então ele domina tanto nossas palavras como nossos atos.

----------por Jon Quinn


Paciência extingue o fogo da disputa


Quando alguém chega até nós com raiva, isto geralmente dispara dentro de nós o gatilho instintivo de “lutar ou fugir”. Tentar vencer a raiva com mais raiva é o mesmo que tentar apagar fogo com fogo. 

É muito melhor – e geralmente mais eficaz – responder a uma confrontação irada com paciência, cuidadosamente ouvindo o problema que está sendo expresso e buscando uma resolução de maneira calma e racional. Do contrário, um pequeno aborrecimento pode rapidamente se transformar numa guerra total. 

“O homem irritável provoca a dissensão, mas quem é paciente acalma a discussão”   (Provérbios 15.18)

Mas cuidado! Não ore pedindo paciência, porque o melhor e mais eficiente meio de se adquirir paciência é descobrir-se sendo forçado a lidar com situações em que não se tem outra alternativa, se não ser paciente! 

-------- por Robert J. Tamasy 



O dinheiro não pode fazer tudo

Nu saí do ventre de minha mãe e nu tornarei para lá.Sabendo que não foi com coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados da vossa vã maneira de viver que por tradição recebestes dos vossos pais (Jó 1:21; 1 Pedro 1:18).

Ouvimos dizer que o dinheiro governa o mundo. Isso é verdade apenas no que se refere à breve duração de nossa existência terrena, e mesmo aqui, o dinheiro não pode fazer tudo. No porvir, ele não tem valor algum. 


Ao viajarmos para países estrangeiros, precisamos converter o dinheiro que temos na moeda do país que iremos entrar, ou teremos problemas. Em geral, esse câmbio é feito na fronteira. Não entanto, na fronteira entre o tempo e a eternidade, não podemos levar nem trocar nenhum centavo; não há bancos nem casa de câmbio. “Porque nada trouxemos para este mundo, e manifesto é que nada podemos levar dele” (1 Timóteo 6:7).

Portanto, todos iremos atravessar a fronteira entre o tempo e a eternidade de mãos vazias. Nossos pecados serão a única coisa que levaremos conosco, se não buscamos o perdão de Deus no tempo que nos foi concedido neste mundo. 

Teremos de nos apresentar diante de Deus, “o juiz de todos” (Hebreus 12:23). Jesus Cristo certa vez perguntou: “Ou que dará o homem em recompensa da sua alma?” (Mateus 16:26). Redimir uma alma do poder de Satanás e expiar um só pecado sequer não há dinheiro ou riqueza que sirva. 

A Palavra de Deus nos ensina que Deus aceita como resgate somente o precioso sangue de Cristo. Para quem creu na obra do Senhor Jesus na cruz, esse maravilhoso sangue é o tesouro mais inestimável que possui neste mundo e na eternidade.

----------------
de "Encontreapaz"


O exemplo do sol

[O sol] sai de uma extremidade dos céus e faz o seu trajeto até a outra. (Sl 19.6.)

Temos o exemplo de Abraão, que saiu de sua terra para uma terra que Deus lhe mostraria (Hb 11.8). Temos o exemplo de José, que não se deitou com a mulher de Potifar (Gn 39.10). Temos o exemplo de Moisés, que preferiu “ser maltratado com o povo de Deus a desfrutar os prazeres do pecado durante algum tempo” (Hb 11.25). 

Temos o exemplo de Davi, que poupou duas vezes a vida de Saul (1Sm 24.6). Temos o exemplo de muitos outros servos de Deus na história do povo de Israel e na história da igreja primitiva. Temos o melhor exemplo de todos — o exemplo de Jesus. E o salmista nos apresenta um exemplo inusitado — o exemplo do sol (Sl 19.5,6):

O sol “sai de seu aposento” — não fica na cama, não fica em casa, não fica trancado dentro de quatro paredes. O sol “se lança em sua carreira” — põe-se em pé, sai de casa, põe a mão no arado, inicia sua jornada, começa a semear.



O sol “se lança em sua carreira com a alegria de um herói — com alegria e não com resmungo, com disposição e não com má vontade, com entusiasmo e não com mórbida apatia.

O sol “sai de uma extremidade dos céus e faz o seu trajeto até a outra” — começa e termina, não pára no meio do caminho, não tira a mão do arado, não se distrai com qualquer coisa. “Nada escapa ao seu calor” — ele cumpre a sua missão por inteiro: derrete o gelo, acaba com o frio, aquece a terra e os que nela habitam.

Então o sol volta para a sua tenda, para a sua cama, dorme a noite inteira, descansa e, no dia seguinte, começa tudo de novo, sempre com alegria, e com sucesso absoluto, dia após dia. É assim que o sol se realiza. 

Este é o singelo recado dos versos 5 e 6 do Salmo 19.

