✿ Registre seu email e receba as mensagens deste Devocional:

Pesquise

quinta-feira, 28 de novembro de 2013

Mantenha a ênfase em Cristo

Em nossa sociedade, a lealdade às igrejas toma o lugar da lealdade a Cristo. Algumas pessoas colocam a igreja acima de Jesus Cristo e servem a igreja acima de tudo. 

Estas pessoas pensam sobre seu serviço a Deus em termos de encontrar a igreja, juntar-se à igreja, e permanecer fiéis à igreja. Apostasia, para eles, é deixar a igreja. 

Em termos bíblicos, a igreja é simplesmente aqueles que estão seguindo a Jesus, a família de Deus. 

Nosso foco, ênfase, e lealdade são para com Cristo.

Outras pessoas colocam a igreja entre Cristo e o homem, pensando nela como uma instituição através da qual Deus fala ao homem e o homem a Deus. Mas Cristo é o único mediador entre Deus e o homem (1 Timóteo 2:5). 

Eu não procuro Deus através da igreja; a igreja é o povo que está procurando seguir a Deus. É Cristo quem deve dominar nossas vidas, não a igreja.

Gary Fisher

 

Resposta ativa!

O servo de Deus avisa aos outros do perigo. Uma vez que decidimos nos entregar ao Senhor, ainda temos trabalho para fazer.

Muitas pessoas ao nosso redor ainda não conhecem o evangelho puro. Cabe aos cristãos de hoje avisar aos outros do perigo de negligenciar as suas almas. 

As palavras que Deus dirigiu ao pregador Ezequiel nos mostram a responsabilidade dos fiéis hoje: “Filho do homem, eu te dei por atalaia sobre a casa de Israel; da minha boca ouvirás a palavra e os avisarás da minha parte. Quando eu disser ao perverso: Certamente, morrerás, e tu não o avisares e nada disseres para o advertir do seu mau caminho, para lhe salvar a vida, esse perverso morrerá na sua iniqüidade, mas o seu sangue da tua mão o requererei. Mas, se avisares o perverso, e ele não se converter da sua maldade e do seu caminho perverso, ele morrerá na sua iniqüidade, mas tu salvaste a tua alma. Também quando o justo se desviar da sua justiça e fizer maldade, e eu puser diante dele um tropeço, ele morrerá; visto que não o avisaste, no seu pecado morrerá, e suas justiças que praticara não serão lembradas, mas o seu sangue da tua mão o requererei. No entanto, se tu avisares o justo, para que não peque, e ele não pecar, certamente, viverá, porque foi avisado; e tu salvaste a tua alma” (Ezequiel 3:17-21). 

São palavras duras que exigem uma resposta ativa! 

por Dennis Allan

Nosso apetite para o céu!

“Sei que nada há melhor para o homem do que regozijar-se e levar vida regalada; e também que é dom de Deus que possa o homem comer, beber e desfrutar o bem de todo o seu trabalho” (Eclesiastes 3:12-13).     [...]


Nunca pretendeu-se que nós encontrássemos nossa felicidade final na terra. O Pregador afirma que, para todo o mal e infortúnio que nos sucede nesta vida, Deus tem fornecido uma fonte suficiente da bondade, satisfação e apreciação. 



Assim sua exortação repetida: “Eis o que eu vi: boa e bela coisa é comer e beber e gozar cada um do bem de todo o seu trabalho, com que se afadigou debaixo do sol, durante os poucos dias da vida que Deus lhe deu; porque esta é a sua porção” (Eclesiastes 5:18; cf. 2:24-25; 3:12-13; 8:15). 



Vamos parar de pedir mais da vida terrena do que ela pode nos dar. É construída por Deus de tal maneira para servir de um lugar de provação, um momento de crescimento, uma extensão de alegria e dificuldade.



