Advento: O tempo da preparação

Nestes dias de Advento, antes do Natal, muitas coisas ainda precisam ser preparadas. Por toda parte há muito para se fazer e terminar. De maneira geral, as semanas do Advento deveriam ser dias de meditação e reflexão. Mas acontece justamente o contrário.
 

Realmente é impressionante a intensa atividade antes do Natal.

Não me refiro somente aos esforços deste mundo com as muitas decorações natalinas, cheias de brilho e de luz, para vender o máximo possível. Mas observe por um momento o seu próprio lar e o seu local de trabalho. O que você vai encontrar ali?

Inusitada atividade, muito trabalho e muitas coisas que ainda precisam ser feitas. Por que há tanta agitação nestas semanas antes do Natal, que deveriam ser de calma e reflexão? Porque na noite do dia 24 pretende-se ter tudo pronto e preparado para festejar o Natal com a família, sem mais correrias.

Tudo isso se aplica também ao Advento no Plano de Salvação, no qual nos encontramos hoje. Pois, da mesma maneira como se avalia erradamente o tempo de Advento antes do Natal, muitas vezes também não se avalia corretamente o Advento no Plano de Salvação. 

Muitos pensam que esta época deve ser comemorada em paz, quietude e reflexão. Mas esse período também exige muito trabalho e preparação. É isso que o Advento no Plano de Salvação exige de cada um de nós, filhos de Deus! 

Mas é doloroso perceber que muitos não notam que hoje nos encontramos no último trecho do caminho. Já é tempo de nos darmos conta de que o Advento no Plano de Salvação exige tudo de nós e realmente devemos nos preparar com toda a presteza para a iminente vinda de nosso Senhor Jesus Cristo!

Mas como devemos nos preparar? 

Nesse contexto, pensei num relato em 2 Reis. Ali se fala de uma mulher que sempre convidava o profeta Eliseu para as refeições. Acerca dela lemos em 2 Reis 4.9-10:"Ela disse a seu marido: Vejo que este que passa sempre por nós é santo homem de Deus. Façamos-lhe, pois, em cima, um pequeno quarto, obra de pedreiro, e ponhamos-lhe nele uma cama, uma mesa, uma cadeira e um candeeiro; quando ele vier à nossa casa, retirar-se-á para ali."

Esta mulher esperava o profeta Eliseu e preparou-se convenientemente para a sua chegada. Primeiro, junto com seu marido, ela preparou um quarto para ele. Que figura gloriosa do espaço que devemos dar ao Senhor em nossa vida! 

Ele realmente tem recebido tudo o que merece em sua vida? Justamente agora, neste Advento no Plano de Salvação, faz parte dos preparativos mais importantes realmente darmos todo o espaço ao Senhor!

Além disso, essa mulher (com a ajuda do seu marido) colocou uma cama para o profeta no quarto. Com isso ela quis dizer: "Eliseu, não fique apenas uma noite, mas fique sempre conosco!" Você também tem dito sempre a Deus: "Senhor, eu nunca mais quero viver sem Ti. Fica sempre comigo"?

O casal também colocou uma mesa e uma cadeira no quarto. Isso indica: "Eliseu, também trabalhe conosco!" Se você deu ao Senhor todo o espaço que Ele merece, também deveria permitir que Ele trabalhe em seu coração! Você está disposto a isso?

Por fim, a mulher ainda colocou um candeeiro no quarto, o que dá a entender: "Eliseu, fique conosco também quando vem a noite". Justamente hoje – neste Advento no Plano de Salvação – é extremamente necessário reconhecer que este mundo ficou muito escuro. Por isso, peça ao Senhor, insista com Ele, para ficar com você. 

Diga-Lhe como disseram outrora os discípulos de Emaús: "Fica conosco, porque é tarde, e o dia já declina" (Lc 24.29a). Fazendo isso, você estará se preparando para a iminente vinda do Senhor, que lhe diz: "Bem-aventurados aqueles servos a quem o senhor, quando vier, os encontre vigilantes; em verdade vos afirmo que ele há de cingir-se, dar-lhes lugar à mesa e, aproximando-se, os servirá" (Lc 12.37). 

Marcel Malgo



Advento: O tempo da espera

Sabemos muito bem por que nestes dias as crianças vivem numa espera tão ansiosa: por causa dos presentes e doces que receberão. Aliás, essa ansiedade também acontece com muitos adultos.

Mas, seja como for, o fato é que o tempo do Advento é caracterizado pela espera.

Por isso, muitos filhos de Deus também almejam novas bênçãos justamente neste tempo do Advento. Isso é perfeitamente correto, sobretudo porque no tempo do Advento vivemos em direção ao Natal. Almejamos um ponto culminante, e quando ele acontece esperamos um novo fortalecimento para nossa vida espiritual. 

Esperamos que o nascimento de Jesus Cristo, que aconteceu há quase dois mil anos, torne-se tão novo e real para nós que disso resulte um novo proveito interior. Desfrutaremos desse proveito se tivermos a posição correta em relação à festa de Natal. 

Ao mesmo tempo, porém, não precisamos apenas pensar em bênçãos que já recebemos – por exemplo, por ocasião do último Natal –, mas podemos almejar bênçãos ainda maiores e melhores. Pois a verdadeira espera sempre tem relação com o desejo de possuir mais do que se tem no momento. Com toda a certeza, nesta questão também podemos esperar pela fé, com ousadia, por mais do que já temos recebido.

