Aliança de satisfação e felicidade que inicia e fecha em Deus!

Todos buscam felicidade, e poucos conseguem obter. Até alguns que dizem ter alcançado a felicidade nas coisas deste mundo, quando olham para trás, descobrem que pagaram um preço muito alto por aquela parcial e momentânea alegria.

O cristão, porém, possui o fundamento de sua alegria acima de suas habilidades; ela é baseada na confiança em Deus. Ele vive com satisfação e felicidade. É um ciclo, uma aliança, que inicia e fecha em Deus!


O início deste ciclo acontece quando o homem entra na presença de Deus. Davi escreveu que em Deus há plenitude de alegria e delícias perpétuas (Salmo 16:11). A alegria faz parte do fruto do Espírito descrito por Paulo (Gálatas 5:22).


Mesmo diante de provações e desafios, o servo fiel age com alegria e confiança, porque sabe que estas dificuldades proporcionam perseverança e que a perseverança, sendo completa, traz perfeição e integridade (Tiago 1:2-4). O cristão sabe que tudo coopera para o seu bem (Romanos 8:28).

O servo de Cristo passa por sofrimentos, mas o Senhor não deseja que ele seja dominado por estas situações. Ao contrário, Deus espera que o discípulo suporte seu sofrimento com oração e confiança nele (Tiago 5:13).

Finalmente, o círculo se fecha quando o cristão fixa suas expectativas vivendo de modo digno do evangelho de Cristo. Pedro escreveu: "... a quem, não havendo visto, amais; no qual, não vendo agora, mas crendo, exultais com alegria indizível e cheia de glória, obtendo o fim da vossa fé: a salvação da vossa alma" (1 Pedro 1:8-9).

__________
por Adolfo Freitas Neto



Palavra dura!

"Seja Deus verdadeiro, e mentiroso todo homem." Romanos 3.4

Esta é uma palavra dura! Quando nasce uma criancinha, costuma-se dizer que ela "viu a luz do mundo". Mas na verdade ela enxerga o brilho efêmero deste mundo. 

A luz que se desprende dos homens é passageira. Somente aquele que vive em Jesus Cristo tem "a luz" e passa a ser uma luz no mundo. É impossível se enganar. Quando dirigimos à noite nas estradas, e, de repente, vemos os "olhos de gato" na beira do caminho, podemos dizer que somos enganados. 

Certa vez alguém me disse: "Como esta rua é bem iluminada!" Eu retruquei: "Não, isto é apenas reflexo! Os postes só iluminam enquanto recebem a luz do refletor do automóvel". 

É estranho e abalador que muitos cristãos sejam uma luz somente enquanto se banham na luz de outros. Este é o motivo do naufrágio de muitos que até crêem, mas interiormente estão derrotados e sofrem recaídas. 

Por que isso acontece? Porque eles não têm verdadeira ligação vital com o Senhor Jesus Cristo. 

Se você precisa viver das experiências de outros crentes, continuará interiormente em trevas. É este o seu problema? Olhe para Jesus, permita que Sua luz brilhe através de você, confiando pessoalmente nEle de todo o coração.

--------- por Wim Malgo ---------



O GRANDE "POR QUÊ?"

Se desejamos saber a atitude de Deus frente ao pecado e o verdadeiro caráter de Sua santidade, temos de contemplar a cruz e escutar esse clamor de angústia que ressoou em meio às trevas do Calvário:

"Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste?" (Mateus 27:46). Nunca antes tal pergunta havia sido formulada, e jamais haverá outra igual. 

Se considerarmos Aquele que a fez e a quem foi dirigida, ela permanece única na eternidade. A cruz expõe a medida do ódio de Deus contra o pecado, e igualmente mostra Seu amor para com o pecador. 

Sobre essa base divinamente justa, Ele manifesta Sua graça, perdoa nossos pecados e considera como justos todos os que se arrependem.


Porém, se os homens menosprezam a cruz e persistem em seu ódio contra Deus, ou afirmam que Ele é muito bonzinho para castigar os maus, o que lhes acontecerá? A resposta é: "Aquele que crê no Filho tem a vida eterna; mas aquele que não crê no Filho não verá a vida, mas a ira de Deus sobre ele permanece" (João 3:36).

Se Deus teve de dar, desamparar e ferir Seu Filho amado para salvar o mundo, os pecadores indiferentes podem ser salvos? O Senhor Jesus morreu em vão? Deus O feriu sem necessidade? Não, absolutamente não!

Ainda que mil indiferentes caiam ao nosso lado, e dez mil à nossa direita (Salmo 91:7), aos que crêem no seu nome; deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus (João 1:12).


_______________fonte: "Encontre-a-paz"



Obediência individual.

Deuteronômio 4:29-49 

Embora a cristandade tenha uma responsabilidade muito maior, da mesma forma que Israel, não tem correspondido às expectativas. Desde a época dos apóstolos ela está em declínio. Porém, no meio desta decadência da Igreja professa, Deus tem traçado um caminho para o crente que recebe a Sua aprovação: o da obediência individual. 

Observe que, quando se fala do declínio, o pronome é usado no plural: “vos” (vv. 25, 28). Isso é o que é feito como responsabilidade de um grupo de pessoas. Mas, quando se trata do despertamento (vv. 29-31), o pronome é usado no singular: “teu/tua”.