Aprenda a apreciar as coisas simples de hoje e pare de fingir que a felicidade verdadeira está bem ali na frente. Quando considerada corretamente, a vida apresenta felicidade razoável mas estimula nosso apetite para o céu.



autor: Jim Jonas



A amargura é uma erva daninha

A amargura é uma erva daninha que procura nos sufocar, uma raiz que sempre procura se alastrar em nossas vidas. Mas em nós não deve acumular-se muita "água de amargura", pois quando ela fica represada em nosso íntimo, Satanás prontamente estará a postos transformando essa amargura em rebelião e ira. Ele, porém, não deve alcançar esse objetivo!

"Atentando, diligentemente, por que ninguém seja faltoso, separando-se da graça de Deus; nem haja alguma raiz de amargura que, brotando, vos perturbe, e, por meio dela, muitos sejam contaminados", adverte-nos o Senhor em Hebreus 12.15. 

Quando falamos com amargura sobre outras pessoas, contaminamos os que estão ao nosso redor e nos tornamos culpados, pois pecamos. Jesus quer libertar-nos desse pecado! 

Quem não quer vencer ou abandonar a amargura em nome de Jesus, não precisa admirar-se quando fica melancólico e triste. 

Conheci pessoas que se afogaram no "lago da amargura". Mas na cruz de Jesus há poder para a vitória! Quem afirma que ao seguirmos a Jesus estamos livres de temores e decepções, está mentindo. Jesus disse: "No mundo passais por aflições; mas tende bom ânimo; eu venci o mundo" (Jo 16.33).

Devemos reivindicar para nós essa vitória sobre a amargura em nome de Jesus, devemos tomar posse dela pela fé. O apóstolo Paulo, aprovado no discipulado de Jesus, testemunha: "...que, através de muitas tribulações, nos importa entrar no reino de Deus" (At 14.22). 

Andar no caminho estreito e penoso tem valor eterno, pois ele conduz ao alvo celestial: "Porque para mim tenho por certo que os sofrimentos do tempo presente não podem ser comparados com a glória a ser revelada em nós" (Rm 8.18), garante-nos Paulo. 

Um poeta lírico escreveu uma oração muito bonita, que também deve ser a nossa: "Faze com que eu me aquiete, meu Senhor e Deus. Que eu ouça somente a Tua voz na felicidade e na aflição. Estende Tuas mãos caridosas sobre meu caminhar, faze com que minha vista e meus pensamentos estejam direcionados somente para Ti".

 trecho do texto de Burkhard Vetsch

quarta-feira, 27 de novembro de 2013

Os olhos iluminados para a riqueza da herança

...qual a riqueza da glória da sua herança nos santos(Ef 1.18).

Muitas vezes andamos tão abatidos e desanimados nesse mundo por sermos tão míopes em relação à riqueza da glória da Sua herança. A carta aos Efésios, no entanto, nos alerta novamente para esta riqueza:

- “...a remissão dos pecados, segundo a riqueza da sua graça” (Ef 1.7).

...a riqueza da glória da sua herança nos santos(Ef 1.18).
...a suprema riqueza da sua graça...(Ef 2.7).

   Mas Deus, sendo rico em misericórdia...” (Ef 2.4).

...pregar aos gentios o evangelho das insondáveis riquezas de Cristo(Ef 3.8).

...segundo a riqueza da sua glória, vos conceda que sejais fortalecidos com poder...” 
    (Ef  3.16).

O que vem a ser a riqueza da glória da sua herança nos santos? A herança é a transferência dos bens de uma pessoa para o seu herdeiro. Deus nos concede a participação naquilo que é Seu. Sua herança em nós! Para isso foi que Jesus morreu! Sua herança nos santos é o futuro interminável que dirige nossos olhos, muito além das coisas terrenas, para a eternidade. Isso nos dá um vislumbre sobre a nossa vocação eterna para a qual fomos chamados por Deus. 

Eis a história de uma garotinha, cega de nascença. Nunca teve a oportunidade de ver as belezas desse mundo, como, por exemplo, as cores e formas que a natureza apresenta. Inúmeras vezes, com todo amor e carinho, a mamãe tentava descrever as coisas lindas do mundo para ela. Certo dia surgiu a oportunidade de realizar uma cirurgia nos olhos da garota. 