A respeito, vamos lembrar um exemplo de tempos antigos: o rei Amazias de Judá preparou-se para a guerra contra os homens de Seir. Ele passou em revista 300.000 homens escolhidos de Judá (2 Cr 25.5)."Também tomou de Israel a soldo cem mil homens valentes por cem talentos de prata" (v.6). Mas um homem de Deus veio a ele dizendo-lhe que perderia a guerra se não mandasse de volta para casa esses mercenários (v.7-8). 

Amazias estava perfeitamente disposto a mandá-los novamente para casa, mas preocupou-se com os cem talentos de prata já pagos: "Disse Amazias ao homem de Deus: Que se fará, pois, dos cem talentos de prata que dei às tropas de Israel?" (v.9a). A maravilhosa resposta foi: "Muito mais do que isso pode dar-te o Senhor" (v.9b). Em outras palavras: "Amazias, esses cem talentos de prata são valiosos – mas o que é isto para o Senhor?! Ele pode lhe dar muito mais; espere somente nEle."

Da mesma maneira, também podemos viver nessa ansiosa expectativa, principalmente porque podemos esperar novas e maiores bênçãos, olhando para o Filho de Deus, que veio para esta terra há quase dois mil anos.

Mas voltemo-nos novamente para o futuro e perguntemo-nos: o Advento do Plano de Salvação também é caracterizado por expectativas? 

Com certeza. Pois no fim deste tempo do Advento esperamos Jesus Cristo em pessoa. Filipenses 3.20 nos diz de maneira maravilhosa: "Pois a nossa pátria está nos céus, de onde também aguardamos o Salvador, o Senhor Jesus Cristo". E em Tito 2.13 está escrito:

"Aguardando a bendita esperança e a manifestação da glória do nosso grande Deus e Salvador Cristo Jesus." Ou pensemos numa outra grandiosa esperança, da qual fala Pedro: "Nós, porém, segundo a sua promessa, esperamos novos céus e nova terra, nos quais habita justiça" (2 Pe 3.13). O Advento no Plano de Salvação é marcado por grandiosas esperanças!

Mas por que, então, vivemos geralmente como se não partilhássemos dessa expectativa maravilhosa, mesmo sabendo que já estamos bem adiantados no Advento do Plano de Salvação? 

Vamos ver isso através dos exemplos de duas pessoas que nos mostram literalmente o que significa viver em atitude de espera no Advento do Plano de Salvação: Simeão e Ana. Ambos moravam em Jerusalém e ali esperavam pela primeira vinda do Messias: "Havia em Jerusalém um homem chamado Simeão; homem este justo e piedoso que esperava a consolação de Israel; e o Espírito Santo estava sobre ele... Movido pelo Espírito, foi ao templo; e, quando os pais trouxeram o menino Jesus... o tomou nos braços e louvou a Deus, dizendo: Agora, Senhor, podes despedir em paz o teu servo, segundo a tua palavra; porque os meus olhos já viram a tua salvação... Havia uma profetisa, chamada Ana, filha de Fanuel, da tribo de Aser... Esta não deixava o templo, mas adorava noite e dia em jejuns e orações. E, chegando naquela hora, dava graças a Deus e falava a respeito do menino a todos os que esperavam a redenção de Jerusalém" (Lc 2.25-38).

Essas duas pessoas – antes de terem visto o menino – viviam literalmente no Advento do Plano de Salvação, pois esperavam a primeira vinda do Senhor, como nós esperamos pela Sua segunda vinda. Por isso, justamente elas são o melhor exemplo para nós no que se refere à questão do que é a esperança do Advento no Plano de Salvação.

Para responder a essa pergunta, só precisamos destacar duas características dessas duas pessoas. Do velho Simeão lemos: "...homem este justo e piedoso que esperava a consolação de Israel" (v.25a), e da profetisa Ana: "...Esta não deixava o templo, mas adorava noite e dia em jejuns e orações" (v.37). 

A força dessas duas pessoas consistia delas não apenas esperarem pelo Senhor, mas de cultivarem, cuidarem e alimentarem sua expectativa. Por isso, o seu anseio pelo Senhor era ardente e genuíno. 

Simeão não somente esperava pela "consolação de Israel", pois ao mesmo tempo ele era "justo e piedoso." Dessa maneira ele alimentava a sua espera. A profetisa Ana "...não deixava o templo, mas adorava a Deus... dia e noite." Assim ela cuidava da sua espera e a mantinha ardente e viva.

Por que, entretanto, a expectativa de muitos ainda é tão morna, embora também vivam no Advento do Plano de Salvação? A razão está no fato de não alimentarem esse anseio em seu íntimo. Por isso, o fogo da espera quase se apaga, quase se extingue, porque não se alimenta essa chama. Assim, não é de admirar que quase não se sinta mais nada a respeito.

Portanto, será que não está na hora de começar a alimentar e avivar a espera em seu coração, para que ela passe a ser novamente ardente?

Talvez você até precisa ir para a UTI espiritual, ou seja, começar a ocupar-se com Jesus de uma maneira totalmente nova e, talvez pela primeira vez, a pensar em Sua iminente volta. Comece desde já! Pois somente assim o seu anseio no Advento do Plano de Salvação se renovará, ficará forte e cheio de expectativa. 