Cabe a cada pessoa ouvir esta voz que é emitida pessoalmente ao indivíduo. 

Paulo fala a Timóteo desta forma acerca da desordem dos últimos dias em sua segunda epístola. Ele afirma, em outras palavras, que a cristandade como um todo nisso se transformou, e que Timóteo devia permanecer nas coisas que aprendeu (2 Timóteo 3:14). 

Deus trata de avivar a nossa memória com essas coisas. “Por esta razão, sempre estarei pronto para trazer-vos lembrados acerca destas coisas, embora estejais certos da verdade já presente convosco e nela confirmados…”, escreve Pedro. (Leia 2 Pedro 1:12-13; 3:1-2.) 

Não fiquemos surpresos ao encontrar abundantes repetições na Bíblia. Em Deuteronômio depararemos com muitas, começando com a própria lei, repetida no capítulo 5 e que justifica o nome deste livro (Deuteronômio = a segunda lei).

fonte: beth-shalom/todo-dia-com-as-escrituras


Tempo de angustia (Salmo 37.39)


Em cena a obediência, o amor e a fé


Nos países em que o inverno é caracterizado por temperaturas baixas, a vegetação atravessa um período de descanso antes da acelerada reativação do crescimento primaveril. É uma época de tranqüila preparação para enfrentar as exigências de uma nova etapa de desenvolvimento. As células cansadas são reconstruídas e os tecidos desgastados, renovados; tudo isso aguardando pelo impetuoso despertar da primavera.

O mesmo princípio se aplica à vida do cristão no plano espiritual, mental e emocional. Muitos cristãos pensam que para ser eficaz é necessário estar sempre em atividade. Quase sempre Deus se vê obrigado a nos impor um tempo de descanso forçado. Uma doença, problemas inesperados, circunstâncias difíceis caem sobre nós como neve. Então nos vemos obrigados a cessar todas as atividades.

Por que isso está acontecendo comigo? Qual é o objetivo de tanto sofrimento? Por que não posso continuar trabalhando para Deus? 

Esses são pensamentos que nos fazemos com freqüência. A resposta nem sempre será conhecida. É aqui onde entra em cena a obediência, o amor e a fé. “Como o barro na mão do oleiro, assim sois vós na minha mão, ó casa de Israel” (Jeremias 18:6).
 
 de Boa Semente

A escolha de amigos



A escolha de amigos é uma das decisões mais desafiadoras e importantes de um jovem cristão. Os amigos ou encorajarão e apoiarão a espiritualidade ou promoverão e encorajarão as coisas do mundo. 

Considerem, por um momento, o exemplo de Salomão. Em 1 Reis 3:16-28, Salomão tomou tempo do seu horário agitado de rei para ouvir a discussão de duas prostitutas. 

Movido pela compaixão e preocupação com a vida de um bebê inocente, Salomão usou de sua sabedoria para assegurar o lugar do bebê ao lado da sua verdadeira mãe. Porém, em 1 Reis 11:7, encontramos Salomão construindo um altar para o abominável Moloque. 

Este ídolo nojento tinha uma barriga que era forno e aceitava o sacrifício de bebês vivos. O que aconteceu? O que fez com que Salomão mudasse? 

1 Reis 11:1,4 nos diz o que houve. Salomão casou com muitas mulheres estrangeiras e quando ele ficou velho “suas mulheres lhe perverteram o coração para seguir outros deuses”.

Se um homem com a sabedoria de Salomão pôde ter o seu coração desviado do Senhor pela influência de amigos, certamente eu enfrento o mesmo perigo. A escolha de amigos é uma das decisões mais importantes da vida.

Não podemos evitar a influência do mundo, mas podemos limitar e controlar os seus efeitos em nossas vidas. Muitas vezes ouvi explicarem assim: Não podemos evitar que os pássaros voem por cima das nossas cabeças, mas podemos evitar que se aninhem no nosso cabelo! Ou, se você deitar com os cães não se surpreenda se acordar com pulgas!

parte do texto de 
John A. Smith

Palavras sadias, apropriadas, são como refrescos.

Como maçãs de ouro em salvas de prata,
assim é a palavra dita a seu tempo.
(Provérbios 25:11)

Salvas de prata
Há quem pense que seja referência a uma pitoresca cesta de prata trabalhada, cheia de frutos amarelos dourados.  

"O contraste do fruto de ouro na finamente trabalhada cesta de prata, que pode, em conjunto, ser chamada obra de pintura, tem um delicado e agradável efeito sobre a vista, assim como o fruto contido tem sobre o paladar numa recepção, num dia de mormaço. Assim, a palavra dita judiciosa e oportunamente está tanto em seu lugar como as maçãs de ouro nas cestas de prata" (A. Clarke).

Dois pontos ressaltam na comparação. Uma palavra dita apropriadamente é como fruto dourado servido em bandejas de prata porque tal coisa é bela, e refrescante.

"Palavras apropriadas, bem vindas, são tão belas como um fruto dourado sobre um fundo de prata. Tais palavras, como uma pintura bem executada, são tão encantadoras como uma elegante moldura feita para a pintura" (Delitzsche).