O procedimento foi bem sucedido. Chegou o momento de tirar as vendas dos olhos e ela, então, poderia finalmente ver sua mãe pela primeira vez. Ela correu para a janela e viu a imensa beleza do mundo. 

Depois de apreciar a imponente paisagem por alguns instantes, ela correu de volta para sua mãe, exclamando: “Mamãe, por que a senhora não me disse antes que isso tudo é tão maravilhoso!” A mamãe, secando suas lágrimas, respondeu: “Minha querida! Eu tentei descrever tudo, mas você não era capaz de entendê-lo!”

São poucos os cristãos que têm a visão da herança no Céu. As coisas para o corpo e as da terra são o mais importante e o principal para nós. Para a Bíblia, porém, as coisas celestiais e o futuro corpo espiritual são preponderantes. Somos abençoados “...com todas as bênçãos espirituais nas regiões celestiais em Cristo” (Ef. 1.3 – NVI)!


trecho do texto de 
Norbert Lieth



Se paz a mais doce me deres gozar...


Meu hino preferido é “Se paz a mais doce me deres gozar...”. Seu texto foi escrito por um homem de Chicago, chamado Horatio Spaf­ford. Ele era um advogado bem-sucedido até que o grande incêndio devastou Chicago. Para essa cidade a catástrofe do fogo representou o mesmo que a queda das Torres Gêmeas para Nova Iorque, apesar de ter tido causa natural e não ter sido provocada por terroristas. O escritório de advocacia de Spafford também sucumbiu às chamas. Nos dois anos seguintes, outros investimentos de Spafford deram errado e sua riqueza pessoal acabou.

Spafford havia prometido à sua família uma viagem à Europa. Mandou que sua esposa e suas quatro filhas viajassem enquanto ele tentava salvar alguns de seus investimentos. No dia em que o navio delas zarpou de Nova Iorque, o negócio que queria fechar não deu certo. Ele poderia ter viajado com elas, mas naquele momento não sabia disso. O Ville du Havre, navio em que viajava sua família, foi abalroado por outro navio no Oceano Atlântico e afundou em doze minutos. A senhora Spafford correu ao convés com suas filhas, mas enquanto o navio afundava as crianças foram arrancadas de seus braços e se afogaram. Ela perdeu a consciência e acordou em um barco de salvamento. Foi uma das poucas resgatadas das águas geladas. Quando o navio de socorro chegou à Europa, ela enviou ao seu marido um telegrama em que descrevia a tragédia com duas palavras muito expressivas: “Salva sozinha”.


Compare os problemas que você enfrenta com os de Horatio Spaf­ford. Seus prejuízos financeiros não eram nada se comparados à sensação de perda que deve ter sentido quando ficou sabendo da morte de suas filhas. Spafford foi imediatamente a Nova Iorque e tomou o primeiro navio para encontrar sua esposa. Certa noite, o capitão dirigiu-se a ele e disse que se encontravam perto do local onde o “Ville” naufragara. Como você teria reagido no meio de tanta dor? A reação de Horatio Spafford foi realmente admirável, e duas fontes históricas preservaram o registro do que se passou em seu coração nesse momento.
Em uma carta a sua irmã Rachel, ele descreveu seus sentimentos:

Na quinta-feira passamos perto do local onde (o navio) naufragou: no meio do oceano, a água tem 3 milhas de profundidade. Mas quando penso nas nossas pequenas queridas, não as vejo ali. Elas estão seguras e abrigadas, as queridas ovelhinhas, e em breve também estaremos lá. Nesse meio tempo, graças a Deus, temos a oportunidade de louvá-lO e de agradecer por Seu amor e Sua misericórdia por nós e pelos que amamos. “Eu O louvarei enquanto viver”. Que todos nos ergamos, deixando tudo e seguindo-O.
A mim impressiona sua profunda fé. A reação de Horatio Spafford também está descrita em um hino escrito nessa época. Na parede de meu escritório tenho uma cópia litográfica desse poema. A melodia que o acompanha foi composta mais tarde (por Philip Bliss). O texto foi escrito em papel de carta do hotel Brevoort House. Infelizmente, esse prédio não existe mais. Há marcas de dobras na folha, pelo visto muito manuseada e manipulada, pois as marcas aparecem nitidamente tanto na cópia litográfica como no original, exposto no American Colony Hotel em Jerusalém (Spaf­ford foi um dos fundadores da American Colony). As palavras da primeira estrofe são encontradas em nossos hinários quase exatamente como foram escritas:

