Abramos e leiamos a Carta do Pai!



Ler a Bíblia é a melhor forma de ouvir Deus falar!
Por Antonio Fonseca


Imaginemos a seguinte situação hipotética: 

Uma pessoa nasce e cresce sem ter conhecido seu pai. Conforme vai crescendo e sentindo a falta do pai, começa a despertar o desejo de conhecê-lo e de saber o motivo de sua ausência. Então, tem início a busca para saber o que de fato aconteceu com seu pai. Mas não obtém respostas.



Ao completar dezoito anos, recebe em sua casa uma correspondência cujo remetente traz o nome de seu pai, a quem sempre desejou conhecer. 



Se você fosse essa pessoa e recebesse essa carta, o que você faria? O mais lógico seria abri-la imediatamente e lê-la, a fim de descobrir tudo o que sempre teve curiosidade e vontade de saber sobre seu pai, como, por exemplo, onde ele mora, o que ele faz, por que não esteve com ele durante todos esses anos... Enfim, os motivos reais de tudo o que aconteceu que o levou a se ausentar.



Essa pessoa ficaria totalmente concentrada na leitura e, com certeza, leria tudo com muita atenção, observando cada detalhe do texto, tentando satisfazer o desejo que sempre a acompanhou: o de conhecer seu progenitor. 




Agora, analise o seguinte:

Todos nós, principalmente os evangélicos, aprendemos, desde de muito cedo, que a Bíblia é a Palavra de Deus. Aprendemos que Deus é o nosso Pai celestial. Aprendemos que Deus nos ama e quer o melhor para cada um de seus filhos. E tudo o que podemos saber sobre Deus, o nosso Pai, está registrado em sua Palavra, as Sagradas Escrituras.




Aí vem outra questão: 

Como evangélicos, cremos em tudo isso. E uma das nossas marcas (ou características) é carregar, falar e compartilhar com outras pessoas o Santo Livro. Mas, infelizmente, o que temos notado em nosso meio atualmente é um grande desinteresse pelo conhecimento bíblico. A maioria dos evangélicos nunca sequer leu a Bíblia inteira, a Carta que o nosso Pai celestial nos deixou. 



Para lermos a Bíblia toda durante um ano, teríamos apenas de dedicar quinze minutos diários à leitura diária de três capítulos da Palavra de Deus. Isso significa que, dos 1440 minutos (24 horas vezes 60 minutos) que o nosso Deus nos concede todos os dias, precisamos tão-somente utilizar 1% desse tempo para lermos a Bíblia toda em um ano. 



Sabemos que quando oramos falamos com Deus e quando lemos a Bíblia Deus fala conosco. Mas muitos preferem negligenciar a Carta de Deus, o nosso Pai, para poderem ouvir Deus falar de outras maneiras não tão seguras e, às vezes, extremamente arriscadas. 



Ora, se sabemos e ensinamos que a Bíblia é a Palavra de Deus, e que na Bíblia encontramos a vontade divina para toda a humanidade, o que justificaria tanta gente não conseguir ouvir Deus falar ou procurar novas maneiras para ouvi-lo? 




Outro detalhe interessante:

Temos, hoje, vários e fáceis acessos aos Escritos Sagrados, o que não ocorria no passado,seja por meio da imprensa escrita ou pela Internet. Dificilmente encontraremos uma família brasileira que não possua pelo menos um exemplar das Sagradas Escrituras. É possível encontrá-la em todos os segmentos da sociedade.



Precisamos parar, pensar e, com sinceridade, responder às seguintes perguntas:



“Será que queremos realmente ouvir Deus falar?
 Será que queremos realmente conhecer o nosso Eterno Pai?”. 




Se a resposta for afirmativa, vamos, então, todos os dias da nossa vida, ouvi-lo pelo menos quinze minutos por dia, lendo, individualmente, a preciosa Carta que Deus, o nosso Pai, nos deixou. Com certeza, não somente aumentaremos a nossa relação amorosa com o nosso Pai celestial, mas também estreitaremos nosso contato, falando-lhe, por meio de nossas orações, e ouvindo-o, por meio da leitura de sua Palavra. 




Com certeza, também, aprenderemos, pela Palavra de Deus,


onde Ele mora,
o que Ele tem preparado para nós, seus filhos,
e quando iremos conhecê-lo pessoalmente,
alvo e anelo máximos de todo legítimo cristão.



Então, o que estamos esperando?
Abramos e leiamos a Carta do Pai!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

seu comentário sempre é bem-vindo!