Somente assim você se tornará um cristão ansioso pela volta do Senhor, porque nutrirá grandes esperanças por esse glorioso dia. Afaste seus olhos de todas as coisas temporais, de tudo aquilo que nos cerca aqui, porque a glória que nos espera na Eternidade não pode ser comparada com nada neste mundo. Pois então se cumprirá integralmente o que o homem de Deus disse a Amazias: "Muito mais do que isso pode dar-te o Senhor." Mas a escolha é sua. 

Você pode avivar essa espera até à paixão ardente, se começar a alimentá-la e cultivá-la. Portanto, ocupe-se muito, ocupe-se intensamente com Jesus e com Sua palavra, com Sua iminente volta – e você verá que um grande anseio se acenderá em seu coração!

Marcel Malgo



Advento: O tempo da alegria antecipada


Naturalmente o tempo da alegria antecipada no Advento tem diferentes aspectos. Mas para nós, filhos de Deus, trata-se em primeiro lugar da grande alegria – do nascimento de Jesus! 

Realmente temos razão para nos alegrar, pois está escrito no livro do profeta Isaías, onde é prometido o Príncipe da Paz: "O povo que andava em trevas viu grande luz, e aos que viviam na região da sombra da morte, resplandeceu-lhes a luz. Tens multiplicado este povo, a alegria lhe aumentaste; alegram-se eles diante de ti, como se alegram na ceifa e como exultam quando repartem os despojos" (Is 9.2-3). 


Certamente está claro para cada um de nós, como filhos de Deus, que o Natal é a festa da alegria e justamente por isso podemos nos alegrar de todo o coração no tempo do Advento.

Se o tempo do Advento que se repete a cada ano já nos enche com tanta alegria por nos recordarmos da primeira vinda de nosso Senhor, o Advento do Plano de Salvação – o tempo de expectativa pela Sua segunda vinda – não deveria nos encher de muito mais alegria? 

Vivemos hoje num momento avançado do Advento do Plano de Salvação, e esperamos que a volta do Senhor não demore. Será que nos alegramos com isso? 

Nossos corações exultam tanto em relação à iminente segunda vinda de nosso Salvador como em relação à próxima festa do Natal? 


Se não for assim, somos semelhantes a pessoas das quais Paulo diz em 1 Coríntios 15.19: "Se a nossa esperança em Cristo se limita apenas a esta vida, somos os mais infelizes de todos os homens."

Certamente a vida com Cristo aqui na terra pode proporcionar muitas vezes um antegosto do céu, mas está longe de ser o próprio céu. O melhor ainda está por vir! E deveríamos finalmente começar a nos alegrar de todo o coração com isso!

Por que, afinal, alegramos-nos tão pouco pelo céu? 


Porque pouco ou nada nos ocupamos com ele. Quando alguma coisa nos interessa e nos envolvemos com ela, por exemplo, com um hobby especial, essa ocupação nos satisfaz. Exatamente o mesmo acontece com o céu. Se neste tempo do Advento do Plano de Salvação, no qual vivemos agora, nos ocupássemos mais com o céu, a nossa alegria antecipada também seria muito maior!

O Senhor Jesus disse: "Porque, onde está o vosso tesouro, aí estará também o vosso coração" (Lc 12.34). Com isso Ele quer nos dizer que essas duas coisas não podem ser separadas. 

Onde está o nosso coração, ali também estão as coisas com que mais nos ocupamos; e onde estiverem essas coisas, também estará sempre o nosso coração. Portanto, ocupe-se intensamente com aquilo que ainda virá. Direcione o seu coração intensivamente para o céu, pois então ele se tornará um tesouro para você!

 Isso lhe dará a verdadeira alegria antecipada, que é tão importante neste tempo de Advento do Plano de Salvação. Por isso: "Alegrai-vos no Senhor, e regozijai-vos, ó justos; exultai, vós todos que sois retos de coração" (Sl 32.11) – pois nosso Senhor virá em breve!


por Marcel Malgo

O tempo de Advento [significado]



"O povo que andava em trevas viu grande luz, e aos que viviam na região da sombra da morte, resplandeceu-lhes a luz."



A palavra "advento" significa literalmente "vinda, chegada". O período do Advento abrange os quatro últimos domingos antes do Natal, que dão início ao chamado ano litúrgico. Ele sempre começa no Primeiro Domingo do Advento e se estende até o fim de novembro do próximo ano. Naturalmente trata-se apenas de uma tradição eclesiástica. Além disso, sabemos que o nascimento de Jesus não ocorreu no dia 25 de dezembro. Na verdade, a comemoração do Natal passou a ser algo rotineiro, destituído do verdadeiro significado, e é cada vez mais comercial.

Quando o ano está chegando ao fim, começa o tempo de expectativa para a comemoração da primeira vinda de nosso Senhor Jesus Cristo. 

Mas não devemos esquecer que também quanto ao Plano de Salvação encontramo-nos no tempo do Advento, atualmente mais do que nunca! Estamos hoje no período em que rumamos claramente em direção ao dia da segunda vinda do Senhor. Bem-aventurados aqueles que vivem conscientemente também neste tempo de Advento do Plano de Salvação, pois o Senhor diz deles: "Bem-aventurados aqueles servos a quem o Senhor, quando vier, os encontre vigilantes; em verdade vos afirmo que ele há de cingir-se, dar-lhes lugar à mesa e, aproximando-se, os servirá" (Lc 12.37). Que palavras grandiosas!