Se paz a mais doce me deres gozar,
Se dor a mais forte eu sofrer,
Oh! seja o que for, Tu me fazes saber
Que feliz com Jesus sempre sou![1]

Fico impressionado com essas palavras grandiosas, mas como foi que Horatio Spafford podia ter tamanha confiança, tamanha fé e tão profunda esperança? Não consegui responder a essas perguntas até que observei mais atentamente a última estrofe. Foi ela que custou mais a Spafford. Em alguns lugares ele raspou palavras do antigo papel de carta e escreveu outras por cima. Substituiu completamente algumas linhas. É como se ele tivesse se esmerado de forma especial para encontrar as palavras certas para sua última estrofe. Que palavras Spafford escolheu?

And Lord, haste the day when my faith shall be sight,
The clouds be rolled back as a scroll,
The trump shall resound, and the Lord shall descend,
“Even so” – it is well with my soul.
Em português, essa estrofe foi traduzida livremente:

A vinda eu anseio do meu Salvador;
Em breve virá me levar
Ao céu, onde vou para sempre morar
Com remidos na luz do Senhor![1]
Por que Spafford manteve-se fiel à sua fé? Cada linha da última estrofe demonstra que seu olhar estava voltado para o futuro. Ele sabia que o Senhor reina e que um dia tudo ficará bem. Spafford iria rever suas filhas no céu, essa era sua convicção. Suas perguntas estariam respondidas. Deus enxugaria dos seus olhos toda lágrima. Sua esperança de futuro dava-lhe firmeza para viver no presente. Spafford alegrava-se com o Dia em que Jesus viria buscá-lo para o céu.

Mas a última estrofe continuava me intrigando. Spafford encerrou com a frase meio misteriosa (no original): “Even so – it is well with my soul”. Quando a li pela primeira vez, me parecia que Spafford queria dizer algo como: “Jesus voltará, sim, está bem”. Mas de repente reconheci o que não entendera até então. Analisei bem a última estrofe. Quando Spafford finalmente tinha formulado o verso como ele queria que ficasse, acrescentou a expressão “certamente”! 

Em toda a última estrofe Spafford alude a passagens e termos bíblicos relacionados com a volta de Cristo. “Certamente” é uma alusão a uma passagem bíblica, e ele esperava que seus leitores conhecessem e completassem o texto do penúltimo versículo do Apocalipse (Ap 22.20). Na versão King James em inglês, que Spafford usava, Jesus disse: “Surely I come quickly” – “Certamente, cedo venho”. 

E a resposta do apóstolo João foi: "Amen. Even so, come, Lord Jesus”“Amém. Ora vem, Senhor Jesus”.[2] Os leitores deveriam complementar esse verso, declarando sua confiança em Deus e testificando que Ele cumprirá Sua promessa de voltar e de levar Seus filhos aos céus, finalizando Seu programa para as eras. Conhecer essa verdade foi o que possibilitou a Spafford afirmar com toda a convicção: “Sou feliz com Jesus, meu Senhor!” 

Dr. Charles Dyer 
Charles Dyer: Decano do Moody Bible Institute, autor e especialista em História do Oriente Médio.
fonte "Chamada" 


Notas:
1.Cantor Cristão, hino 398.
2.Versão Almeida Corrigida Fiel (ACF). Sociedade Bíblica Trinitariana do Brasil.



quinta-feira, 21 de novembro de 2013

Se Pedro O amava

"...Aquele que me ama, será amado por meu Pai, e eu também o amarei e me manifestarei a ele." João 14.21

A pessoa que pratica a Palavra de Deus, que ama ao Senhor, entra na esfera do maravilhoso amor do Pai e do Filho, e o Pai e o Filho vêm à sua vida, e fazem morada em seu coração. 