E como é refrescante a aparência do fruto dourado numa cesta de prata! 


Muitas vezes uma fruteira contendo frutas frescas é colocada sobre uma mesa para acrescentar uma atmosfera sadia à área do jantar. Palavras sadias, apropriadas, são como refrescos. Freqüentemente as palavras que ouvimos são inadequadas, mal escolhidas, e soam muito mal. 

Uma palavra que se ajusta às circunstâncias e conduz um pensamento apropriado é revigorante. Acolhemos com prazer aquelas palavras que são ditas a seu tempo.

por Irvin Himmel

DESPERTE, Não permita que o seu amor esfrie!


"Desperta, ó tu que dormes, levanta-te de entre os mortos, e Cristo te iluminará." (Efésios 5.14)

Eu tenho medo. Embora a Bíblia muitas vezes diga: "Não temas"!, eu tenho medo de algo bem concreto: dos terríveis sinais do tempo do fim, dos quais o Senhor Jesus falou: "...o amor se esfriará de quase todos."
Se fala muito do amor fraterno, do amor ao próximo. Mas aqui me lembro de muitas pessoas, do seu maravilhoso primeiro amor ardente pelo Senhor Jesus.

Com lágrimas nos olhos, um dia você se converteu, achou o perdão de seus pecados, se alegrou no Senhor, foi zeloso em testemunhar dEle, se esforçou em ganhar almas para o Cordeiro de Deus, se ajoelhou com outros filhos de Deus para orar –, e hoje? Tudo se tornou superficial. O amor em você esfriou.

Paulo diz: "...o amor de Cristo nos constrange." O Senhor exaltado clama: "Tenho, porém, contra ti que abandonaste o teu primeiro amor."

É disso que eu tenho medo, e repetidas vezes procuro a face do Senhor a fim de me examinar e de pedir que Ele me ilumine, e pergunto:

"Senhor, ainda estou no primeiro amor?"  

Você não sente o frio mortal do tempo do fim que ameaça vir sobre nós? "...O amor se esfriará de quase todos." Peço-lhe do fundo do meu coração: não permita que o seu amor esfrie!
por Wim Malgo


Autodisciplina - como é valioso deixar o inferior pelo superior

“Tu me farás ver os caminhos da vida; na tua presença há plenitude de alegria, na tua destra, delícias perpetuamente.” – Salmo 16:11

Buscando a Deus, nós felizmente largamos as coisas que interferem com aquilo que mais ansiamos: a vida com Deus. Deixar o inferior para ganhar o superior às vezes dói. Não há dúvidas de que a autodisciplina pode ser muito desconfortável, e até mesmo dolorosa. 


Não adianta negar a dor. Mas aceitaremos essa dor com alegria se os nossos corações arderem verdadeiramente com a paixão por aquilo que nos é mais importante que qualquer outra coisa.

Os “não-deves” que nos enfrentam não são simplesmente as regras arbitrárias de um Deus que quer manter as suas criaturas infelizes. Não há nenhum valor inerente na abstinência, e Deus não espera que larguemos as coisas simplesmente por largá-las. 

Em vez disso, sempre há algum presente que Deus quer colocar em nossas mãos, um presente que não terá como segurarmos até largarmos os presentes inferiores que seguramos agora. No fim, veremos que Deus pediu para abandonarmos apenas aquelas coisas que interferissem na troca pelo amor verdadeiro.

Ninguém sabe mais do que um atleta vitorioso como é valioso deixar o inferior pelo superior. As medalhas de ouro não são ganhas por auto-indulgência. São resultados de anos de treinamento concentrado, tendo feito a escolha de deixar passar outras coisas que poderiam ter sido aproveitadas para concentrar-se em apenas um sonho. 

Enquanto o atleta treina, pode olhar com um pouco de vontade para outras pessoas que se divertem vivendo pelo momento, mas ele está sabiamente vivendo por um objetivo.

Nas Escrituras, aprendemos que a esperança tem um efeito “purificador”. “E a si mesmo se purifica todo o que nele tem esta esperança, assim como ele é puro” (1 João 3:3)

Até o ponto onde nossa esperança espiritual importa o quanto que nós dizemos importar, tiraremos de nossas vidas qualquer coisa inconsistente com aquela esperança, ansiosos em abster-nos das coisas que até nos distraem de Deus. 

Se pagarmos o preço para sabermos o que vale mais, e se percebermos que a única coisa que vale ter é o próprio Deus, então as nossas escolhas diárias serão muito mais fáceis. A alegria do Senhor será a nossa felicidade.

Nós descobrimos que podemos dizer “Não!” a algumas coisas porque há um “Sim!” maior ardendo lá no fundo, dentro de nós. (Stephen R. Covey)

por Gary Henry


O amor achará o caminho para encontrar Deus



Se a nossa busca por Deus é inspirada no amor verdadeiro, não descansaremos até chegarmos a conhecê-lO como Ele realmente é. 


A mera admiração pode se contentar em sentar e sonhar, mas o amor verdadeiro levanta e queima o chão em direção ao conhecimento verdadeiro de Deus. Tal amor persistente no coração de alguém que busca é uma conseqüência mais celestial que todo o intelecto plácido do mundo. 