Afinal, o que faz com que o tempo de Advento seja tão especial? Há nele três coisas importantes:

– o tempo da alegria antecipada
– o tempo da espera
– o tempo da preparação

[continua]

por Marcel Malgo





É maravilhoso, o presente da adoção

É maravilhoso não ter mais de encarar a Deus como juiz; recebê-lO ou tê-lO como Pai é insuperável.

“Porque não recebestes o espírito de escravidão, para outra vez estardes com temor, mas recebestes o espírito de adoção, pelo qual clamamos: Aba, Pai! O Espírito mesmo testifica com o nosso espírito que somos filhos de Deus; e, se filhos, também herdeiros, herdeiros de Deus e co-herdeiros de Cristo; se é certo que com ele padecemos, para que também com ele sejamos glorificados” (Rm 8.15-17).

É maravilhoso não ter mais de encarar a Deus como juiz; recebê-lO ou tê-lO como Pai é insuperável. 

Lemos freqüentemente a respeito de celebridades que adotam crianças do Terceiro Mundo. Muitos o fazem por amor ao próximo, por terem os meios financeiros, mas certamente há entre eles também os que querem apenas se manter no noticiário e melhorar a sua imagem. Deus o faz porque realmente ama você!

É quase incompreensível, mas verdadeiro: como filhos e herdeiros de Deus, os pecadores salvos estão mais próximos de Deus do que os próprios anjos. Na verdade, os anjos anseiam por contemplar a salvação, o Evangelho da redenção dos filhos de Deus (1 Pe 1.12). Os anjos são espíritos ministradores a serviço dos filhos de Deus (Hb 1.14).


por Norbert Lieth




Deus nos dá certificado de indulto

“Portanto, agora nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus. Porque a lei do Espírito da vida, em Cristo Jesus, te livrou da lei do pecado e da morte. Porquanto o que era impossível à lei, visto que se achava fraca pela carne, isso fez Deus enviando o seu próprio Filho em semelhança da carne do pecado, e por causa do pecado, na carne condenou o pecado” (Rm 8.1-3).

Deus nos dá um certificado de indulto! 

A carne não consegue cumprir a lei. A fraqueza da nossa vida e do nosso corpo nos torna incapazes de viver de forma a nos tornarmos justos diante de Deus. Somos, por natureza, condenados à perdição e caminhamos em direção a ela.

Todo indivíduo possui o medo inato de um dia estar diante de Deus para ser condenado. Por isso, uns tentam eliminá-lO, outros tentam apagá-lO de seus pensamentos, esquecê-lO para não lembrar dEle – algo que ninguém até hoje conseguiu e que ninguém nunca conseguirá fazer.

Há um caminho melhor: podemos receber agora a absolvição e a garantia de que não precisaremos comparecer diante do trono de juízo de Deus. Nosso Advogado, o Senhor Jesus Cristo, providenciou isto. Ele penetra na sua prisão e lhe entrega o certificado do indulto completo.

Nosso corpo nos leva ao fracasso pela transgressão da lei de Deus, mas a transgressão fracassou no corpo de Jesus Cristo (Rm 6.6; 1 Pe 2.24)! Como o pecado foi condenado em Seu corpo santo e justo, o pecador crente em Jesus Cristo não está mais condenado e perdido.

por Norbert Lieth



O chamado é o começo de tudo.

O chamado é o começo de tudo. Podemos pensar que ele acontece no momento da conversão ou também após At. 9:3-9. 

De qualquer forma, é uma experiência marcante e decisiva que muda nossa vida e nossa trajetória. 

Há alguns casos bem conhecidos na Bíblia como José, Abraão, Moisés, Isaías dentre outros.

Em todos esses casos houve uma mudança radical na vida e trajetória dessas pessoas, ou seja,

1. eles nunca mais foram os mesmos. 
2. seus destinos foram determinados pelo Senhor Deus.
3. suas vidas obedeceram um programa divino - Rom. 8:30

Novamente, chama-nos a atenção a pessoa de Jesus. Ele tinha muito clara a visão do seu chamado, a ponto de dizer “minha comida e minha bebida é fazer a vontade do meu pai que está no céu”.

De fato, o chamado de Deus para nós, torna-se a razão da nossa vida... II Cor 5:14-15; I Cor. 10:31

_____________por Adhemar de Campos



Jesus Cristo é o modelo de tudo!



Deus criou todas as coisas com um propósito específico. No livro de Gênesis encontramos a expressão, “o maior para governar o dia, e o menor para governar a noite”, referindo-se ao sol e a lua. 


Gên. 1:16 Por fim, criou o homem à sua própria imagem e semelhança, estabelecendo também um propósito bem específico para “aquilo” que poderíamos chamar de a obra prima da criação.


Passado o triste episódio do pecado e com advento do Messias prometido, o homem é devolvido à condição original, só que agora à semelhança do Cristo, acerca de quem o apóstolo Pedro declarou, “ele deixou-nos o exemplo para que sigamos suas pisadas...” I Pe 2:21 

Portanto, Jesus é o modelo de tudo o que Deus quer sejamos. Devemos imitar ao Senhor em tudo.

Agindo assim, estaremos cumprindo o propósito criacional divino.


por Adhemar de Campos





Quem é nosso adversário na batalha espiritual?

Em Apocalipse 12.9, o inimigo é descrito da seguinte maneira: "...o grande dragão, a antiga serpente, que se chama Diabo e Satanás, o sedutor de todo o mundo..." 

