Autodisciplina - como é valioso deixar o inferior pelo superior

“Tu me farás ver os caminhos da vida; na tua presença há plenitude de alegria, na tua destra, delícias perpetuamente.” – Salmo 16:11

Buscando a Deus, nós felizmente largamos as coisas que interferem com aquilo que mais ansiamos: a vida com Deus. Deixar o inferior para ganhar o superior às vezes dói. Não há dúvidas de que a autodisciplina pode ser muito desconfortável, e até mesmo dolorosa. 


Não adianta negar a dor. Mas aceitaremos essa dor com alegria se os nossos corações arderem verdadeiramente com a paixão por aquilo que nos é mais importante que qualquer outra coisa.

Os “não-deves” que nos enfrentam não são simplesmente as regras arbitrárias de um Deus que quer manter as suas criaturas infelizes. Não há nenhum valor inerente na abstinência, e Deus não espera que larguemos as coisas simplesmente por largá-las. 

Em vez disso, sempre há algum presente que Deus quer colocar em nossas mãos, um presente que não terá como segurarmos até largarmos os presentes inferiores que seguramos agora. No fim, veremos que Deus pediu para abandonarmos apenas aquelas coisas que interferissem na troca pelo amor verdadeiro.

Ninguém sabe mais do que um atleta vitorioso como é valioso deixar o inferior pelo superior. As medalhas de ouro não são ganhas por auto-indulgência. São resultados de anos de treinamento concentrado, tendo feito a escolha de deixar passar outras coisas que poderiam ter sido aproveitadas para concentrar-se em apenas um sonho. 

Enquanto o atleta treina, pode olhar com um pouco de vontade para outras pessoas que se divertem vivendo pelo momento, mas ele está sabiamente vivendo por um objetivo.

Nas Escrituras, aprendemos que a esperança tem um efeito “purificador”. “E a si mesmo se purifica todo o que nele tem esta esperança, assim como ele é puro” (1 João 3:3)

Até o ponto onde nossa esperança espiritual importa o quanto que nós dizemos importar, tiraremos de nossas vidas qualquer coisa inconsistente com aquela esperança, ansiosos em abster-nos das coisas que até nos distraem de Deus. 

Se pagarmos o preço para sabermos o que vale mais, e se percebermos que a única coisa que vale ter é o próprio Deus, então as nossas escolhas diárias serão muito mais fáceis. A alegria do Senhor será a nossa felicidade.

Nós descobrimos que podemos dizer “Não!” a algumas coisas porque há um “Sim!” maior ardendo lá no fundo, dentro de nós. (Stephen R. Covey)

por Gary Henry


Nenhum comentário:

Postar um comentário

seu comentário sempre é bem-vindo!