Essa promessa que diz que o Senhor se manifesta àqueles que praticam a Sua Palavra, provando que O amam, vemos cumprida, por exemplo, logo após a ressurreição de Jesus. Naquele momento, aconteceu algo emocionante:

Jesus se revelou de uma maneira bem especial exatamente ao discípulo que mais havia fracassado por ter negado ao Senhor três vezes, mas que, apesar disso, O amava!

Justamente a Pedro o Senhor queria levar à perfeição. Por esse motivo, Jesus lhe perguntou três vezes:
"Simão, filho de João, tu me amas? Pedro entristeceu-se por Ele lhe ter dito, pela terceira vez: "Tu me amas? E respondeu-lhe: Senhor, tu sabes todas as cousas, tu sabes que eu te amo." 

Sempre que falamos sobre essa passagem bíblica, não devemos esquecer que aqui o Senhor não se refere ao pecado de Pedro, mas, sim, única e exclusivamente se Pedro O amava.

Wim Malgo 
 

quarta-feira, 20 de novembro de 2013

Como é simples o Evangelho do Senhor!


JESUS, o Pão da Vida, a Água, a Sua Palavra!
João 6.35 - João 3.5

elementos básicos, assim é o Evangelho, assim é o Senhor: a Verdade com simplicidade!

entretanto o homem (ser humano), tem complicado, tem inventado, tem "discutido" sobre interpretações...querendo prevalecer...

esquecendo que estamos em constante aprendizado até o final, afirmo:

como é simples o Evangelho do Senhor! 


                          ArleteOliveira-pazsejacontigo 




Caminho Exclusivo

Algumas pessoas acreditam que as religiões mundiais o islamismo, o cristianismo, o hinduismo, etc. são, apenas diferentes, mas igualmente boas, maneiras de adorar a Deus. Elas dizem que o hinduismo é o caminho de Deus para os orientais; que o islamismo é o caminho de Deus para os árabes; e que o cristianismo é o caminho de Deus para as civilizações ocidentais, etc.

Jesus, porém, disse: "Eu sou o caminho, a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai senão por mim" (João 14:6). 


Em outra ocasião, Jesus afirmou: "Se não crerdes que eu sou, morrereis nos vossos pecados" (João 8:24). Jesus enviou seus discípulos para pregar a todas as nações, ordenando a cada homem que se arrependa e obedeça ao evangelho (Mateus 28:18-20). 

Paulo disse que Deus ordena a todos os homens, em qualquer lugar, que se arrependam, porque o mundo será julgado por Jesus Cristo (Atos 17:30-31). 

O mínimo que pode ser dito é que Jesus declarou ser o caminho exclusivo da salvação para todas as pessoas, de todas as raças, em todas as nações. Você pode decidir rejeitar isto, mas já não crerá mais em Jesus, se fizer isso.

Realmente, se os homens pudessem ser salvos pelo islamismo, o hinduismo, o budismo, o taoismo ou qualquer outra coisa, Jesus não precisaria ter sido crucificado. 


O sacrifício de Cristo seria desnecessário, se um homem seguindo, cuidadosamente, os princípios do hinduismo pudesse ser salvo. Há um só Deus, um só Salvador, um só Senhor, um único caminho da salvação, um só evangelho, uma única esperança (veja Efésios 4:4-6). Muitas são as invenções e perversões dos homens.
 

por Gary Fisher

Os magos do Oriente

Vieram de longe em busca
 (Mateus 2:1-12)

Seja por causa dos mistérios envolvendo os homens ou pelos meios especiais pelos quais eles foram trazidos a Cristo, os magos eram dos mais fascinantes entre aqueles que saudaram o Salvador.

Nossa visão mais próxima desta espécie de homens pode ser encontrada em Daniel, quando os astrólogos e os feiticeiros eram apontados à vergonha ao serem comparados com aqueles cuja confiança estava na genuína revelação de Deus. Ainda mais, tais religiões falsas e inadequadas poderiam ser usadas por Deus para apontar aos homens a direção certa.

Os magos observavam a natureza, e Deus apontava a eles as Escrituras, que lhes apontavam a Cristo.