Ele é o acusador, que nos acusa de dia e de noite diante de Deus. 

Com olhar maligno ele nos observa em tudo que fazemos ou deixamos de fazer e se empenha ao máximo para poder nos acusar constantemente diante de Deus.

A tática de Satanás é a mesma de sempre: primeiro ele faz com que pequemos com facilidade, e depois torna o perdão muito difícil.

A situação de muitos crentes hoje em dia não é nada fácil. 

No mundo espiritual estão acontecendo muitas coisas, pois Jesus voltará em breve. Por isso também sentimos o aumento das tribulações em nosso espírito. A maldade dos tempos finais aumenta, e esses ventos também chegam às portas dos cristãos. 

Muitos têm se queixado de depressão, melancolia, estado de irritação e desânimo – outros sentem-se cansados, miseráveis e não têm mais capacidade para nada. As acusações mútuas, assim como as auto-acusações, têm aumentado. Muitos estão prestes a resignar. 

As tentações de todo tipo quase não podem ser mais superadas. Tudo isso acontece porque o Senhor virá em breve, e a influência demoníaca em nosso mundo tem aumentado.

O caminho da vitória

Justamente diante das crescentes tribulações em nossos dias, é necessário vencer triunfalmente o inimigo no dia-a-dia. Em Apocalipse 12.11 nos é mostrado claramente o caminho tríplice para isso: "Eles, pois, o venceram por causa do sangue do Cordeiro e por causa da palavra do testemunho que deram e, mesmo em face da morte, não amaram a própria vida".


mensagem de Norbert Lieth

O Senhor Jesus nunca irá desistir de procurá-los e de amá-los.




Jesus respondeu e disse-lhe: Se tu conheceras o dom de Deus e quem é o que te diz: Dá-me de beber, tu lhe pedirias, e ele te daria água viva (João 4:10).

Cristo busca também aquelas pessoas que desceram ao nível mais baixo da degradação humana. Observemos o Senhor junto ao poço de Jacó, em Samaria. Cansado da viagem, Ele sentou-se para descansar. Chegou, então, uma mulher que veio para apanhar água em uma hora incomum do dia.

Mas o Senhor Jesus não a tratou como talvez seus vizinhos a tratassem: com desprezo. Ele demonstrou interesse por ela. Na verdade, Ele tomara aquele caminho por causa dela.

Ele pediu-lhe água para beber. Ela se surpreendeu por Ele ignorar a antiga rivalidade entre samaritanos e judeus. Mas a conversa tomou um rumo diferente: ela aparentemente nunca Lhe serviu a água, pois estava fascinada pelas palavras do Senhor Jesus.

“Se tu conheceras o dom de Deus.” Ela jamais ouvira isso antes. Ele sabia o que aquela mulher mais necessitava; o dom de Deus, a água viva. Em outras palavras, um tipo de vida que ela nunca experimentara.

Ainda hoje, Jesus Cristo, o Salvador do mundo, pode mudar radicalmente a vida não só dos párias da sociedade, mas de todo aquele que está dominado pelo pecado. Ele fala amorosamente aos que O recebem como o Dom de Deus, não importa quem sejam. Eles significam tanto para o Filho de Deus que o Senhor Jesus nunca irá desistir de procurá-los e de amá-los.

de 'Boa Semente/Devocional2012'






O Amigo da família!


E aconteceu que, indo eles de caminho, entrou Jesus numa aldeia; e certa mulher, por nome Marta, o recebeu em sua casa (Lucas 10:38)


Se o Senhor Jesus tivesse desaprovado a idéia de uma família cristã, Ele não poderia ter estado em Betânia, como vemos que esteve. E quando o observamos ali, mais um aspecto de sua beleza moral se revela. 


Ele é o Amigo da família, em cuja casa Se sente à vontade. Prova disso são as palavras: “Jesus amava a Marta, e a sua irmã, e a Lázaro” (João 11:5). O Seu amor por eles não era o de Salvador, ou de Pastor, embora Ele fosse ambas as coisas. Era o amor de um Amigo da família.


Porém, apesar de Amigo, Amigo íntimo, que poderia fazer o que quisesse ali, Ele não interferiu no andamento da casa. Marta era a dona de casa, sempre ocupadíssima, desempenhando um papel importante e vital. O Senhor Jesus certamente a deixaria onde ela estava; Ele não alteraria ou se intrometeria em tais questões.


Lázaro talvez sentou ao lado dos convidados à mesa da família. Maria assentada aos pés do Senhor Jesus; Marta estava ocupada, servindo a todos. O Senhor Jesus deixou as coisas como as encontrou. Ele não entraria na casa de outrem, nem mesmo na de Seus amigos, de maneira inconveniente. Que fantástico!


O Senhor Jesus, sendo Deus, agiu com todo respeito para com aquela casa e para com os que ali se encontravam. Ele não impôs Sua presença, não exigiu nada, não deu ordens nem fez exigências. Como sempre, foi humilde, manso e amoroso. Que isso nos sirva de exemplo!

Boa Semente/Devocional2012



“Em Cristo”, é a resposta.

“...vos conceda espírito de sabedoria e de revelação no pleno conhecimento dele” (Ef 1.17).  “...vos dê em seu conhecimento o espírito de sabedoria e de revelação...” (ACF).

Quanto mais profunda e íntima for a comunhão com uma pessoa, mais determinante isso será sobre o nosso pensar e nosso agir.