‟De toda a música na terra, aquela que chega mais longe no céu é a batida de um coração que verdadeiramente ama” (Henry Ward Beecher).

Conhecer a Deus é muito mais que um exercício de “informações”. Não tentamos entender Deus apenas por curiosidade; nós procuramos conhecê-lo por amor. E o amor que nos move na direção de conhecer Deus é tão real e forte quanto o amor mundano. 

"O amor pelo Senhor não é algo etéreo, intelectual, ou como sonho; é o amor mais intenso, mais vital, mais apaixonado do qual o coração humano é capaz de sentir” (Oswald Chambers).

É óbvio que nem todos que dizem amar a Deus têm toda essa paixão. Mas aqueles que estão mornos ou sem direção simplesmente não encontrarão a Deus. As coisas boas que vêm de amar a Deus são reservadas por aqueles que levam-no a sério.


“Buscar-me-eis e me achareis”, diz Deus, “quando me buscardes de todo o vosso coração” (Jeremias 29:13). Somente o amor de coração inteiro tem a persistência necessária para encontrar a Deus. 

Esse tipo de amor é uma força ativa, sempre compelindo-nos a buscar, a procurar e a conhecer o outro. Nunca nos deixará ficar contente até que tenhamos entrado profundamente em um relacionamento com o nosso Amado. O amor achará o caminho para encontrar Deus.

parte do texto 
de Gary Henry


Críticos da Bíblia pouco conhecem dEla

O famoso escritor e estadista Americano Benjamin Franklin uma vez foi ridicularizado em Paris pela sua defesa da Bíblia. Ele resolveu descobrir justamente o quanto seus críticos sabiam das Escrituras.

Algum tempo depois Franklin informou uma das sociedades literárias que ele tinha encontrado um antigo texto que falava da vida pastoral nos tempos antigos. Ele disse que queria a opinião da sociedade sobre o valor deste texto.



Um encontro foi marcado e os literários e filósofos pediram a Franklin que ele lesse o texto para eles. Franklin leu o livro de Rute. Quando ele terminou, os filósofos e peritos rogaram a ele que ele publicasse o texto.

Daí respondeu Franklin - “Este texto já foi publicado. Ele faz parte da mesma Bíblia que vocês tanto ridicularizam.”

de: Hermenêutica


O que nós devemos a Deus?


Devemos a Deus uma vida perfeita. 
Perfeita obediência a todos os seus mandamentos. 

Não apenas ao mandamento do batismo, mas aos mandamentos que se referem à humildade, à honestidade, à integridade. Não podemos nos livrar. 

Poderiam até mesmo nos cobrar valores tão elevados quanto os das propriedades de Manhattan. Contudo, Cristo é capaz de nos livrar, e nos livrou. Sua imersão no Jordão é um retrato da sua imersão em nosso pecado. Seu batismo anuncia: "Deixe-me pagar".

por Max Lucado
(trecho de mensagem)


Deus Quer Nos Ajudar

A língua tem poder para mostrar as pessoas quem realmente somos. Com dedicação e amor pelo Senhor o Espírito Santo agirá produzindo domínio próprio (Gálatas 5:22-23). Nossas vidas serão transformadas, e o nosso falar será uma benção para as pessoas ao nosso redor. 

Por isso, é necessário manter o compromisso no Senhor, pregando a palavra (2 Timóteo 2:2), se dedicando na prática de boas obras (1 Timóteo 6:18), nas leituras bíblicas (1 Timóteo 4:13), nas orações (1 Timóteo 2:1), e na comunhão com Deus e com nossos irmãos. 

Agindo assim haverá crescimento espiritual e nos tornaremos cada vez mais semelhantes ao nosso mestre (2 Coríntios 3:18). Mesmo assim é possível falhar. Se isso acontecer nós vamos correr para Deus pedindo perdão e orando para que Deus dome a nossa língua e transforme a fonte que é nosso coração (1 João 1:9; Mateus 12:34; 15:18). 

Que alívio saber que Deus tem boa vontade para nos ajudar e salvar! “Ora, àquele que é poderoso para vos guardar de tropeços e para vos apresentar com exultação, imaculados diante da sua glória” (Judas 24).

–por Paulo Marques da Silva


O Reino dos Céus no Céu


O reino de Deus veio realmente a esta terra; mas nunca foi, não é, e jamais será um reino terrestre. O reino (governo) de Deus foi estendido do céu às criaturas humanas do Criador, neste planeta temporário. Mas a natureza e a duração do domínio de Deus em Cristo é de eternidade a eternidade.

[...] 

Como será? Será maravilhoso! Um lugar sem lágrimas, sem dor, sem depressão, sem solidão, sem inimigos, sem nenhuma coisa má. Como seremos? Não como agora somos (1 Coríntios 15), mas como agora ele é.

 “Amados, agora, somos filhos de Deus, e ainda não se manifestou o que haveremos de ser. Sabemos que, quando ele se manifestar, seremos semelhantes a ele, porque haveremos de vê-lo como ele é” (1 João 3:2).

trecho do texto de 
Tommy Poarch



Nossa alegria vem de Cristo

Alegria (Gálatas 5.22) descreve o privilégio de regozijar em Cristo, apreciando as maravilhosas bênçãos de nossa relação com ele. Esta alegria não é dependente de nossas circunstâncias físicas. Dinheiro não compra esta alegria.