Sem a revelação da palavra de Deus, estes homens não poderiam mesmo chegar ao Rei que havia nascido para salvar os homens. 

Outras passagens demonstram a sabedoria do Senhor ao trazer homens de tão "longe" para a completa revelação da Verdade (examine o Salmo 19; Romanos 1:16-20; Atos 17:24-31).
 

DennisAllan 

segunda-feira, 18 de novembro de 2013

Bíblia Sagrada, A Palavra de Deus


A Bíblia contém
a mente de Deus, 
o estado do homem, 
o caminho da salvação, 
a recompensa dos santos e 
o julgamento dos pecadores. 

Suas histórias são verdadeiras,  
suas doutrinas sagradas, 
seus preceitos determinantes. 

Ela contém luz para guiá-lo, 
alimento para sustentá-lo, 
conforto para animá-lo. 

Ela é o mapa do viajante, 
o cajado do peregrino, 
a bússola do piloto, 
a espada do soldado e 
o manual do cristão. 

A Bíblia é um rio de prazer, 
uma mina de riqueza, 
um paraíso de glória. 

Leia-a para ser sábio, 
creia nela para estar seguro e
pratique-a para ser santo.

 (autor desconhecido)



Esqueça o passado, prossiga para o prêmio prometido!

"...as coisas antigas já passaram..."

Contrastando com esta idéia, Paulo esquecia-se do passado e prosseguia para o prêmio prometido (Fp 3.13-14) a todos quantos amam a vinda de Cristo (2 Tm 4.7-8). 

As conseqüências do passado são insignificantes se os cristãos são verdadeiramente novas criaturas, para quem "as coisas antigas já passaram; eis que se fizeram novas" (2 Co 5.17)

Investigar o passado de alguém a fim de achar uma "explicação" para o seu comportamento atual choca-se com o ensino completo das Escrituras. 

Se bem que possa parecer uma ajuda por algum tempo, na realidade, está tirando da pessoa a solução bíblica através de Cristo. O que importa não é o passado, e sim o nosso relacionamento pessoal com Cristo agora.

por Dave Hunt 

 

quinta-feira, 14 de novembro de 2013

O amor mútuo exige sacrifício mútuo

O amor no casamento encontra o significado real da vida ao submergir uma pessoa na promoção do bem-estar de outra. Cristo, nosso exemplo, nunca exigiu nada para seu próprio prazer. Sua vida era devotada aos outros. Desde que parceiros casados tirem sua maior satisfação do cuidado de dar felicidade, paz e realização um ao outro, seu casamento florescerá em contentamento.

Alguém disse, "Depois que você se casar, não seguirá mais suas preferências. Você deixa a janela aberta quando preferiria tê-la fechada; você assiste ao programa de televisão do outro; você abaixa a música quando gostaria que ficasse alta. Amar é fazer coisas para outra pessoa. Você ama seu esposo ou esposa mais do que a si mesmo e, em conseqüência, você se submete voluntariamente aos desejos dele ou dela."

Os maridos não estão autorizados a subjugar suas esposas, mas as esposas têm que se submeter (sujeitar-se). Por outro lado, se o esposo ama sua esposa "como Cristo ama a igreja" sua menor exigência será uma tarefa fácil que ele desempenhará alegremente. 


O amor mútuo exige sacrifício mútuo.

A beleza da submissão entre cristãos é que ela tende a ser contagiosa. Isto deve ser mais verdadeiro no casamento do que em qualquer outra situação. A maior aproximação do céu na terra ocorre quando duas almas se rivalizam uma com a outra no desprendimento.

por Roland H. Lewis



Amor: o adesivo divino

O apóstolo Paulo descreveu o manto de Cristo que deveria envolver as vidas de todos os santos (Colossenses 3:12-15). "Acima de tudo isto, porém, esteja o amor, que é o vínculo da perfeição." O amor é a qualidade que traz consigo todos os outros atributos num único propósito.

No matrimônio, o amor é a cola que liga um homem e uma mulher como se fossem um só, e faz com que eles se adiram um ao outro quando outras forças estiverem atuando para separá-los. 