Alguns acham que precisamos apenas ter mais autoconhecimento. Não! Precisamos primordialmente mais conhecimento de Deus. Quanto melhor conhecermos a Deus, quanto mais nos observarmos à Sua luz tanto mais alcançamos em autoconhecimento e reconhecimento de nossos pecados.


É terrível quando pessoas não têm consciência do pecado, pois isso é um sinal de que ainda não reconheceram a Deus.Qual é o máximo e mais profundo conhecimento de Deus que podemos alcançar? É o conhecimento de Cristo. Este é, pois, o que importa. 

Alguém, certa vez, disse: “Não podemos estar mais próximos de Deus do que quando estamos nEle”. Deveríamos ser capazes de poder “18 ...compreender, com todos os santos, qual é a largura, e o comprimento, e a altura, e a profundidade 19 e conhecer o amor de Cristo, que excede todo entendimento, para que sejais tomados de toda a plenitude de Deus” (Ef 3.18-19).

Qual é a definição mais concisa de um cristão?
“Em Cristo”, é a resposta. Verifiquei, na carta aos Efésios, quantas vezes aparecem as expressões, como: “em Cristo”, “nEle”, “por Jesus”, “com Cristo” e outras semelhantes: 35 vezes. 

Jesus é o centro e o Mediador de qualquer relacionamento com Deus, Ele é o acesso ao Pai. “Em Cristo”, “Cristo em você”, “se alguém está em Cristo...”, “os mortos em Cristo”, “os que dormiram em Cristo, etc.

por Norbert Lieth

UMA NOITE DE LEITURA



Bem-aventurado o homem a quem o Senhor não imputa maldade.

Confessei-te o meu pecado, e a minha maldade não encobri. Dizia eu: Confessarei ao Senhor as minhas transgressões; e tu perdoaste a maldade do meu pecado.

(Salmo 32:2, 5)





“Pode ficar com sua velha Bíblia. Não preciso disso. Sou meu próprio deus!”

Com tais palavras José, prisioneiro, repeliu um cristão que visitava prisões e que lhe ofereceu um exemplar do Novo Testamento. No entanto, uma semana depois, o cristão voltou e mal pôde acreditar no que viu. José veio correndo até ele, agarrou seu braço e exclamou: “Pode me chamar de irmão!” E contou a seguinte história.

“Embora eu tenha recusado o Novo Testamento que você me ofereceu, outro prisioneiro aceitou. Quando voltamos para a mesma cela, ele me pediu para ler em voz alta o que estava escrito no livrinho. Não gostei nada disso, mas concordei porque não quis chateá-lo. Mas tem um detalhe: ele não sabia ler. Quando olhei para cima, meu companheiro já havia dormido. Continuei lendo a noite inteira. E não tinha idéia por quê.

Então Deus começou a falar ao meu coração. Entendi que precisava pedir Seu perdão pelos pecados que cometi e render minha vida ao Senhor Jesus Cristo. E foi o que fiz!”

José cumpriu sua sentença e agora está livre. Está totalmente liberto do fardo de seu passado e é ativamente engajado na obra cristã na Argentina. Deus o alcançou de maneira surpreendente!

de Boa Semente



UMA FORÇA ESPECIAL


Os jovens se cansarão e se fatigarão, e os moços certamente cairão; mas os que esperam no Senhor renovarão as forças, subirão com asas como águias; correrão, e não se cansarão; caminharão, e não se fatigarão
 (Isaías 40:30-31).

Jovens têm energia e virilidade para vencerem grandes obstáculos. Deus lhes deu tal capacidade. Mas há um limite, e quando se trata de questões espirituais, até os mais enérgicos perceberão que não possuem neles mesmos nenhuma força. Talvez consigam passar por muitos testes que os fazem superar fisicamente a maioria, porém, quando testados pela viva Palavra de Deus, tropeçam e caem, não física, mas espiritualmente.

Não importa se é jovem ou velho, existe uma força e um poder espiritual disponíveis a todos os que pela fé esperam no Senhor. Tal espera envolve uma dependência que confia no Senhor para prover a constante e necessária renovação da força. Isso é miraculoso e sobrenatural, mas real e prático.

“Subirão com asas como águias.” 

É claro que não é algo literal, no entanto muito mais precioso do que se fosse. Essas palavras falam sobre o caráter admoestado em Colossenses 3:1: “Buscai as coisas que são de cima, onde Cristo está assentado à destra de Deus”. Cristo é o maravilhoso Objeto que atrai o coração, no qual todas as bênçãos entesouradas nEle se tornam vitais e imprescindíveis para a alma. 

Estamos buscando a graça de Deus que torna possível vivermos acima das circunstâncias?

“Caminharão, e não se fatigarão.” Portanto, nessa atitude dependente de fé, podemos cumprir a ordem de Hebreus 12:1-2: “Portanto… deixemos todo o embaraço, e o pecado que tão de perto nos rodeia, e corramos com paciência a carreira que nos está proposta, olhando para Jesus”. Ao invés de nos cansarmos dessa corrida, tenhamos paciência para terminá-la.

Há um segredo para não cairmos no desanimo e nem no desencorajamento: “Aquele que diz que está nele, também deve andar como ele andou” (1 João 2:6).

de Boa Semente 2012




A correta decisão



Deus quer que oremos. E Ele quer atender nossas orações. 
Mas isso requer obediência à Sua Palavra e um estilo de vida santificado.

