As boas obras, para o Senhor

Tito 3:1-15

Nossa conduta para com as autoridades e para com todos os homens deve ser, necessariamente, um contraste com o que "outrora éramos" antes de nossa conversão. 


Esta lembrança de nosso triste estado de outrora é apropriada para que manifestemos "toda cortesia, para com todos os homens" (v. 2; Filipenses 4:5). Longe de nos posicionar acima deles, podemos convidá-los, por nosso próprio exemplo, a aproveitar a mesma graça que nos regenerou.

Esta epístola menciona seis vezes as boas obras (Tito 1:16; 2:7 e 14; 3:1, 8 e 14). 

Sob o pretexto de que elas não têm nenhum valor para a salvação (v. 5), corremos o risco de subestimar sua importância e somos envergonhados pelas obras de outros cristãos menos instruídos em outros pontos da doutrina. Pelo contrário, precisamos ser "solícitos na prática de boas obras" (v. 8), com dupla finalidade:

em primeiro lugar, a fim de que elas sejam proveitosas aos homens (v. 8); 
e por último, a fim de não nos tornarmos "infrutíferos" (v. 14). 

O Senhor se compraz em produzir este fruto na vida dos Seus. É Ele quem também aprecia o valor deste fruto. Uma obra só é boa feita para Ele. Se Maria tivesse vendido o seu perfume para proveito dos pobres, teria feito uma boa obra aos olhos do mundo, mas, ao derramá-lo aos pés do Senhor, ela soube fazer uma boa obra para com Ele (Mateus 26:10).

do Guia Devocional



Nenhum comentário:

Postar um comentário

seu comentário sempre é bem-vindo!