_____________ por Elben César - Editora Ultimato



Que Deus Seja Seu Ouro

Se deixar de lado seu amor pelo dinheiro e jogar fora seu ouro fino ganho desonestamente, então o próprio Deus, o Todo-poderoso, será a sua riqueza, o seu ouro e a sua prata. Jó 22:24 e 25 (A Bíblia Viva).

O Estado de Idaho, onde moro, é popularmente conhecido como o "Estado-Gema" por causa de seus ricos depósitos minerais. Em 1860, o capitão E. D. Pierce descobriu ouro no ribeiro Orofino. A notícia da rica descoberta desencadeou uma corrida do ouro para a região, que na época fazia parte do Território do Oregon. Dois anos mais tarde, descobriu-se mais ouro na área que agora se chama Vale do Tesouro.

Subseqüentemente, uma forma curiosa de extrair ouro foi usada com sucesso ao longo do rio Snake. Sabia-se por muito tempo que grandes quantidades de partículas de ouro desciam pelos rios e ribeiros, vindas de montanhas que produziam o minério, e eram depositadas no cascalho e no leito de várias correntes d'água no Estado. 


Um homem empreendedor ligou uns tubos de sucção, acionados por máquinas a vapor, a barcas que atravessavam para lá e para cá essas correntes. Os tubos puxavam cascalho e areia para o convés. O material então corria por uma calha, e o cascalho aurífero era recolhido sobre mesas cobertas com bacias de cobre. Ali o precioso minério era amalgamado com mercúrio e posteriormente recuperado. As pedras brutas e cascalhos maiores eram jogados de volta para o rio.


Os homens têm percorrido distâncias extraordinárias para conseguir ouro, sacrificando por vezes a própria vida nessa busca. O ouro, ou aquilo que ele representa - riqueza material - exerce um tipo de fascínio hipnótico sobre muitas mentes, levando-as a agir de modo irracional. Dois jovens estavam ocupados na prospecção perto de Placerville. Eram irmãos carnais e sempre se haviam dado bem, mas um dia ambos viram uma pepita de ouro ao mesmo tempo. Os dois correram para pegá-la. Ocorreu uma luta corporal e acabaram matando-se um ao outro.

Não vale a pena perder a vida por nenhum bem deste mundo - ainda mais a vida eterna. Se as riquezas materiais estiverem exercendo uma fascinação desordenada sobre você, atente para o conselho de Elifaz: jogue-as entre as pedras dos ribeiros e permita que Deus seja o seu ouro.

_____________ por "JesusVoltará"





Sem exceções ... Ser cristão significa perdoar o indesculpável, porque Deus perdoou o indesculpável em você.

No que diz respeito aos meus próprios pecados, é bastante segura (ainda que incerta) a aposta de que minhas desculpas não são tão boas quanto eu imagino.

No que diz respeito aos pecados dos outros contra mim, é seguro (ainda que incerto) apostar que suas desculpas são melhores do que eu imagino.

Por isso temos de começar por prestar atenção a tudo que possa mostrar que o outro não merece tanta censura quanto nós achávamos. Mas, mesmo se ele for absolutamente culpado, continuamos tendo de perdoá-lo; e ainda que noventa e nove por cento da sua aparente culpa possa ser explicada por desculpas realmente convincentes, o problema do perdão começa com aquele um por cento de culpa que ainda resta. 
Desculpar o que pode realmente ter uma boa desculpa não é caridade cristã, é apenas justiça. Ser cristão significa perdoar o indesculpável, porque Deus perdoou o indesculpável em você.

Isso é duro. Talvez não seja tão duro quanto perdoar uma única grande injúria. Mas como seríamos capazes de perdoar as persistentes provocações do cotidiano (continuar perdoando a sogra mandona, o marido tirano, a esposa implicante, a filha egoísta e o filho salafrário)? 
Só mesmo, acredito eu, colocando-nos em nosso lugar, acreditando no que dizemos todas as noites em nossas orações: “Perdoa os nossos pecados, assim como nós perdoamos os nossos devedores”. O perdão não nos é oferecido em nenhum outro termo. Recusá-lo significa recusar a graça de Deus para nós mesmos. Não há indícios de exceções, e Deus sabe bem o que está falando.

>> Retirado de Um Ano com C. S. Lewis, Editora Ultimato.

A torre de Pedro


São essas as qualidades que vocês precisam ter. (2Pe 1.8a)

A torre de Pedro começa com a fé e termina com o amor. A fé é o alicerce que vai sustentar a torre. O amor é o último passo, a cobertura. A montagem da torre é esta: a bondade acima da fé, o conhecimento acima da bondade, o domínio próprio acima do conhecimento, a perseverança acima do domínio próprio, a devoção acima da perseverança, a amizade cristã acima da devoção e o amor acima da amizade cristã (2Pe 1.5-7).