Sabendo que Ele escuta e responde, podemos deixar a decisão da resposta com Ele, na certeza de que está sempre certo, independentemente da solução que nos proporcionar. A esse respeito, Deus diz:

“Eu é que sei que pensamentos tenho a vosso respeito, diz o Senhor; pensamentos de paz e não de mal, para vos dar o fim que desejais” (Jr 29.11). 

Samuel Rindlisbacher 






Deus pode fazer além do que imaginamos



E sabemos que todas as coisas contribuem juntamente para o bem daqueles que amam a Deus… Que diremos, pois, a estas coisas? Se Deus é por nós, quem será contra nós? (Romanos 8:28,31).

O VITRAL RESTAURADO

Durante uma tempestade, uma forte rajada de vento estilhaçou o mais famoso vitral da igreja, o qual ficou reduzido a cacos no chão. Os fragmentos foram cuidadosamente recolhidos e guardados em uma caixa. 

A janela foi consertada com vidro transparente. Certo dia, um talentoso artista decidiu restaurar o vitral. Com a ajuda de fotografias e dos fragmentos, ele fez um trabalho tão primoroso que conquistou a admiração dos paroquianos.


Quantos de nossos planos e intenções são despedaçados pelas tormentas da vida?


Frustrações, acidentes, doenças, mortes, desemprego, problemas financeiros – tudo isso pode provocar crises tremendas dentro de nós.


Necessitamos de encorajamento! Temos de confiar em Deus. Se Ele permitiu qualquer uma dessas coisas é porque sem dúvida tem algo muito melhor para nós, pois Ele nos ama. “Aquele que nem mesmo a seu próprio Filho poupou, antes o entregou por todos nós, como nos não dará também com ele todas as coisas?” (Romanos 8:32).


O artista, embora tendo restaurado o vitral original, não podia fazer mais nada, mas quando Deus toma nossas circunstâncias em Suas mãos, Ele pode fazer além do que imaginamos para Sua glória e nossa bênção!


fonte Guia Devocional 2012

Simplesmente, Jó aprendeu a confiar em Deus!




Não sabemos todas as respostas. Muito sofrimento fica sem explicação. Jó passou seus dias implorando a Deus que lhe desse audiência e lhe explicasse porque sofria. Quando Deus finalmente apareceu, ele demonstrou que Jó não tinha capacidade nem para entender a resposta, muito menos para discutir com seu Criador. E no final, 

Jó aprendeu a confiar simplesmente em Deus. 


Algumas vezes o sofrimento que é inexplicável no momento, mais tarde é facilmente compreendido. Por que Deus permitiu que José fosse vendido como escravo e depois definhasse na prisão por manter sua pureza? Mais tarde o propósito ficou claro. Deus nunca prometeu que explicaria satisfatoriamente tudo o que acontece no mundo. Mas podemos confiar nele.
por Gary Fisher



QUEM É O SEU PAI?



Nisto são manifestos os filhos de Deus, e os filhos do diabo. Qualquer que não pratica a justiça, e não ama a seu irmão, não é de Deus (1 João 3:10).


Aqui a Bíblia divide a humanidade em dois grupos: os filhos de Deus e os filhos do diabo. Somente os que “nasceram de Deus” (João 1:13) pela fé no Senhor Jesus pertencem à família de Deus. E tal distinção, ainda que pareça dura para nós, é feita pela Bíblia, ou seja, pela Palavra de Deus.


Muitos se chocam por causa dessa afirmação e censuram os que crêem argumentando que tal separação é uma injustiça. Até citam as palavras do Senhor em Mateus 7:1: “Não julgueis, para que não sejais julgados”. Porém, no contexto de Mateus, o Senhor está falando sobre não julgar os motivos do próximo, e da nossa prontidão para criticar os outros e suspeitar de tudo.


O versículo de hoje trata dos que pertencem ou não à família de Deus. Como um filho de Deus poderia amar seus irmãos e irmãs se não fosse capaz de saber quem são ou se não houvesse uma clara diferença entre eles e o restante? Há características patentes que marcam os filhos de Deus: a justiça e o amor fraternal.


O novo nascimento, pelo qual uma pessoa se torna filho de Deus e acompanhado de uma conversão genuína e de uma fé sem fingimento, é um processo espiritual que escapa à nossa compreensão. O Senhor disse: “O vento assopra onde quer, e ouves a sua voz, mas não sabes de onde vem, nem para onde vai; assim é todo aquele que é nascido do Espírito” (João 3:8). 

O desejo de Deus é que “todos os homens se salvem, e venham ao conhecimento da verdade” (1 Timóteo 2:4), em outras palavras, que todos se tornem Seus filhos, e para isso Ele enviou o Senhor Jesus. Mas essa é uma decisão que cabe a cada um de nós!


Tendo em vista a mensagem de hoje, quem é o seu pai, querido leitor?


fonte: 'BoaSemente'


É tempo do fim em qualquer área






É tempo do fim em qualquer área, inclusive na religiosa. 


Apostatar de Deus e de Sua Palavra são atitudes que têm aumentado constantemente. Isso torna as pessoas cada vez mais cegas diante dos perigos e enganos religiosos.



Lemos na Segunda Carta aos Tessalonicenses: "É por este motivo, pois, que Deus lhes manda a operação do erro, para darem crédito à mentira, a fim de serem julgados todos quantos não deram crédito à verdade; antes, pelo contrário, deleitaram-se com a injustiça" (2 Ts 2.11-12). 