Um dos livros do Novo Testamento que fala mais claramente sobre alegria foi escrito por um homem que sofreu muito. Enquanto ele estava na prisão, onde às vezes lhe faltava o essencial, Paulo escreveu a seus irmãos em Filipos:


"alegrai-vos sempre no Senhor; outra vez digo: alegrai-vos" (Filipenses 4:4; veja também 3:1; 1 Tessalonicenses 5:16). Muitas pessoas pensam que tal felicidade depende das circunstâncias.

Até mesmo muitas igrejas falam tanto de saúde física e bênçãos materiais que dão a impressão de que essas coisas são necessárias à felicidade. A prosperidade física é nada mais do que um substituto barato e temporário para a alegria real que encontramos em Cristo. 

Os verdadeiros cristãos não consideram cada provação e dificuldade como um sinal de infidelidade ao Senhor, mas percebem que tais provações são ocasiões para alegria e oportunidades para crescimento espiritual (Tiago 1:2-4). 

Nossa alegria vem de Cristo, que é totalmente suficiente, não da temporária prosperidade material.


por Dennis Allan


Revesti-vos do Senhor Jesus Cristo

Não é apenas hora de despertarmos, mas também é hora de nos vestirmos. Este é o âmago, o clímax da questão: “Deixemos, pois, as obras das trevas e (...) revesti-vos do Senhor Jesus Cristo” (Rm 13.12,14).

O que devemos fazer após termos acordado e nos lavado? Revestir-nos de Jesus. Vista-se com o Senhor Jesus Cristo. Revista-se dEle para buscar direcionamento porque Ele é o Senhor. Você precisa ter alguém que possa revesti-lo em trajes de justiça, que possa protegê-lo, purificá-lo, e mantê-lo puro. Revista-se dEle para obter libertação porque Ele é o Salvador. Revista-se dEle para obter domínio porque Ele é o Rei Messias, o Senhor dos senhores. Eu devo revestir-me de Jesus como minha armadura de luz.

Onde você acha que nós estamos como cultura, como igreja, e como cristãos individualmente? Paulo fez soar o alarme no primeiro século, e nós também precisamos fazer soar o alarme hoje. Já se faz tarde, a noite já vai alta. Logo Ele virá com o som da trombeta. É melhor fazermos agora aquilo que pretendemos fazer por Jesus.

A vida é curta demais. A eternidade é longa demais. As almas são preciosas demais. O Evangelho é maravilhoso demais para estarmos dormindo o tempo todo. Você já ouviu o alarme. Agora você pode virar-se para o lado e apertar a tecla do “cochilo”, ou levantar-se, lavar-se e se vestir! 


por Adrian Rogers 


Qual será a coisa mais emocionante no céu?

Imagine ver o Senhor do Universo face a face.
"Agora o tabernáculo de Deus está com os homens, com os quais Ele viverá. Eles serão os seus povos; o próprio Deus estará com eles e será o seu Deus". Apocalipse 21:3

O Deus Todo-Poderoso promete estar em nossa companhia e nos ensinar. Que alegria deve ser o de sentar-se aos Seus pés! 

Pense o quanto um músico estaria disposto a sacrificar para passar alguns momentos com Beethoven ou Mozart. Imagine quanto um cientista valorizaria a chance de se sentar com Albert Einstein, ou o que significaria para um pintor conversar com Michelangelo ou Rembrandt.

Agora pense, os redimidos terão um privilégio infinitamente superior. Eles irão conversar com o Autor de toda música, ciência ou arte. Eles terão conversas íntimas com a Mente mais inteligente e o Coração mais profundo de todo o universo. E essa relação resultará em adoração.


"De uma lua nova a outra e de um sábado a outro, toda a humanidade virá e se inclinará diante de mim, diz o Senhor". Isaías 66:23

trecho do texto de
"JesusVoltará/descobrindoabiblia"


A INJUSTIÇA SOCIAL


A questão da divisão das riquezas sempre é um tema atual. Seja entre as famílias por causa de herança, entre as classes sociais ou entre os povos o problema é o mesmo. 

Que atitude o discípulo do Senhor Jesus deve tomar diante de tais conflitos? A mesma atitude do Senhor Jesus!

Talvez hoje a pergunta fosse a seguinte: - Mestre, tu não te inquietas com a injustiça que reina no mundo? Meu próximo vive em abundância, diga que reparta um pouco comigo. E o Senhor diria a mesma coisa: "Quem me pôs a mim por juiz ou repartidor entre vós?"

Será que Deus aprova a injustiça? Óbvio que não!

Haverá um dia em que Deus vai estabelecer neste mundo um reino de justiça e paz. E a injustiça social será eliminada para sempre.

No entanto, ela se origina de outra espécie de injustiça. Deus chama cada indivíduo ao arrependimento e à fé no Senhor Jesus para que receba o perdão de seus pecados e da injustiça que habita no coração humano. 

A partir de então, os que crêem recebem uma nova natureza capaz de amar desinteressadamente, de agir com a justiça de Deus mediante o Espírito do próprio Deus.