O desejo que Pedro expressa em sua carta é que os crentes subam toda a torre: “Quanto mais seguirem nesse caminho, tanto mais vocês ficarão fortes espiritualmente e se tornarão frutíferos e úteis no pleno conhecimento de nosso Senhor Jesus Cristo” (2Pe 1.8, NBV).

Curioso é que Pedro faz distinção entre amizade cristã e amor. Quem sabe, o amor seja a implicação e o aperfeiçoamento da amizade cristã. Afinal de contas, segundo o hino ao amor cristão, da lavra de Paulo, “Quem ama é paciente e bondoso. Quem ama não é ciumento, nem orgulhoso nem vaidoso. Quem ama não é grosseiro nem egoísta; não fica irritado, não guarda mágoas. Quem ama não fica alegre quando alguém faz uma coisa errada, mas se alegra quando alguém faz o que é certo. Quem ama nunca desiste, porém suporta tudo com fé, esperança e paciência” (1Co 13.4-7).


Para Paulo, das três virtudes – fé esperança e amor – “a maior delas é o amor” (1Co 13.13). Por ter colocado o amor na cobertura da torre, a laje mais próxima do céu, Pedro teria a mesma opinião.

– Para chegar à cobertura, é preciso passar por todos os andares da torre de Pedro!

>> Retirado de Refeições Diárias com os Discípulos. Editora Ultimato.


Se Maria soubesse

por  Burkhard Vetsch

Jamais, de forma alguma, Maria foi aquilo que a igreja católica, com seus dogmas, fez de sua pessoa. Maria foi estilizada e elevada à posição de “deusa” a quem as pessoas dirigem suas orações. Ao fazer isso, estão roubando a honra do único Deus verdadeiro e do Salvador Jesus Cristo!

O papa João Paulo II faz aumentar ainda mais essa devoção a Maria. Como sentimos compaixão desse povo enganado! Maria ficaria extremamente chocada se soubesse o que fizeram dela. Guardemo-nos dessa superstição mariana!

A própria Maria louva o Senhor com humildade de coração: “A minha alma engrandece ao Senhor, e o meu espírito se alegrou em Deus, meu Salvador, porque contemplou na humildade da sua serva...” (Lc 1.46-47).

Maria! Como deixaríamos de honrar sua memória? Mas nada além disso! 

Deus a considerou digna de ser a mãe do Messias mas depois de Jesus ela teve outros filhos, cujos nomes são citados pela Bíblia (Mt 13.55-56).



A Descoberta

 “Para buscarem a Deus se, porventura tateando, o possam achar, bem que não está longe de cada um de nós” (Atos 17:27).

A nossa busca diligente por Deus pode ser baseada no fato que ele está presente para ser encontrado. Os seres humanos são esperançosos por natureza, mas não são meramente “pensadores desejosos”. 

O profundo anseio por Deus é uma necessidade por algo que realmente existe. Se verdadeira e honestamente procuramos por Deus, nós vamos, em tempo, certamente achar o que precisamos achar.

Confiança. Entre as grandes descobertas no mundo natural, algumas aconteceram por acaso, mas muitas foram feitas por exploradores que estavam cientes da existência da coisa que estavam procurando. De maneira parecida, baseado em conclusões racionais tiradas de evidência acreditável, nós somos motivados a prosseguir na nossa busca por Deus. Devemos tomar cuidado ao invés de sermos ingênuos, mas, ao mesmo tempo, devemos ser otimistas.

Paciência. A pessoa que tem certeza que o objeto de sua busca realmente existe e está esperando ser encontrado, não ficará irritada sem motivo por demoras a curto prazo ou pelas frustrações na sua busca. Ela simplesmente continuará a procurar, pacientemente chegando mais e mais perto da coisa que a deixou intrigada. Com quanta paciência estamos buscando a Deus? Enfim, esta busca é a empreitada mais significante no mundo. A nossa fé não deve nos equilibrar enquanto vamos para frente a cada dia? “E não nos cansemos de fazer o bem, porque a seu tempo ceifaremos, se não desfalecermos” (Gálatas 6:9).

Persistência. Dizem que Thomas Edison tentou milhares de maneiras erradas de fazer a lâmpada elétrica antes de encontrar o que ele buscava. A sua confiança que a busca era legítima, junto com a sua paciência no processo, deram a ele uma persistência lendária, sem dúvida incrível para aqueles que desconhecem o poder da crença. 

Da mesma maneira, a pergunta não é se estamos dispostos a procurar por Deus, mas se estamos dispostos a procurar vez após vez ... e novamente, se precisar. 

Como uma bolha que sobe do fundo do aquário até chegar em cima, pode ser momentaneamente detida, mas jamais parada completamente, nós devemos buscar a presença de nosso Criador com persistência, até o dia da descoberta gloriosa quando olharemos para o seu rosto.

O tempo descobre a verdade. (Sêneca)

________ por Gary Henry