O amor que mantém intacto um matrimônio não é limitado ao sentimento meloso e exagerado que aflora através das veias de um rapaz adolescente e faz com que suas bochechas brilhem e seus joelhos tremam quando aquela moça especial lhe fazer uma pergunta na aula de álgebra. 

Nem o amor é o erotismo intenso que está sendo inculcado às massas como se fosse amor. 

O amor que mantém um matrimônio é um amor aprendido com Deus, que mergulha suas raízes profundamente no coração e muda tanto sentimentos como comportamento.

Quando o Espírito Santo nos ensinou sobre este tipo de amor, ele não passou muito tempo explicando como se sente este amor. Em vez disso, Ele delineou meticulosamente para nós o comportamento do amor (1 Coríntios 13:4-8): "O amor é paciente, é benigno; o amor não arde em ciúmes, não se ufana, não se ensoberbece, não se conduz inconvenientemente, não procura os seus interesses, não se exaspera, não se ressente do mal; não se alegra com a injustiça, mas regozija-se com a verdade; tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. O amor jamais acaba." 


Esposos e esposas precisam chegar a entender que Deus não falou meramente como nos deveríamos sentir um para com o outro; o Senhor nos conduziu em nosso comportamento um para com o outro.

 por David Thomley 



Tipos diferentes de mentes (corações)

É verdade que as pessoas têm tipos diferentes de mentes. Estas diferenças são devidas à herança e ao ambiente. Estas mentes desejam tipos diferentes de religiões, tipos diferentes de atividades mentais. 


Dizem que não é a missão do evangelista atormentar aqueles de mentes e necessidades diferentes a aceitarem algo que não querem. Isso é verdade. Já aconteceu antes, e o resultado tem sido membros meio-convertidos. No entanto, há uma tendência de levar esta idéia longe demais e usarmos como uma desculpa para não tentarmos converter interessados improváveis. 

Em outras palavras, apenas converter as almas que “caem do céu”. Mas lembre-se que em Mateus 13 havia tipos diferentes de corações (mentes) e apenas um tipo de mente deu frutos verdadeiros. 

Apesar disso, a semente foi semeada para todos os corações. O coração que precisava e sabia que precisava da palavra e que a aceitou era o coração que deu frutos. Os outros corações, no fim, foram rejeitados.

Esta é a maneira que devemos proclamar o evangelho hoje. “E disse-lhes: Ide por todo o mundo e pregai o evangelho a toda criatura. Quem crer e for batizado será salvo; quem, porém, não crer será condenado” (Marcos 16:15-16).


Também vamos tomar cuidado em falar sobre o tipo de mente que precisa da religião bíblica para não deixarmos a impressão de que não tem problema se precisarmos dela, assim como não tem problema se não precisarmos dela. Não devemos dar a impressão de que, se a pessoa, por acaso, não tenha a herança e o ambiente certo para criar o tipo certo de disposição mental, então a conversão é impossível. 

Atitudes podem mudar. Afinal, não é disso que a conversão trata?

–por Bob Waldron


quarta-feira, 13 de novembro de 2013

Eu aguardo, dia após dia, o nosso Salvador, e você?

Sinais dos Tempos
A Bíblia apresenta profecias detalhadas sobre o período de sete anos da Tribulação. Para dizer a verdade, os capítulos 4-19 do Apocalipse oferecem um detalhado esboço seqüencial dos principais personagens e eventos daquele período.  [...]

Há sinais dos tempos que indicam estarmos provavelmente próximos do momento em que a Tribulação terá seu início.

Muitos outros sinais poderiam ser considerados. É evidente que hoje em dia vemos os principais personagens do fim dos tempos sendo preparados para seu futuro papel durante a Tribulação, a despeito de tudo o que os críticos digam.
 Contudo, antes que se abram as cortinas, a Igreja subirá para as nuvens no Arrebatamento

Muito mais do que estar à procura de sinais dos tempos, eu aguardo, dia após dia, o nosso Salvador, que voltará a qualquer momento. E você? Maranata! 

Thomas Ice