Devocional "EncontreaPaz"

 

Lutas? JESUS, Ele pelejará por nós!


"O Senhor vosso Deus vai adiante de vós, ele pelejará por vós..." Deuteronômio 1.30

Você ficou cansado na luta da vida e se sente prostrado. Grandes dificuldades parecem formar montanhas à sua frente. Em seu íntimo parece existir apenas o som de batalhas e lutas. Simplesmente não há meio de fazer com que em seu íntimo as coisas se aquietem? 

Situações injustas, tratamento injusto, castigo injusto, ameaça de enfermidade, preocupações e aflições, provações extenuantes – o que coloca você em constante posição de combate a tal ponto que você não consegue mais se acalmar? 

Escute o que diz a Bíblia: "O Senhor pelejará por vós, e vós vos calareis." Ele sabe pelejar muito melhor do que você. Diante dEle nenhum inimigo pode resistir. Por que você ainda luta com suas próprias forças? 

Porque inconscientemente você pensa que ainda tem suficiente força, que pode fazer as coisas sozinho. Mas você será derrotado, pois está escrito: "Ele me abateu a força no caminho." 

Por quê? 
Para que você pare de lutar! 
Pois Jesus lutou vitoriosamente por você. 

A luta que você trava, tão ingrata e sem resultados, tem sua origem na ilusão que você tem de que pode fazer as coisas à sua moda, de que tem condições de resolver os problemas por conta própria. A nossa luta maior deveria ser deixar de lutar por nós mesmos. Entregue-se completamente nas mãos do Senhor. Ele pelejará por você!

por Wim Malgo 

O Sentido da Vida... sempre preocupou a humanidade

"Por que vivo?", 
"Qual a razão da vida?", 
"Qual o objetivo de viver?"

Mary Roberts Rinehart disse sobre o sentido da vida:  "Um pouco de trabalho, um pouco de sono, um pouco de amor, e tudo acabou." 
Edmund Cooke afirmou: "Nunca vivemos, mas sempre temos a expectativa da vida." 
Colton:  "A alma vive aqui como numa prisão e é liberta apenas pela morte." 
Shakespeare:  "Viver é uma sombra ambulante." 
R. Campbell:  "Viver é um corredor empoeirado, fechado de ambos os lados." 
Rivarol:  "Viver significa pensar sobre o passado, lamentar sobre o presente e tremer diante do futuro."

Será que todas essas não são afirmações bastante amargas e desanimadoras sobre o sentido da vida? Parece que todos falam apenas de existir e não de viver verdadeiramente.

Jesus tocou no âmago da questão ao dizer: "Eu sou... a vida" (João 14.6). Por isso o apóstolo Paulo escreveu sobre o sentido da sua vida: "Porquanto, para mim o viver é Cristo" (Filipenses 1.21). Por isso, também o apóstolo João começou sua primeira epístola com as palavras: "O que era desde o princípio, o que temos ouvido, o que temos visto com os nossos próprios olhos, o que contemplamos, e as nossas mãos apalparam, com respeito ao Verbo da vida (e a vida se manifestou, e nós a temos visto, e dela damos testemunho, e vo-la anunciamos, a vida eterna, a qual estava com o Pai e nos foi manifestada)" (1 João 1.1-2).


[...]  dê ouvidos à voz de Jesus, que resume o sentido da vida numa única frase: "E a vida eterna é esta: que te conheçam a ti, o único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste" (João 17.3). 

por Norbert Lieth 


“não se preocupem”

Não tenham medo de ninguém, nem fiquem preocupados. (1Pe 3.14b)
 

Fazer o que é certo cria uma situação incômoda para aqueles que não o fazem. Estes ficam com raiva daqueles que procedem corretamente e os ameaçam. Diante dessa situação e dessas pessoas, Pedro exorta para que não se tenha medo dessas ameaças nem se dê espaço à preocupação.
 
A tranquilidade deve ser mantida mesmo diante da agitação alheia. Outras versões preferem dizer “não se alarmem”, “não se turbe o seu coração”, “não se intimidem” ou “não percam o sono”.
 
Das duas recomendações do apóstolo (não ter medo, não ficar preocupado), qual seria a mais difícil? É provável que a maior parte dos crentes ache mais fácil vencer o medo do que a preocupação.
 
A preocupação é uma doença. Ela desgasta, envelhece, rouba a segurança emocional e o bem-estar mental.

A Bíblia está cheia de exortações contrárias ao medo.
Aos israelitas, Deus disse: “Não se assustem, não se apavorem, não fiquem com medo” (Dt 20.3). Antes de morrer, Moisés disse a Josué: “Não se assuste, não tenha medo” (Dt 31.8).
 
A maior concentração de passagens com “não tenham medo” está no livro de Isaías. Numa delas, Deus diz: “Não fiquem com medo, pois estou com vocês; não se apavorem, pois eu sou o seu Deus” (Is 41.10). No mesmo capítulo, lê-se: “Você é pequeno e fraquinho, mas não tenha medo” (Is 41.14). Um pouco antes, Deus havia recomendado: “Não tenham medo daquilo que o povo tem medo” (Is 8.12).