É justamente o mundo ocidental que está se despindo de seu manto "cristão" e se despojando de tudo o que lembra o cristianismo ou que se aproxime das verdades bíblicas. 


Mas, ao fazer isso, parece não perceber que está passando a usar uma camisa-de-força imposta por outras influências. Onde Jesus Cristo e Sua Palavra são colocados de lado, idéias brutais e cruéis, estranhas e erradas passam a ocupar seu lugar. 


Não é de admirar que Deus entregue uma nação à ditadura de poderes ou ideologias injustas quando esta pisa Seu amor com os pés. Onde existe prazer com a injustiça ela rapidamente se instala e assume o comando. "Povos todos, escutai isto; dai ouvidos, moradores todos da terra" (Sl 49.1). 


Norbert Lieth

Preciosa Natureza




sejam bem-vindos!

http://www.facebook.com/pages/Preciosa-Natureza/493642833990727









SOLO FÉRTIL

Bendito o homem que confia no Senhor, e cuja confiança é o Senhor. Porque será como a árvore plantada junto às águas, que estende as suas raízes para o ribeiro, e não receia quando vem o calor, mas a sua folha fica verde; e no ano de sequidão não se afadiga, nem deixa de dar fruto  (Jeremias 17:7-8).


Para uma árvore vicejar e dar fruto, ela depende da qualidade do solo em que está plantada. Se plantada próximo ao um ribeiro que não seca no verão, suas raízes irão absorver umidade adequada. Isso é mais importante nas zonas quentes do planeta do que nas zonas de clima moderado. Muitos ribeiros caudalosos na estação chuvosa se tornam um leito de terra rachada no calor.

Aqui a ilustração da árvore é usada para descrever uma pessoa cuja vida tem sentido e é frutífera, independente das condições externas. 

O rio significa a “água viva” sobre a qual o Senhor Jesus falou à mulher samaritana, que se “fará nele uma fonte de água que salte para a vida eterna” (João 4:14). 

Ele oferece essa água a todos os que estejam desejosos dela: “Quem tem sede, venha; e quem quiser, tome de graça da água da vida” (Apocalipse 22:17).

O mundo tem tantos ribeiros enganosos transbordando com promessas de abundância na “estação chuvosa”. No entanto, todos secam na estiagem, deixando sedentos todos os que rejeitam a salvação que Jesus oferece. O solo no qual estes estão plantados é arenoso e pobre. Não suporta o calor escaldante das provações. Enraizados nas próprias convicções e conceitos, tão passageiros e frágeis, não conseguem dar fruto permanente e não encontram razão para viver.

Boa Semente 2012



Disciplina bíblica dá bons frutos

A atual pedagogia, alheia à existência de Deus, humanística e anti-autoritária, levou os jovens a uma postura desafiadora e rebelde contra toda e qualquer autoridade. E isto deve ser debitado na conta de nós, adultos, nós que negligenciamos os princípios de Deus.

Se deixarmos as coisas tomarem seu próprio rumo, nos dirigimos ao ponto que é descrito por Isaías 3.4 da seguinte maneira: 

"Dar-lhes-ei meninos por príncipes, e crianças governarão sobre eles." 

O espírito de desrespeito, de chantagem, destruição e violência atinge mais e mais também os nossos filhos. E eles são, por sua vez, vítimas, por lhes faltarem os exemplos e os valores tão fundamentais para suas vidas. E isto representa uma clara acusação para nós, pais cristãos, pois exatamente nós é que deveríamos ser exemplos, segundo a vontade de Deus. 

Para uma educação no temor do Senhor é preciso ensinar aos filhos a auto-disciplina e não negligenciar o castigo.

"O que retém a vara aborrece a seu filho, mas o que o ama, cedo o discipilna" (Pv 13.24). 

Disciplina bíblica é muito difícil de ser praticada em nossos dias, mas realmente promete bons frutos no futuro!


autor: Burkhard Vetsch



Precisamos aprender a obedecer


Hebreus 5:1-14
Que contraste há entre o santo Filho de Deus e o sacerdote escolhido entre os homens e forçado a ser tolerante por causa de suas próprias fraquezas. O versículo 8 expõe outra diferença. No que se refere a nós, precisamos aprender a obedecer porque somos essencialmente desobedientes. 

O Filho de Deus teve de aprender a obediência por uma razão completamente distinta. 

Como soberano Criador, Ele não estava sujeito a ninguém. Obedecer era uma experiência totalmente nova para Ele. E neste aspecto, Ele é o exemplo e o modelo de obediência "para todos os que lhe obedecem" (v. 9).


Em qualquer grupo, o líder investido da maior autoridade é aquele que primeiro executou, nas condições mais difíceis, as tarefas que delega posteriormente aos seus liderados. Aprendamos a obedecer na escola do Senhor Jesus. 

Mas que tipo de aprendizes nós somos? 
Será que a expressão do versículo 11, "tardios para ouvir", não se aplica a nós? 

A Palavra de Deus aqui não é, como no versículo 4, a espada que discerne os pensamentos do coração, mas, sim, o sólido alimento que fortalece os filhos de Deus e os capacita a reconhecer o bem e o mal por si mesmos.

 Tornar-se cada vez mais sensível ao que agrada e ao que não agrada ao Senhor é um grande avanço para qualquer cristão.

de Guia Devocional