Mas a Bíblia condena também a preocupação. Até o Faraó do Egito mandou dizer aos irmãos de José: “Não se preocupem por terem deixado para trás as coisas que têm, pois o melhor que há na terra do Egito será deles” (Gn 45.20).
 
Jesus foi o maior pregador do “não se preocupem”. No Sermão do Monte, o Senhor ensina os discípulos a não se preocuparem com o que comer, o que beber e o que vestir, porque “o Pai de vocês, que está no céu, sabe que vocês precisam de tudo isso” (Mt 6.32).
 
– Quem tem ouvidos, ouça o que Jesus disse à irmã de Lázaro: “Marta, Marta, você está preocupada com muitas coisas!”
 
Editora Ultimato/Elben César
de 'Refeições Diárias com os Discípulos'
 
 

Você é um novo você!


Se você é um cristão que acabou de se converter, você é um "bebê" espiritual. Você está deparando espiritualmente o que os bebês encontram fisicamente. É uma vida nova, um novo começo, e tudo é diferente. Você não é mais você. Você é um "novo você"!

Essa nova vida é, às vezes, difícil por não estar acostumada a ela. O passado o atrai para voltar aos velhos hábitos, conceitos e valores. Há uma tendência natural de querer retornar aos antigos padrões de vida.

A maior fonte de força para permanecer no novo caminho é meditar sobre o que é novo para você. Você "nasceu de novo" (João 3:5). Você renasceu para andar "em novidade de vida" (Romanos 6:4).

Examine agora o que é novo:  
Agora você é justificado "gratuitamente, por sua graça" (Rom 3:24).
Você tem "paz com Deus por meio de nosso Senhor Jesus Cristo" (Rom 5:1). 
Você é herdeiro do "dom gratuito de Deus" que é "a vida eterna em Cristo Jesus, nosso Senhor" (Rom 6:23). 
 [...]

Ainda que, muitas vezes, a sua vida seja tão desajeitada quanto aos movimentos de um bebê, ela está em transformação. 

- Você está aprendendo a detestar o mal e se apegar ao bem (Rom 12:9). 
- Você está amando "uns aos outros com amor fraternal" (Rom 12:10). 
- Em meio à tribulação, você está se tornando paciente (Rom 12:12). Está perseverante em oração ao seu novo Pai (Rom 12:12).

[...]

O que há de novo? Você! "Portanto, também nós... desembaraçando-nos de todo peso e do pecado que tenazmente nos assedia, corramos, com perseverança, a carreira que nos está proposta, olhando firmemente para o Autor e Consumador da fé, Jesus" (Hebreus 12:1-2)

Meu novo irmão ou irmã, "tomai toda a armadura de Deus, para que possais resistir no dia mau e, depois de terdes vencido tudo, permanecer inabaláveis" (Efésios 6:13). 
trecho da mensagem de Ed Culp




Precisamos de pais reais!

A importância dos pais é vista no papel dado a eles por Deus no núcleo familiar. Várias observações podem ser vistas no ensinamento de Paulo sobre os relacionamentos conjugais e de pai e filho (Efésios 5:22-6:4). 

Primeiro, o marido, como o cabeça da esposa, deve ser o líder da família. Isto não quer dizer que os desejos e as necessidades da mulher devem ser ignorados. Ele deve amar a sua esposa, ou seja, agir de acordo com os melhores interesses dela (Efésios 5:25-29). Para liderar sem dominar é uma tarefa difícil. É de se admirar que Paulo manda os maridos amarem as suas esposas ao invés de “forçá-las a submissão”.

Segundo, os pais são responsáveis por ensinar os filhos de acordo com os mandamentos do Senhor (Efésios 6:4). Não devem “provocar os filhos à ira”. Os pais devem ser razoáveis nas suas exigências aos seus filhos; exigências não razoáveis criam a raiva e a rebelião. Ao mesmo tempo, os pais devem ser corajosos o suficiente para manter o padrão bíblico da moralidade em seus lares, mesmo se isso torna necessária a disciplina corporal de crianças pequenas (Provérbios 13:24; 19:18; 23:13-14).

As nossas famílias precisam de pais. Pais reais. Não apenas alguém que possa trazer para casa um salário (apesar disto vejam 1 Timóteo 5:8) ou que controla o controle remoto da televisão, mas precisamos de homens que podem habilmente misturar a afeição carinhosa com uma convicção firme a respeito da justiça. 

Precisamos de homens que podem servir como líderes em seus lares mostrando aos seus filhos como serem forte em caráter.

Agradeço a Deus pelos pais verdadeiros!

–por Allen Dvorak


A FAMÍLIA precisa se posicionar pelo que é verdadeiro e bom

Em primeiro lugar, servir a Deus é o que fortalece a fé. A maioria das ameaças modernas à família surgiram de uma filosofia humanística que nega a existência de Deus. 

A fé que é realmente de Deus, a confiança nEle pessoalmente, é o que é necessário para enfrentar estes desafios.

Muito tempo atrás, João escreveu, "porque todo o que é nascido de Deus vence o mundo; e esta é a vitória que vence o mundo: a nossa fé" (1 João 5:4). Não há nenhum comprimido que podemos tomar que nos dará esta fé que vence o mundo. A fé é ganha no processo diário de servir a Deus da melhor maneira possível de acordo com o nosso entendimento.


[...]

Acontece que servir a Deus faz mais uma coisa para nós. Nos dá coragem! Sem a coragem, estamos perdidos. Paulo encorajou aos coríntios, "Sede vigilantes, permanecei firmes na fé, portai-vos varonilmente, fortalecei-vos" (1 Coríntios 16:13) 

A famíla piedosa que sobrevive a cultura moderna e supera no Senhor não é aquela que se compromete covardemente com o mal. Ela corajosamente se posiciona pelo que é verdadeiro e bom. 

Por fim, a coragem da qual as nossas famílias precisam hoje em dia é formada nos nossos corações enquanto experienciamos a realidade de viver a vida em Cristo. Temos que fazer mais do que freqüentar os cultos da igreja; temos que "saborear" que o Senhor é gracioso (1 Pedro 2:3). 

Quando fizermos assim, as nossas famílias terão o tipo de poder do qual o diabo foge.

por Gary Henry


Exercícios espirituais essenciais para a vida

Nosso Senhor não precisava de disciplina ou regulamentações como Homem perfeito, sem pecado. Mesmo assim, Ele é para nós, através de Seu comportamento, um exemplo e um incentivo para praticar exercícios espirituais essenciais para a vida, a fim de que se tornem pilares incontestáveis de discipulado verdadeiro em nossa vida.

Quando descrevermos alguns exemplos de pessoas de oração da Bíblia e da história da Igreja no próximo capítulo, queremos ter em mente as palavras de Jonathan Edwards, escritas na introdução ao diário do missionário entre os índios David Brainerd, cuja vida de oração realmente foi excepcionalmente intensa:

"O exemplo de Jesus Cristo é o único que já existiu, na natureza humana, totalmente perfeito; o que, portanto, é um critério para testar todos os outros exemplos. As disposições, as atitudes e as práticas de outros devem ser recomendadas e seguidas na medida que foram seguidoras de Cristo”.

por Wolfgang Bühn
(trecho de sua mensagem)

Misericórdia não é prêmio


A palavra “misericórdia” tem um sabor gostoso. Ela aparece cerca de 150 vezes na Bíblia (RA); quase a metade delas, no livro dos Salmos. “Tem misericórdia de mim” é o primeiro versículo de alguns salmos (4.1; 51.1; 56.1; 57.1) e a expressão “a sua misericórdia dura para sempre” aparece em 26 versículos do Salmo 136, em oito outros salmos e em muitas outras passagens do Antigo Testamento.

Misericórdia não é prêmio, não é galardão, não é recompensa. Aquele que comete pecado contra Deus não merece misericórdia, como admite Jacó numa situação de extremo perigo: “Não sou digno da menor de todas as misericórdias e de toda a tua fidelidade para comigo” (Gn 32.10). 

A confissão “não sou digno” ou “não mereço” precede, implicitamente ou não, a famosa e repetida súplica dos cristãos: “kyrie eleison” (misericórdia, Senhor). Esta palavra existe porque a palavra “pecado” existe. 

Deus não tem obrigação de perdoar e derramar novas bênçãos. Se Ele intervém em nosso favor é apenas porque “a sua misericórdia dura para sempre”, ou “eterno é o seu amor”.

“A misericórdia é experimentada e exercida por uma pessoa que tem outra sob o seu poder ou debaixo de sua autoridade ou de quem nenhuma bondade pode ser reivindicada”, como explica Peter C. Craigie, da Universidade de Calgary, no Canadá. Num sentido jurídico, continua o professor, “a misericórdia pode envolver atos como o perdão, a absolvição ou a diminuição de penas”.

A necessidade que todos temos de misericórdia é uma declaração explícita de que todos somos pecadores. Seria muito bom começarmos cada oração com a súplica dos dois cegos de Jericó: “Senhor, filho de Davi, tem misericórdia de nós” (Mt 20.30).
 
Corremos o risco tanto de fazer cerimônia quando a misericórdia nos é oferecida quanto de abusar dela. É difícil dizer qual dos dois é o pior!

da Revista Ultimato ed.339
(foto Internet )

 

Os salvos e os perdidos


uma passagem que fala sobre vencer:
“ 7 - O vencedor herdará estas coisas, e eu lhe serei Deus, e ele me será filho. 8 - Quanto, porém, aos covardes, aos incrédulos, aos abomináveis, aos assassinos, aos impuros, aos feiticeiros, aos idólatras e a todos os mentirosos, a parte que lhes cabe será no lago que arde com fogo e enxofre, a saber, a segunda morte (Ap 21.7-8). 

Existem apenas duas classes: os salvos e os perdidos. O versículo 7 descreve os salvos. Todo o restante (v. 8) são os perdidos.

Não somos salvos por vencermos. Vencemos porque somos salvos. Aquele que vence herda todas as coisas: a vida eterna está incluída em todas as coisas. 

Deus tornou-se nosso Pai e nós nos tornamos Seus filhos e filhas quando confiamos em Cristo. Mas as palavras “Serei vosso Pai, e vós sereis para mim filhos e filhas”, descrevem uma intimidade maior de relacionamento.

trecho da mensagem de
William MacDonald